Domingo, 14 de Janeiro de 2007

CONFISSÃO MANÍACA

000x19b3

Quase garanto que só a sedutora Brígida me obrigava a responder ao seu “inquérito” sobre as “minhas cinco manias”. Mas como a uma mulher de escrita tão bonita nada se recusa, aqui vai:

 

Mania 1: Sou feio (e cada vez mais). O espelho sempre foi o objecto que mais detesto. Desde que a minha memória tem capacidade de registo com fluxo, odeio as orelhas enormes e espetadas que se me penduram nos lados da cara, esta estatura menos que meã, as sardas e os seus vestígios esborratados, os olhos baços e encovados, os fios de rugas a abrirem sulcos na testa, as veias demasiado salientes nas costas das mãos, os cabelos que foram rebeldes ao pente e agora tanto faltam e dão ao cocuruto – por défice - um aspecto de senhor cura de antigamente, as sobrancelhas farfalhas armadas em bigodes deslocados do sítio certo, o nariz a querer terminar em forma de bola de Berlim, os adornos sob a forma de armações oculares que acrescentam dois vidros a uma cara mal amada pela natureza.  Por este mal de natureza paguei o preço injusto de sempre ter tido muito menos namoradas que as desejadas. E, com a idade pois claro, os sinais decadentes, em somatório sem retorno, avisam da senilidade galopante e inelutável que me dão sina evidente de não passar de um palerma feio à espera de aliviar o palco. A amostra mais recente escancarada na imagem deste post que sirva como prova da minha fealdade transportada. Olhando-a, como ao espelho, só consigo sentir-me grato às mulheres que se dispuseram a comigo partilharem namoros e casamentos. Sem lhes gabar o gosto nas inclinações estéticas da escolha.

 

Mania 2: Só me faço entender escrevendo. Sempre escrevi muito. Para mim e para os outros. Porque, a falar, sou um chato insociável. Repito mil vezes as mesmas coisas, não digo uma graça de jeito, atropelo os temas das conversas, a voz rouca agrava tudo o que da boca me sai, não domino bem as tonalidades e o volume de voz pelo que ou falo demasiado baixo ou desato aos gritos sem disso me dar conta, não consigo ter a paciência de um interlocutor que lhe ultrapasse a tolerância de cinco minutos. Como se tanto não bastasse, sou duro de ouvido e não apanho tudo quanto me dizem. Por isso, escrevo. Escrevendo tanto que quase só interrompo para ler. É a única forma de as pessoas embirrarem menos comigo e me voltarem costas menos vezes.

 

Mania 3: Sou um radical. Sempre o fui por uma atracção irresistível pelos extremos e pelo exagero. Também pela mania compulsiva associada de que sou capaz de mudar o mundo. Esgotada a crença revolucionária, peditório que me consumiu a juventude e a parte mais gostosa da vida adulta, nas últimas duas décadas tenho andado a testar e tentar o caminho da síntese impossível que me converta num consequente reformista radical. Por puro masoquismo, gosto deste projecto utópico em que o estímulo vem do infinito da empresa irrealizável.

 

Mania 4: Sofro de disfunção estético-erótica. Usando a vista, sou um felliniano em estado bruto – adoro apreciar bundas e mamas abundantes a prometer generosidades. Mas, no calor da intimidade, exasperam-me os largos perímetros, preferindo derivar para as delícias concentradas no gosto de um seio aninhado na cova da mão e uma bunda redonda mas curta que não dê perda de tempo na viagem até ao paraíso púbico. Isto e o gostar de apreciar loiras bonitas mas ter sempre reservado companhia de cama para morenas, as sempre fascinantes, imprevistas e exigentes morenas.

 

Mania 5: Sou um teso valente. A que melhor se explica e me explica – desde pequenino que adoro andar à porrada. Sempre andei e continuo a gostar. Não sendo violento, antes um pacifista melancólico-sentimental, sem corpo para apanhar com mais de dois tabefes bem puxados, deve tratar-se de tara de quixotismo sublimado e desperdiçado.

 

[Declaração de interesses: não sou um neurótico-depressivo candidato ao suicídio porque as minhas cinco maiores qualidades aliadas aos meus cinco maiores talentos, que não foram interrogados no "inquérito" e por isso ficam aqui omitidos, sobrelevam à fartazana as manias expostas no grau de sinceridade máxima.]

 

Pelo “regulamento do inquérito”, devia passar a bola a mais cinco bloggers. Pelo tema, só o faria escolhendo entre os tantos que detesto (e que são uma dúzia bem medida). Mas como a esses não cedo a dignidade de um link, fico, assim, com o inocente gozo do incumprimento na continuação da “cadeia”. Oxalá não me dê azar.

Publicado por João Tunes às 15:26
Link do post | Comentar
4 comentários:
De Brigida a 14 de Janeiro de 2007
:-D
já ri a bom rir!!! Está excelente!!! Delicioso mas excessivamente autocrítico... E quanto ao meu qualificativo... fiquei inchadíssima e com o ego hiper reconfortado :-) bjs
De cristina a 15 de Janeiro de 2007
elá!! tanto defeito?? pronto, eu faço-lhe a vontade...que exagero meu amigo, que exagero! até o acho muito charmoso...além disso, um homem cheio de qualidades é profundamente desinteressante
De João Tunes a 16 de Janeiro de 2007
Mas, Cristina, eu não falei de defeitos mas sim de manias. Defeitos é assunto para confessionário. Manias é assunto de cortinados, podem ver-se ... do lado de fora.

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO