Quinta-feira, 18 de Janeiro de 2007

WIELGUS (BIS)

000xxeez

Tenho a esclarecer, para não ser acusado de plágio e depois ter de me meter nos trabalhos e custas de encarregar o meu advogado de processar judicialmente os mal intencionados que ponham em causa o meu bom nome e conveniente reputação, que o meu post anterior foi escrito e editado sem ainda ter conhecimento do artigo de opinião de Luciano Amaral no DN de hoje. Mais declaro que se o DN fosse o meu jornal da manhã, teria poupado no post o que gastaria na transcrição deste texto:

 

De certa maneira, é surpreendente a pouca atenção que recebeu em Portugal o caso do bispo Stanislav Wielgus, sobretudo num país onde há sempre tanta gente pronta a denunciar as mais diversas malfeitorias da Igreja Católica. Certamente por causa da boa imprensa das tiranias de esquerda, parece que ninguém se chocou muito com a denúncia. Uma pequena sabatina histórica vem a propósito. A violência do comunismo na Polónia, com dezenas de milhares de indivíduos assassinados, centenas de milhares encarcerados em "campos de reeducação" (o eufemismo comunista para campos de concentração), a perseguição aos camponeses, a perseguição à Igreja, as purgas anti-semitas, etc., faz do nosso salazarismo, por comparação, uma brincadeira de crianças. Qualquer "colaboração" com um regime deste tipo não pode, portanto, deixar de ser chocante.

No entanto, todo o processo da condenação pública do bispo, juntamente com o passado histórico do país, torna o episódio lamentável. A Polónia conheceu, a partir de 1989, uma espécie de transição pacífica (à espanhola, embora do outro lado ideológico) que deveu muito à negociação entre o poder comunista e a Igreja. A ideia era evitar a caça às bruxas. Mas parece que a direita dos gémeos Kaczynski, no Partido Direito e Justiça, decidiu que a hora era de purificar a Polónia dessas manchas (propositadamente deixadas cinzentas) do passado do país. Os gémeos misturam o neonacionalismo com um programa de costumes de inspiração religiosa e socorrem-se (para obterem autoridade moral) da lenda da resistência da Igreja ao comunismo. Uns quantos bodes expiatórios seriam suficientes para fortalecer essa autoridade moral, limpando ao mesmo tempo a Igreja de um passado obscuro. Acontece que a "colaboração" da Igreja com o comunismo passou muito além de uns simples traidores. Se é verdade que foi perseguida, também é verdade que, sobretudo a partir dos anos 50, conviveu, numa relação por vezes tensa, por vezes amistosa, com o regime. Num país onde 90% da população é católica, o comunismo ali instalado rapidamente percebeu como seria suicidário um embate frontal com a Igreja. Por isso propôs entendimentos, que foram recebendo resposta positiva do outro lado. Um bom símbolo dessa ligação ambígua está no episódio da tomada de posse de Bierut (o estalinista local) em 1947, em que o Partido Comunista pediu que fossem realizadas missas especiais e os sinos repicassem. A Igreja, de forma ambivalente, aceitou realizar as missas, mas recusou o toque dos sinos.

Acontece com os regimes comunistas o mesmo que acontece com os regimes fascistas ou aparentados: os adversários de um autoritarismo concreto não são eles próprios necessariamente antiautoritários em abstracto. A Igreja Católica polaca sempre viu com bons olhos certos aspectos do moralismo de costumes típico do comunismo e apoiou, por exemplo, a censura a livros ou filmes desde que achasse reprovável o seu conteúdo. Não se sabe que papel terá tido a Igreja na relação do regime polaco com outras religiões, como as Testemunhas de Jeová (que foram erradicadas) ou o judaísmo (que levou a uma purga antijudaica ainda nos finais dos anos 60). Mas se foi como na Roménia com a Igreja Ortodoxa, quando nos anos 80 Ceausescu destruiu inúmeras igrejas cristãs e o patriarca ortodoxo se manteve silencioso, então a caixa de Pandora ainda tem muito para oferecer. O anticomunismo da Igreja não significou o apoio aos regimes demo-liberais característicos da Europa no último meio século. Em certo sentido, estes até são piores para ela no seu poder secularizador e de dissolução da autoridade religiosa.

Os ajustes de contas históricos agora em voga têm o condão de nunca deixarem ninguém bem na fotografia. Nem direita, nem esquerda, nem sequer as religiões. Quem se mete neles está a entrar num campo minado de onde com dificuldade sairá também inteiro. E a lição serve para lá como para cá.

 

Amen.

Publicado por João Tunes às 19:08
Link do post | Comentar

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO