Quarta-feira, 12 de Maio de 2010

O candidato perante a lama e a exigência dos puros

 

A declaração acerca do seu passado militar feita pelo cidadão e (bi)candidato presidencial Manuel Alegre só pode causar engulhos a quem mistura ideologia com biografia ou entende que deve ser o estoicismo do silêncio (num género de calar de “puta velha”) a única resposta a uma calúnia mil vezes repetida com o intuito claro de retirar politicamente dividendos do efeito do passado falsificado de quem vai a votos mas que se detesta. Manuel Alegre já confirmou que vai a votos, como alternativa à direita conglomerada em torno da recondução de Cavaco Silva. Pode não ser o melhor candidato para unir e motivar, à partida, toda a esquerda e o centro-esquerda (o verdadeiro busílis da decisão eleitoral e que antes de dividir o eleitorado divide o PS, amarrado que está partidariamente à sua potente e governamentalista ala centro-direita). E é, seguramente, uma aposta de risco para derrotar Cavaco, mas isso se não se conseguir forçar uma segunda volta (meta difícil mas possível), a qual aplainaria, mesmo semeando sapos, as reticências do dogmatismo e do perfeccionismo personalista. Mas não há candidatos de proveta. Na esquerda, pela esquerda, foi Alegre que avançou. Felizmente, porque Alegre é um bom candidato, o melhor candidato que, na esquerda plural, se podia apresentar. Tanto mais que, desta vez, o poderoso pólo de centro-direita dentro do PS não tem um “candidato de palha” para confundir as hostes (Nobre foi uma aposta pífia da “ala soarista” que se esgotou no impulso de revanche), obrigando-se a escolher entre Cavaco ou Alegre (sem dúvida que a maioria desta ala prefere a primeira opção, mas sempre restam os que têm boa e crítica memória sobre a fonte de veneno institucional e político que é ter-se Cavaco em Belém). Resumindo, com todos os seus defeitos e virtudes, nas quais não se pode esquecer a coragem indómita de ir à luta mesmo quando a idade e o desgaste aconselhavam antes que calcasse as pantufas e se dedicasse exclusivamente à escrita (sobretudo à prosa, onde a sua poesia melhor alastra), Alegre é o candidato da esquerda que, neste momento político, é possível unir sem unificar para retirar a direita reaccionária de Belém. Só que numa eleição em que se escolhem pessoas, cada pessoa-candidato, não sendo tudo, é muito. Ela, com o seu presente, os seus projectos, o seu passado.

 

É falsa a dicotomia redutora que afunila as opções dos mancebos, quando a guerra colonial meteu a juventude portuguesa na fornalha das guerras coloniais, a fazerem a guerra com convicção ou submissão ou, então, desertarem. Houve quem escolhesse uma “terceira via”, a de irem para a guerra e, na guerra, lutarem contra ela. Cada mancebo português dos anos sessenta e primeira metade da década de setenta, avaliou e escolheu, cada um condicionado por mil constrangimentos pessoais, familiares, culturais, sociais e políticos. Nem todos tinham consciência política, nem todos tinham os mesmos “status” e constrangimentos familiares, nem todos tinham as mesmas acessibilidades e as mesmas capacidades de coragem, apoio e suporte relativamente aos circuitos que permitiam aceder à deserção com exílio com prazo incerto ou mergulho na clandestinidade. Finalmente, nem todos faziam a mesma leitura política sobre a melhor posição de intervenção perante a guerra colonial que se combatia, desertando (isenção individual) ou partilhando a guerra e aí lutando por convicções contrárias a ela (no mínimo, tentando “contaminar” os que lá estavam por profissão, convicção ou submissão, contaminação esta que, no limite, levou ao MFA e ao 25A). A esta distância, mais que julgar há que compreender que mais que a escolha das vias, eram, na ditadura (e, por isso, não falo sobre a coragem indómita e exemplar dos que desertaram após o 25 de Abril de 1974, os heróis da recusa à guerra colonial já falida), sobretudo as vias que escolhiam as opções. Um mancebo arrancado ao mundo provinciano e só culturalizado pelo patrioteirismo da época, sem acesso a escolhas e inquietações que a censura, a opressão e os costumes inibiam, fazia a guerra com zelo e seguindo os seus cabos de guerra, compensando a dureza dos combates com o gozo da fraternidade do élan da sobrevivência com os seus irmãos de armas. Entre os politizados, sempre uma minoria, uns desertavam (com a honra dessa opção) e outros continuavam, “na guerra”, o seu combate político contra o fascismo e o colonialismo, enquanto cumpriam as suas obrigações incontornáveis de combatentes pela causa errada. Descarregar juízos sobre as opções dos jovens portugueses colocados perante os dilemas da guerra colonial, é transferir as culpas reais, ou seja, as que cabem quase inteiras sobre os decisores políticos e guerreiros de então, os autênticos “senhores da guerra”, os do fascismo, do colonialismo, da guerra colonial. Manuel Alegre fez a guerra colonial, conspirou nela contra o regime, foi por isso preso e expulso do exército, exilou-se para escapar a nova prisão, continuando no estrangeiro a luta contra o fascismo e o colonialismo. É a sua história, foram as suas opções perante as “escolhas” que a ditadura lhe proporcionou. Por isso, como qualquer um, tem direito à verdade do seu passado e das suas responsabilidades. Se o salazarismo do boato e da calúnia, o mesmo que espalha e consolida a mentira de Soares a pisar em Londres a bandeira nacional ou que inventa e dá à estampa uma carta falsa de Rosa Coutinho a oferecer Angola a Fidel ou que difunde que Cunhal era dono de um latifúndio alentejano, diz e propaga a mentira de que Alegre foi um “desertor”, Manuel Alegre tem direito à verdade sobre o seu passado. Foi isso que o cidadão e candidato presidencial Manuel Alegre, acabou de fazer. Pela verdade contra a calúnia. Sem ter questionado outras opções e outras trajectórias. Onde está o problema no exercício da auto-defesa?       

 

(também publicado aqui)

Publicado por João Tunes às 16:36
Link do post | Comentar
4 comentários:
De paulo santiago a 12 de Maio de 2010
João

As "guerras" que já tive devido aquela"verdade" da
PIDE...tu sabes

Abraço
De João Tunes a 12 de Maio de 2010
Sei, Paulo, e sempre apreciei e apoiei essa tua defesa de um teu conterrâneo. Mas pergunto sem esperar resposta, farias o mesmo se Manuel fosse algarvio? (não, não é uma provocação, é um apelo a uma reflexão sobre as fronteiras da solidariedade).

Abraço.
De paulo santiago a 12 de Maio de 2010
não João, não é por ser meu conterrâneo!...é por
convicção, e pela verdade...ser de Águeda é um
acaso sem influência para mim.

Abraço
De João Tunes a 13 de Maio de 2010
OK, Paulo. Desculpa a dúvida mas como ando cheio de bairrismos até à ponta dos cabelos, saiu-me. Mal mas saiu-me.

Abraço.

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO