Segunda-feira, 11 de Outubro de 2010

Uma feminista que soube e contou o que “a casa gastou” (2)

 

“A minha avó morreu nos anos setenta, depois de alguns meses no hospital. A minha mãe aproveitou o internamento dela para arrumar os seus armários e gavetas e deitar fora o “lixo” que continham, já que a minha avó era uma célebre coleccionadora de todo o tipo de objectos. O conteúdo do enorme armário de carvalho revelar-se-ia bastante normal (…). Já o outro armário era, de facto, um pequeno armazém ou um barco a vogar por águas desconhecidas. Estava cheio de detergentes que os anos tinham praticamente petrificado, garrafas de óleo rançoso, diversos quilos de açúcar, farinha e café (aparentemente, os produtos base da dieta familiar), algumas embalagens de chá, biscoitos, massas, latas de polpa de tomate (a Avó adorava cómoda italiana), feijões, e até um ou dois quilos de sal, embora ninguém se recordasse de ter havido falta disso. Os produtos alimentares ocupavam as prateleiras de baixo. As de cima estavam atafulhadas de objectos de todo o género: um rolo de tule branco, lãs de diferentes cores, meias de lã e de vidro novas e remendadas (algumas, creio, do tempo da II Guerra Mundial), tinta preta e castanha para o cabelo, champôs, sabões, cremes para as mãos, papel higiénico, antibióticos fora de prazo, aspirinas, insulina (embora não houvesse diabéticos na família) e diversas outras cápsulas sem rótulo, algodão em rama, e cerca de cinco ou seis embalagens de toalhetes higiénicos. Mais do que um armazém, o armário era um museu dedicado à escassez comunista.”

“Mas só ficámos verdadeiramente surpreendidas quando abrimos uma das gavetas. Aquilo era demais até mesmo para nós, tão propensas quanto ela a acumular objectos. A gaveta estava a abarrotar de sacos de plástico. (…)”

“Estou convencida de que as gavetas da minha avó explicam não apenas como sobrevivemos ao comunismo, mas também o porquê do seu fracasso. O comunismo falhou devido ao medo e à falta de confiança no futuro. É certo que as pessoas acumulavam todos estes objectos devido à pobreza – mas estamos a falar de um tipo de pobreza muito específico, uma pobreza generalizada, partilhada por toda a gente, um estado de carência e privação praticamente irremediável, pois não podia ser resolvido pelas palavras, as declarações, as promessas ou as ameaças dos políticos. Além disso, mais importante ainda, estas práticas de acumulação e reutilização constituíam uma necessidade, porque no fundo ninguém acreditava num sistema que, ao longo de mais de quarenta anos, se mostrou continuamente incapaz de satisfazer as necessidades elementares dos cidadãos. Enquanto os líderes acumulavam palavras sobre um futuro luminoso, as pessoas comuns acumulavam quilo de farinha e açúcar, frascos e copos, meias de vidro, pão duro, rolhas, cordas, pregos e sacos de plástico. Se os políticos tivessem olhado, uma vez que fosse, para dentro dos nossos guarda-fatos, caves, armários e gavetas – sem ser para confiscar livros proibidos ou propaganda subversiva -, teriam visto o futuro que estava reservado aos seus magníficos planos e ao próprio comunismo. Mas não o fizeram.”

(De: “Como Sobrevivemos ao Comunismo Sem Perder o Sentido de Humor”, Slavenka Drakulic, Edições “Pedra da Lua”)

(publicado também aqui)

Publicado por João Tunes às 11:08
Link do post | Comentar

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO