Domingo, 23 de Maio de 2010

Viagem a Cunhal

Do livro de Carlos Brito com as suas memórias de camaradagem com Álvaro Cunhal (*) pode dizer-se, quanto à sua oportunidade, que é um livro necessário, constituindo, a meu ver, a mais importante novidade editorial dos últimos tempos em termos políticos e historiográficos.

Cunhal e o seu mito, inseparáveis num dos políticos mais brilhantes e influentes do século XX português, marcando profundamente a sociedade, a política e a cultura portuguesa até os tempos actuais, já tinham idolatria servida e penetrada em doses maciças; marcas de amor, ódio, simplificações e preconceitos; testemunhos de seguidores, adversários e dissidentes; olhares curiosos e fascinados “ de dentro” e “de fora”; uma biografia incompleta elaborada, com coragem, mérito e insuficiências, por um seu estudioso (José Pacheco Pereira) que sempre navegou em águas políticas diferentes das do líder comunista; reedições dos seus textos. Mas faltava algo importante e sintético sobre Cunhal, sobretudo uma visão que, ajudando a desfazer o mistério, contornando o carisma, nos permitisse aproximarmo-nos do revolucionário e da pessoa. Ou seja, o revolucionário enquanto pessoa e a pessoa enquanto revolucionário, únicas fórmulas aparentemente bipolares aplicáveis no único caminho para se chegar a Cunhal além do seu mito. O que, nas circunstâncias particulares de um dirigente comunista, é objectivo difícil de atingir, quase uma impossibilidade, sobretudo porque o silêncio e o mistério fazem parte do menu respiratório do fluxo orgânico do “centralismo democrático”. Porque abundando aqueles a quem a deificação de Cunhal serve ainda hoje como “prova de vida (política)” e sendo muito poucos os que tiveram acesso ao seu círculo íntimo (pessoal e partidário), era reduzida a probabilidade de “o culto cair na rua”, ou seja, descompor-se pela exposição dos contornos e das contradições através da sua acessibilidade via humanização.

Poucas pessoas além de Carlos Brito tinham condições para escrever e editar “um livro que faltava sobre Cunhal”. Não só porque o conheceu muito bem e durante um longo período (de 1967 a 2000), partilhou com Cunhal, na comunhão possível e permitida numa organização fortemente estanque e hierarquizada, as maiores responsabilidades políticas e partidárias, no período da clandestinidade, no período revolucionário e na fase de ocaso e decadência do PCP. Mas porque, nunca tendo sido um dissidente ou adversário de Cunhal, pela sua independência intelectual e pelo seu inconformismo político, tendo sofrido na pele a marginalização (e o castigo) do aparelho que se aproveitou da decadência de Cunhal, tinha as condições favoráveis a uma apreciação do líder desaparecido com distância, rigor e equilíbrio, sem culto nem preconceito. Ainda escrevendo e analisando bem, possuindo um bom suporte documental e factual, a memória política e partidária só pode agradecer a Carlos Brito a coragem de, com a maior decência, ter decidido ajudar a romper o véu sobre Cunhal e o seu mito, esse manto de omertà que inibe os que vivem e viveram o comunismo da sua exposição pública (e, afinal, do conhecimento do essencial, no orgânico, na ideologia e nos jogos de poder, por parte da esmagadora maioria dos seus militantes, simpatizantes e eleitores). Como nem Brito nem qualquer outro conheceram "todo o Cunhal" (a sua compartimentação integrava a que era aplicada às tarefas do partido), ele só não alcançou esse impossível. Mas uma aproximação ao real é sempre melhor que um mito em processos múltiplos de reprodução, deificação e demonização. E Carlos Brito deu o contributo que podia dar para que o Cunhal que vai passando á história se aproxime de uma figura humana, real, deste mundo, mas sempre excepcional e única.

Engana-se quem pense que o livro de Carlos Brito sobre Cunhal é um ajuste de contas ou sequer uma biografia deste. Diferente disso, ele é um livro de uma viagem política “a dois”, de Brito e Cunhal, dois camaradas próximos e diferentes, em que Brito, que tantas vezes foi avaliado e posto à prova por Cunhal, retribui ao seu dirigente máximo desaparecido um olhar de apreciação e levantamento dos pontos brilhantes e pontos negros que recheiam a carreira de um dos políticos portugueses mais influentes de sempre. E que, paralelamente, é uma revisitação do combate clandestino do PCP, da caminhada revolucionária e da decadência do PCP (esta fase já vivida em progressivo afastamento de trincheiras). O que dá ao livro um alcance suplementar, o da retrospectiva histórica e política sobre o passado de luta e decadência do PCP, sempre com a marca tutelar de Cunhal, o líder, o “Grande Irmão”. Depois, sempre importante em obras deste género, o estilo coloquial adoptado por Carlos Brito nesta obra faz dela um livro de leitura empolgante e fascinante.

[Penso que o importante, para quem se interessa pelas questões da história portuguesa contemporânea, do comunismo, do PCP e de Cunhal, é que leia este livro de Carlos Brito. Como a edição é muito recente, deixarei passar algum tempo até voltar a ele. Ou seja, ao Cunhal que nos é apresentado por Carlos Brito.]

(*) – “Álvaro Cunhal, Sete Fôlegos do Combatente – Memórias”, Carlos Brito, Edições Nelson de Matos

 

(também publicado aqui)

Publicado por João Tunes às 19:38
Link do post | Comentar
2 comentários:
De Ana Paula Fitas a 24 de Maio de 2010
Caro amigo João Tunes,
Acabei de fazer link deste post.
Obrigado :)
Um abraço.
De Deolinda a 27 de Maio de 2010
Caro João. Parabéns por divulgares a apresentação deste livro.

Cunhal, foi o único político na história comtemporânea deste País, com uma verticalidade indomável e uma capacidade de intelegência rara, ( quer se goste ou não). Independentemente de todas as hecatombes do comunismo, por este mundo fora.
Foi um politico a sério e polémico, que nunca traíu os seus ideais. Um abraço

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO