Sexta-feira, 20 de Maio de 2011

Lembrando a "locomotiva humana"

O mais certo é muito poucos se deterem, na ronda dos escaparates, perante um pequeno romance biográfico editado recentemente sobre um corredor que foi e será sempre célebre (tantos e tamanhos foram os seus feitos), o checoslovaco (checo) Emil Zatopek (*). E, no entanto, os que arriscarem ler o romance de Jean Echenoz sobre a vida de Zatopek (1922-2000), serão compensados da aposta. Não só porque a escrita é muito agradável e a tradução é magnífica (Virgílio Tenreiro Viseu), como pelo decifrar de acontecimentos significantes de conhecimento muito limitado, coberto como está pelas brumas do tratamento dos fenómenos desportivos.

Zatopek é um símbolo antigo e permanente da corrida contra os limites no desporto. Na sua prolongada fase pujante, ganhava, nas corridas de longa distância, tudo o que havia ganhar, numa espiral em que todos os records lhe pertenciam e ele em cada corrida ia batendo os seus próprios records, atingindo o pleno nuns Jogos Olímpicos em Helsínquia em que conquistou o ouro nas três modalidades de longa distância - 5.000 metros, 10.000 metros e Maratona (!), sendo-lhe aposta a alcunha significante de “locomotiva humana”. A sua figura a competir era inconfundível – estilo “escangalhado”, máscara de esforço sofrido, transmissão de noção de esforço muscular levado ao limite. Como os seus sucessos coincidiram com a construção da Checoslováquia socialista, sob regime de “democracia popular”, Zatopek foi erigido a um dos grandes símbolos da transformação comunista checoslovaca. Para mais, Zatopek era originário da classe operária e comunista. Assim, a propaganda do regime checoslovaca não só difundia intensamente o mito de Zatopek, apontando-o (pela imagem que transmitia de máxima aplicação na obtenção de resultados) como um stakhonovista modelo do esforço desportivo na longa distância, o símbolo do desportista comunista, cujos sucessos só eram entendíveis enquanto alcançados por um comunista (exemplar). No partido comunista, Zatopek ascendeu ao comité central. Como oficial, por cada sucesso foi sendo promovido de posto, até obter os galões de Coronel.

Com uma solenidade contida, com o respeito devido à tragédia humana, Echenoz, depois de nos fazer acompanhar, de forma viva, a pujança, o apogeu e à inevitável decadência desportiva de Zatopek imposta pelas leis da vida, como que se recolhe perante o desfecho da vida do famoso desportista checoslovaco, adoptando um registo literário com a secura da denúncia do absurdo da opressão. O caso não foi para menos. É que Zatopek, tendo-se oposto à invasão e ocupação soviética e outros exércitos do Pacto de Varsóvia da Checoslováquia em 1968, assumindo as suas obrigações de lealdade perante a sua pátria enquanto Coronel das Forças Armadas da Checoslováquia, foi expulso do partido e das Forças Armadas, condenado a trabalhos forçados em minas de urânio e depois, para “aviso público” da queda de um dos maiores mitos antes levantados pela propaganda comunista, colocado como recolhedor do lixo da cidade de Praga para que os seus compatriotas ao verem correr nas noites de Praga atrás de uma camioneta do lixo o seu antigo campeão de atletismo e ídolo desportivo, tivessem a noção do preço de se dizer não numa ditadura comunista. Provavelmente, nenhum desportista foi tão humilhado quanto Zatopek por razões políticas, passando de um extremo a outro na escala social, do reconhecimento público e nas honrarias de Estado. Ou seja, a excepcionalidade andou sempre junto desse operário provinciano a quem o mundo, espantado, via nele uma máquina feita pessoa correndo contra o tempo e, assim, “locomotiva humana” lhe chamavam.

(*) – “Correr”, Jean Echenoz, Cavalo de Ferro Editores

Publicado por João Tunes às 00:45
Link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO