Quarta-feira, 24 de Janeiro de 2007

TATIANA, O REPÓRTER E A HISTÓRIA

000yp068

A história faz-se de heranças de testemunhos. Faltando-lhe sempre os testemunhos dos que, esmagados, ficaram sem voz nem mão de escrita para contar. E é por isso que a história, todo a história, é uma história incompleta. Parte das vezes, por contar. E parcial que é a história, pelos seus longos e fundos buracos, em que se incluem os buracos construídos, há sempre um jeito de dirigir a história para onde se quer olhar. No fundo, a história não passa de um par de binóculos que se apontam para o que se quer ver. Com zoom, se o refinamento a isso inclinar.

 

Uma ucraniana vivendo entre nós, Tatiana de seu nome, cedeu uma entrevista a um blogo-repórter com uma mochila cheia de saudade bolchevique. E na peça lê-se assim:

 

“Nascida na então União Soviética, no país da Ucrânia, não resisti um dia em fazer-lhe uma pergunta que há muito trazia no meu espírito: "Na tua terra são mais felizes agora ou nos tempos da União Soviética?" "Aqui somos muito felizes mas na nossa terra éramos muito mais felizes, vivíamos melhor no tempo da União Soviética".”

”"Havia trabalho, as gentes eram naturalmente alegres, o ordenado de minha mãe era suficiente para a família, pais e três irmãos, viverem bem. O ordenado do meu pai era para amealhar". "Hoje em dia, a minha irmã é contabilista num banco, tem um bom emprego, ganha o equivalente a 50 euros".”

 

O blogo-repórter não perguntou a Tatiana o que faziam os seus progenitores na Ucrânia soviética – se eram funcionários estatais, do partido ou um outro braço da nomenklatura, ou se eram membros ou ouvidos do KGB. Fez bem o repórter em ser discreto. Se eles emoldurassem um dos casos, o certo é que teria o silêncio de Tatiana como resposta. Da mesma forma que, provavelmente, Tatiana calar-se-ia se os seus ascendentes proviessem dos milhões de camponeses ucranianos assassinados à fome pela “deskulakização” de Stalin, de vítimas das purgas mortíferas de Krutchov a mando de Stalin e que dizimou dezenas de milhares de comunistas ucranianos, dos interditos da Igreja Uniata, dos judeus de Kiev perseguidos nos progroms dos czares até Stalin, passando pela fúria devastadora das SS da demência hitleriana. No fundo, uma ucraniana como Tatiana tem mais razões para calar que para falar, sob o risco permanente de estragar a simpatia empática com que alegra a felicidade de servir o café ao blogo-repórter. Até porque a conversa podia alargar-se e ir até Tchernobil, ou até às constantes deslocações territoriais da Ucrânia entre os caminhos constantes das opressões russas e polacas e que moldou a Ucrânia, através dos tempos, no país europeu com as fronteiras mais transitórias e mais voláteis, cumprindo a maldição de ser país de terras férteis.

 

Tatiana fez bem o que dela se esperava. Pintou, para delícia do blogo-repórter ávido de vingança contra a história e os seus ventos doridos, um quadro de conformismo em que o “homem novo”, saído de uma sociedade revolucionada pelo proletariado, atingiu a plena felicidade pequeno-burguesa dos ordenados suficientes para a vida e a poupança. Inviável mas feliz. Poluída mas feliz. Criminosa mas feliz. Oprimida mas feliz. E como o blogo-repórter gostou, publicou. No pleníssimo uso do direito à liberdade. Mas talvez sem se questionar se escreveria em liberdade caso fosse "ucraniano soviético". 

Publicado por João Tunes às 16:28
Link do post | Comentar
1 comentário:
De odete pinto a 24 de Janeiro de 2007
Lapidar!

Mas o sofisma tolda o raciocínio e incita ao proselitismo infame.

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO