Terça-feira, 13 de Julho de 2010

Olá África, adeus Basil Davidson

 

Registe-se o sintomático quase silêncio perante o desaparecimento de Basil Davidson (*), inglês, jornalista, historiador e militante anticolonial. E, no entanto, se há personalidade estrangeira que se cruzou ininterrupta e fortemente com a história portuguesa nas décadas 60 e 70 do século passado, o calmeirão Basil Davidson está no alto do podium com medalha dourada ao peito.

 

Tendo desempenhado várias e arriscadas missões de maquis para os serviços secretos britânicos na Segunda Guerra Mundial, Davidson começou a interessar-se por África na década de 50, coincidindo com o declínio do império britânico e do colonialismo. De tal forma que se tornou o grande especialista mundial na história de África, praticamente órfã (ainda) de historiadores africanos e relativamente prisioneira de olhares académicos eurocêntricos sobre África. Com o aspecto paralelo de que o seu trabalho de investigação e estudo ser complementado com uma forte intervenção publicista, escrevendo crónicas e reportagens para alguns dos principais meios de comunicação social ingleses. A este africanismo de historiador-jornalista, Davidson juntou, pela sua descoberta da profundidade hedionda do esclavagismo e do colonialismo em África, particularmente chocantes enquanto elementos de destruição de uma parte da civilização, uma intervenção cívica de inteira disponibilidade para suporte das causas anticoloniais. Quando se inicia a década de 60, com as grandes potências europeias a largarem os seus últimos bastiões coloniais em África, a militância anticolonial de Davidson depara-se com a subsistência da última excrescência teimosa do colonialismo (o português) que queria contrariar uma evidência de resolução histórica pela força das armas, enquanto, do outro lado, os nacionalistas das colónias portuguesas decidiam que se Salazar só tinha a resposta da metralha às suas aspirações de dignidade e soberania então havia que responder com o fogo das armas às armas do ocupante.

 

As guerrilhas que combatiam o colonialismo português em Angola, Guiné e Moçambique, rapidamente perceberam a importância de Davidson como seu aliado para dar eco às suas causas na opinião pública internacional. O jornalista-historiador tinha uma profunda influência nos media ingleses (e daí irradiar para a comunicação mundial), não era passível de ser confundido como agente do comunismo internacional pois nem sequer era marxista, antes tinha um “respeitável” currículo de antigo agente dos serviços secretos britânicos, o que lhe dava respeitabilidade perante o Establishment britânico (embora visto como um esquerdista excêntrico mas tolerado), era um homem de Opinião, de Academia e de Acção, com influência nas universidades e os seus livros eram referências bibliográficas incontornáveis sobre a História de África. Além de que a proximidade de Davidson com a ala esquerda do Partido Trabalhista, quando este partido estava no governo ele era uma via muito útil para se "fazerem pontes" que contrabalançassem o poderoso lobby da ditadura portuguesa junto do governo britânico. Estabelecidos os contactos, Basil Davidson tornou-se, até à independência das colónias portuguesas, na personalidade ocidental mais empenhada nas causas dos movimentos de libertação (do MPLA mas, sobretudo, da FRELIMO e do PAIGC) que incluíram a realização de várias reportagens que Davidson fez junto das guerrilhas e em território colonial já libertado por estas (na foto, Davidson numa visita a uma zona controlada pelo PAIGC no interior da Guiné-Bissau, em plena guerra colonial naquele território), tanto mais que a sua experiência de guerrilha durante a Seginda Guerra Mundial lhe facilitava a adaptação à cultura e às circunstâncias da vivência dos que combatiam o exército colonial português. Em paralelo, Davidson, até porque “cavava” no terreno geoestratégico mais favorável ao salazarismo-marcelismo, tornou-se no inglês mais odiado pela ditadura portuguesa, um sujeito que tirava o sono à PIDE.     

 

Com a perda de Davidson e olhando os livros mais antigos que povoam as minhas estantes, alguns nas edições originais, aqueles em que mais aprendi sobre África, o esclavagismo, o colonialismo e o anticolonialismo, saídos da escrita limpa e valente de Basil Davidson, guardo-me num silêncio de respeito perante este honorável cavalheiro britânico, um dos grandes amigos não africanos de África. Porque, cá para mim, ele fica-me como tendo sido um verdadeiro Sir e sem que isso engulhe o meu republicanismo. 

 

Nota para eventuais interessados: algumas obras de Basil Davidson foram traduzidas e editadas em Portugal (sobretudo na "Caminho").    

 

(*) - Todas as regras, como costume, incluindo nas do alheamento, têm as suas excepções honrosas. A Joana Lopes demonstra que continua a tomar pontualmente os comprimidos contra a amnésia e a injustiça do desdém e da ignorância perante os justos e os valentes.

 

(também publicado aqui)

Publicado por João Tunes às 15:29
Link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO