Segunda-feira, 5 de Fevereiro de 2007

A VIA DOLOROSA PARA LER AS DORES EUROPEIAS

0010wyfb

Não devia lembrar a uma Editora a peregrina ideia de colocar no mercado um livro num único volume com 1.000 páginas, folhas em papel grosso e encadernação forte, um autêntico "tijolo" daqueles de vergar dedos e mãos ao relapso de militância na prática de ginástica específica das falanges até às falangetas. Porque ler não devia ser, muito menos do ponto de vista de uma Editora, um acto de sacrifício penitencial como se, pela incomodidade, se chegasse ao purgatório do saber. E calculo que não fosse essa a ideia castigadora do historiador Tony Judt (*) para nos reconciliar com a forma atribulada como os europeus reconstruíram o continente a partir das ruínas da Segunda Guerra Mundial.

 

E, no entanto, como se o sofrimento fosse um caminho para a memória, não há forma de se poder deixar de ler a obra de Judt recentemente editada entre nós (**) e que, em revisita à transformação europeia entre 1945 e 2005, derruba tabus, mitos, lugares comuns, conveniências e estereótipos, dando-nos um devastador fresco da construção europeia após a insanidade que a levou à loucura histérica da morte e da degradação humana. Reconstrução esta que, muito longe de ter sido repositiva e emancipada, foi, no essencial, uma enorme teia de ajustamentos, ajustes cruzados de contas, rapinas encapotadas e equilíbrios e reequilíbrios de forças. Com milhões de seres humanos a serem enxotados de um lugar para outro, a mudarem de pátria ou a transformarem-se em apátridas, sofrendo novas opressões e ignomínias, seguindo-se ao drama da guerra uma enorme extensão assente nas suas ruínas. Com o resultado surpreendente de as armas se terem calado na Europa  até hoje (a grande excepção foi a Jugoslávia pós-Tito) e a opressão geopolítica a denotar uma capacidade de conter a transformação dessa tremenda guerra subterrânea em que milhões de europeus e muitas das suas fronteiras se deslocaram como fantasmas vivos. E se a "guerra fria", mais o complexo e repulsa da “culpa nazi” (a única verdadeiramente consolidada na condenação do horrores da guerra), um fruto genial da propaganda do Komintern quando - via capacidade de agregação do "anti-nazifascismo" - conseguiu o efeito redutor de "concentrar o mal" em Hitler, contiveram os estereótipos dicotómicos dentro de uma malha de silêncios histórica e politicamente convenientes, de que beneficiou sobretudo uma opção forçada pelo comunismo para milhões de europeus como consequência singela de viverem em território de conquista dos "vingadores de Estalinegrado". Só a implosão surpreendente do “império soviético” (provocando a primeira e grande derrota e retirada do Exército Vermelho após este chegar a Berlim em 1945) permitiu que a Europa se reencontrasse com as suas misérias e feridas escondidas e se revolvesse perante destinos impostos. E chegou então o tempo de a Europa, para se reencontrar e unir, construindo uma paz que não seja disfarce de guerras e opressões, deixar de ter os tapetes cheios de lixo escondido. É esse olhar, inevitável e urgente, que Judt nos obriga a deitar sobre a identidade europeia, descascando mitos e lendas, doloroso mas saudável, o único saudável. Sobretudo para que a União Europeia, o melhor que sobrou da miséria das suas gorduras burguesa e revolucionária, possa ser algo mais que uma enorme burocracia com moeda única e contabilidades públicas controladas.

 

Não era necessário sofrer para acartar e abrir à leitura um livro essencial sobre a fase última da história da Europa, esta Europa que temos e somos. Mas se tem de ser assim, por inépcia de uma Editora, como evitar esta dor? Bem pequenina, aliás, se comparada com as “dores” da Europa. Por isso, só por isso, vale!

 

(*) – Tony Judt (na foto), historiador britânico, actualmente professor na Universidade de Nova Iorque.

 

(**) – “PÓS-GUERRA – História da Europa desde 1945”, Tony Judt, Edições 70.   

Publicado por João Tunes às 16:32
Link do post | Comentar

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO