Sexta-feira, 22 de Dezembro de 2006

DIA PASSADO COM DUAS ESPANHOLAS

Julgo que foi na terça feira passada que, com um pequeno intervalo pelo meio, ouvi e vi duas entrevistas a mulheres espanholas e jornalistas. Primeiro, ao fim da tarde, na TSF, Carlos Vaz Marque entrevistou Rosa Montero (também escritora) e depois, à noite, Ana Sousa Dias, na RTP 2, conversou com Pilar del Rio (também esposa de José Saramago). Cada entrevistador no seu estilo (ele desafiante, ela envolvente, os dois sempre profissionalmente preparados), ambos excelentes a permitir-nos ler o do outro lado da conversa. 

 

As fluências exuberantes com que uma e outra se exprimiram, os seus olhares desinibidos sobre o mundo e a sociedade, as marcas claras da emancipação feminina assumida vertebradamente, o riso de escárnio saudável sobre os tabus, demonstraram, como se tal fosse necessário, quanto vai longe a velha Espanha rançosa e machista e como ali se afirma, agora e irreversivelmente, a alegria extrovertida da modernidade encontrada. E, caindo no estereótipo comparativo, provaram às mulheres portuguesas, já próximas da interiorização de uma modernidade parecida, que só precisam de ganhar a mesma autoconfiança que elas exibem com toda a naturalidade para que a Península demonstre que, aqui, entre Atlântico, Mediterrâneo e Pirinéus, a ordem machista deu o berro.

 

E, no entanto, demonstrando que não há igualitarismo que floresça, que diferença entre estas duas mulheres! Quanta distância entre a fluência sábia e acutilante de Rosa Montero, envolvendo com uma afectividade de proximidade lúcida e com tolerância pensada, propondo permanentemente a aventura da descoberta, comparativamente à arrogância cabotina de Dona Pilar quando se mete no papel de “esposa de génio” e desenrola a cartilha dos dogmas com que partilha a sua visão do mundo, recheada de apostilhas e eloquência de radicalidade definitiva, valendo-se da fama marital como plataforma afirmativa. O que só prova como são diversos os caminhos de um mundo cada vez mais feminino.

 

É bom assim. Assistir a um mundo crescer com as mulheres soltas e a voarem com as suas asas. Mas tão diferentes que permitem e convidam às preferências e escolhas. As delas e as dos homens. Pelo menos nisto, o mundo está a ficar melhor. Sem ser necessário sair da Península. Assim, pela minha parte, obrigado às duas.

Publicado por João Tunes às 12:43
Link do post | Comentar
6 comentários:
De cristina a 22 de Dezembro de 2006
Vi a entrevista a Rosa Montero, há tempos, pela Paula Moura Pinheiro. brilhante. :)
De João Tunes a 23 de Dezembro de 2006
Também tinha visto a Rosa Montero com a Paula Moura Pinheiro. No meu entender, o resultado não é nada que se pareça com a entrevista do Carlos Vaz Marques. Este tem um talento envolvente que puxa pela alma dos entrevistados, enquanto a PMP é um gelo autoritário à Pilar del Rio. A entrevista da Rosa Montero na TSF pode ser re-ouvida pela net pesquisando em tsf.pt.
De RN a 23 de Dezembro de 2006
Fiquei a ver navios que é uma forma de dizer que não vi Pilar nem Montero. Mas tenho visto a Espanha. De vez em quando olho para lá. Como eles andaram mais depressa que nós! E não param. Com o Aznar pelo lado da dinheirama. Com o Zaptero limpando o resto das teias de aranha nos costumes e iniquidades.
Fartas-te de escrever. Fico com inveja.
De João Tunes a 23 de Dezembro de 2006
A entrevista com a Rosa Montero pode ser pescada em tsf.pt. Vale a pena.
De Gil a 23 de Dezembro de 2006
ouvi parte da na TSF, Rosa meu fétiche particular.
um bom Natal
De João Tunes a 23 de Dezembro de 2006
Carlos, como disse e repeti acima podes sacar toda a entrevista em tsf.pt. Mas não alardes que a Rosa Montero é tua fétiche particular. E para os outros não sobra nada nada nada? F-R-A! F-R-E! ...

PS - Fazias ideia que o pai da Rosa Montero, já falecido, foi toureiro de profissão? Eu não.

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO