Quinta-feira, 21 de Dezembro de 2006

O NEO-REALISMO FOI AO SHOPPING

000tbhbz

Absolutamente demolidora a prosa neo-realista saída do talento literário de Leandro Martins. Que desbrava todos, ou quase todos, os vícios desta sociedade perdida. E numa simples ida ao Shopping que desemboca (como podia ser de outra maneira?) na denúncia acutilante do livro nefando e de mau porte de cuja culpa uma ministra de Sócrates não escapa. Leiam, por favor. Se possível, sem se rirem. Por respeito para com tanto talento derramado.

 

Gosto de supers e de hipers. Não se trata, no que me diz respeito, de algum pendor consumista, nem o chamado shopping alguma vez me seduziu. Mas gosto de passear nas avenidas, travessas e becos, praças e rotundas iluminadas e pejadas de cores. O que mais me atrai, entretanto, nessas megalópoles abastecedoras é o seu carácter de «cidade». Parece que ali estão todos e que ali está tudo o que é preciso para que uma civilização funcione. Ricos de carrinhos a abarrotar e pobres de saquinho na mão. E, quando vemos um frango numa prateleira de farinhas, é sinal de que alguém fez uma escolha de última hora e de últimos tostões – o dinheiro não dava para a carne, vá lá um pacote de bolachas. E temos assim avenidas de farináceos, alamedas de televisões, boulevards de carnes e de peixes, ruas de apetrechos escolares, travessas de produtos de beleza, praças de frutas e pracetas de congelados, pátios de bebidas, rotundas de móveis.
E também, como nas cidades, há becos. Ou daquelas ruas, como a da Betesga, onde não cabe o Rossio, em que se pode apenas dar meia dúzia de passos, mas cuja proximidade com a Baixa lhes confere um destacado plano.
É num beco assim que, no meu super de eleição – e já reparei que em muitos outros – se mostra e vende... cultura.
Logo na primeira banca estão os maiores escritores, portugueses e estrangeiros. Livros aos maços propõem-nos o melhor da literatura. Aí encontramos as obras dos grandes – Miguel Sousa Tavares, Paulo Coelho, Margarida Rebelo Pinto, Dan Brown – o do Código Da Vinci – autores do agrado de multidões de gentes bem pensantes, anunciados por toda a parte onde um jornal se folheia ou onde uma televisão se mostra. Estamos num mercado, e é legítimo pensar que o que mais se vende venha á frente.
Depois seguem-se outras bancas, dispostas hierarquicamente por valor intelectual – primeiro, os livros sobre candentes e metafísicas questões: os templários, os códigos descodificados, os segredos de fátimas e outras excelências que nos chamam a atenção para um Outro Mundo tão necessário à alma dos vivos; depois, os esclarecedores documentos sobre a história e a política, normalmente a dizer-nos que isto é tudo a mesma coisa, que se o Hitler foi um mau, o Stáline foi um pior; depois ainda os romances de emparvecer sobre os instintos mais fundos da humanidade; e depois, e depois, lá para o fundo, os escritos mais chatos, só para alguns – livros de Saramago, de Mia Couto, por exemplo. Nas bancas do fundo é difícil já a gente espiolhar. Velhotes reformados abrem aí, sobre os livros, os exemplares do Correio da Manhã ou do 24 horas, numa ânsia de saber.
No outro dia, na primeira banca, uma surpresa – o livro de Carolina Salgado, obra-prima, certamente. E, com o hábito que tenho de pensar que um super é como uma cidade paradigmática, olhei em redor. Talvez à espera de encontrar, como anfitriã desta cultura, a ministra Isabel Pires de Lima.

 

(transcrição integral de texto publicado aqui)

Publicado por João Tunes às 16:55
Link do post | Comentar

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO