Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2007

ATÉ QUANDO A ETA COMANDA A ESPANHA?

000xp0ak

Como já aqui referi, no princípio deste mês vi-me “retido” durante uma semana, por razões de saúde da minha co-pilota (que eu não trato como o Carlos Sousa tratou o seu no caminho para Dakar), numa pequena cidade de Castela-Mancha (Cuenca), entre Madrid e Valência. Da cidade em si (que é património da Humanidade) falarei depois se para tanto me inspirar. O certo é que estar durante uma semana preso na modorra da rotina provinciana de Cuenca, sobretudo quando o ritual do itinerário quotidiano dominante é Hotel-Hospital-Hotel, ultrapassa largamente a oferta de fruição turística do exótico e simpático burgo. Assim, acabei por mergulhar no tédio do deslocamento, o que foi novidade para as muitas e gratas vezes em que mergulhei em Espanha, onde me sinto em casa (sobretudo se há “corrida” para matar saudade de fiesta sem a corruptela lusitana do coito interrompido na altura da finalização).

 

Estando ao rubro a discussão e indignação com o atentado em Barajas dos pistoleiros/bombistas da ETA, tentei matar o tédio amontoando leituras de todos os jornais espanhóis com todas as cores e provenientes de várias regiões e ainda sobrou tempo para seguir os debates e comentários televisivos. Esta inundação informativa, e os periódicos espanhóis têm substância e pluralidade, permitiu-me reflectir um pouco sobre a realidade do terrorismo nosso vizinho e a dificuldade em o estancar. Sempre enquadrado no enorme espanto sobre como é possível, com 30 anos de democracia, uma cambada organizada de criminosos da pior espécie conseguir inquietar a vida de um país poderoso e democrático, determinando a sua agenda política. E como a estabilidade em Espanha, sendo o iberismo uma fatalidade no quadro da integração europeia (porque o preço incontornável de espanhóis e portugueses resistirem ao iberismo é serem, uns e outros, menos europeus, logo mais exógenos relativamente à Grande Europa), influencia decisivamente o futuro democrático português, não se pode dizer, com responsabilidade, que as bombas, os tiros e as extorsões da ETA se passam longe e não nos salpicam do sangue das vítimas. E, por isso, senti a bomba em Barajas como se tivesse sido na Portela e senti os desgraçados equatorianos assassinados como se fossem nossos patrícios. E vivi o atentado como podendo ter sido eu ou alguns dos meus a estarem na hora errada no sítio errado.

 

O facto que mais me impressionou no contexto do vulcão político desencadeado com o atentado, foi o enorme desfasamento entre a clareza e firmeza da maioria dos comentadores na comunicação social, límpida e sem tibiezas, e a nebulosa complicada e retorcida do mundo político e partidário espanhol. Os comentadores sublinhavam o óbvio – necessidade de um corte duro com a chantagem assassina da ETA, traço a que só as franjas partidárias e nacionalistas se prestavam, como sempre se prestarão, aos redondinhos de arremedo contemporizador e negocial, havendo a garantia de que 90% dos eleitores espanhóis haviam escolhido há muito o caminho de que, para viverem em paz e em democracia, há que combater e aniquilar os encapuçados com boina, bomba e gatilho. Passando-se para o plano político-partidário, tinha-se o espectáculo indecoroso com gente viciada a jogar poker político para que, do trauma do atentado, obtivessem dividendos para contas absolutamente egoístas. O governo e o PSOE entalados na sua minoria parlamentar, assim dependentes das micro-bancadas, ainda a terem de pagar o ónus de a ETA lhes ter estoirado na cara com uma bomba como paga das “tréguas”, num caminho de zigues-zagues próprio de bêbados políticos. O PP, com uma magistral campanha de comunicação e exploração de sentimentos, a querer impor ao governo a sua estratégia vinda do passado, vingar-se da vergonha-derrota de Aznar após a mentira do 11M, mostrando-se mais interessada no desgaste de Zapatero que no real combate à ETA (confirmaria obscenamente isso mais tarde quando, perante a manifestação de Madrid, disse que não participaria a menos que inscrevessem o slogan “pela liberdade” e quando essa vontade foi feita, mantiveram a recusa de desfilarem em conjunto com o partido do governo). A IU a fazer o seu habitual papel moralista de apelar a uma frente ampla que meta toda a gente para lá ter lugar a sua pouca gente e parecer muito maior do que é. O PNV a fazer os seu habitual jogo mercantil de estar bem com todos e servirem de cortina protectora à ETA/Batasuna. Os nacionalistas catalães (de esquerda e de direita) a assobiarem para o lado, engordados com o compromisso de que se não combaterem a ETA, ela não meterá bombas na Catalunha (em Barcelona não houve manifestação). O Batassuna (os assassinos políticos etarras) a darem show de duplicidade desencontrada e representada com o atentado, alardeando o descaramento da impunidade. Para cúmulo, o Rei a discursar num tom ensonado a exercitar o espectáculo patético de apresentar a linearidade democrata de firmeza mais consequente, juntando mais umas pedras preciosas ao ornamento da coroa mas sem retorno útil na situação política. Enfim um somatório de egoísmos partidários e nacionalistas, como se tratassem de abutres políticos a chafurdar nos escombros e nas vítimas de Barajas.

 

Não sei como culminará esta dissonância entre a opinião pública espanhola (se ela é traduzível pelos comentadores da comunicação social) e os jogos políticos degradados dos egoísmos partidários e regionalistas. Mas percebi porque é que a ETA continua a largar bombas. Porque é o único grupo político de Espanha (no caso, um grupúsculo, até na escala do País Basco) que domina a racionalidade política na apreciação da afirmação do objectivo principal (e o seu é matar para se agigantar, matando sempre porque de anão político sabe que nunca passará). Não mais que isso. Mas matam. Tenho hoje a sensação (triste!) de que a ETA vai continuar a matar e a condicionar a agenda política. Resta-me a esperança que, talvez depois do próximo atentado, uma “bomba” estoire no egoísmo político espanhol e imponha, como causa comum e decidida, a erradicação da principal e mais perigosa herança da ditadura – a dos assassinos cobardes incompatíveis com a democracia e a liberdade. Caçando e metendo atrás de grades os últimos filhos (simétricos) de Franco, os cobardes etarras.

 

---------------

Adenda: ler em perspectiva diferente mas mais convergente que divergente este post do Daniel.

Publicado por João Tunes às 20:16
Link do post
De Jorge Afonso a 18 de Janeiro de 2007
Gostei deste texto. As "férias" forçadas em Espanha fizeram-te bem. A análise é efectivamente bem lúcida. Subscrevo-a.
No entanto, continuo é sem perceber como isto se solucionará!

Abraço
JA
De João Tunes a 18 de Janeiro de 2007
Também eu não. mas que queima, queima. Abraço.
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO