Sexta-feira, 11 de Dezembro de 2009

Admita-se ou não, somos duas “metades” e uma ainda vive nas trevas cívicas

 

Lúcido como costume, Manuel António Pina espeta os dedos em três das nossas feridas civilizacionais mais fundas: a violência doméstica, o abuso de crianças e o desprezo pelos idosos:
 
"Coutada do macho latino" segundo a jurisprudência do STJ, este país não é para velhos. Nem para mulheres; nem para crianças. Mulheres já são 27 as assassinadas este ano pelos machos latinos seus companheiros; o abuso de crianças deixou de ser o escândalo que foi quando surgiram as primeiras notícias da Casa Pia e, de rotineiro, passou progressivamente das primeiras páginas para as interiores; e os velhos vivem e morrem por aí, resignados e em silêncio, enquanto o país discute negócios de milhões, robalos e trocas de telemóveis e a deputada do PSD Maria José Nogueira Pinto considera os míseros 80 euros do Complemento Solidário para Idosos "um ultraje e um insulto porque eles, diabéticos, vão beber cerveja e comer doces". Só no último ano, a Linha do Idoso da Provedoria de Justiça recebeu telefonemas de 3 348 velhos queixando-se de maus-tratos e falta de condições mínimas de vida e a Linha Recados da Criança de 883 crianças denunciando igualmente maus-tratos. E os que não telefonam ou nem sequer sabem que existe uma Provedoria de Justiça? A verdadeira e mais sórdida "face oculta" do país é esta.
 

Esta é, goste-se ou não, uma “metade” do país e povo que somos. Uma “metade” que vem direitinha das trevas do país salazarista-marcelista que acordou com uma revolução que lhe entregou a liberdade mas não mudou muito nos hábitos, nas tradições, nos costumes, nas fixações culturais. E foram muitos os que não apanharam o comboio da modernidade, da maturidade cívica e da libertação cultural, preferindo a estagnação nas estações velhas e caducas dos hábitos velhos e indignos, manchados pelo machismo e pelo desprezo para com crianças e velhos, exactamente porque são indefesos, mostrando que a cobardia, a par da inveja, ainda são defeitos nossos com dimensão colectiva. Para isto, nem a vaga de politização vinda em enxurrada com a chegada dos partidos ajudou, como não ajudou igualmente a estabilização democrática, com as consequentes fragmentações políticas, sociais e culturais e que cristalizaram o desenvolvimento do civismo e da cidadania, o que foi acompanhado do retorno do entronamento dos valores conservadores e com o catolicismo beato a querer pautar vidas e relações. Os governantes querem indicadores de sucesso, não tratarem as chagas culturais que flagelam os mais fracos. Os políticos querem votos e alta política, explorar os efeitos demagógicos que levantam ou fazem cair governos, carne para greves e manifestações. Cardeais, bispos e padres andam mais entretidos em pregar sobre como fornicar de maneira cristã. A comunicação social dá-lhes, quando calha, uma manchete ou uma notícia sumida conforme a quantidade de sangue das violências ou a dimensão da tara revelada, remetendo, por regra, os assuntos dos abusos, se forem sonantes, para as crónicas dos “feios, porcos e maus” e que tem um público específico (mas alargado) constituído por leitores inconscientemente sádicos e masoquistas. Neste panorama, adormecido no desprezo para com os nossos hábitos retrógrados, as actuais cabeças do Estado ajudam à eternização desta missa triste: um primeiro-ministro parolo no optimismo e no culto da tecnocracia, com tantos sarilhos de pelo menos más companhias que não lhe sobra atenção para se dedicar aos sarilhos reais e colectivos; um presidente e a sua Maria saídos das catacumbas de um atavismo serôdio, cada vez mais beatos e menos modernos. A solução que resta, como resistência de indignação, é continuar a clamar contra a moda e a maré. Até que a estupidez cívica, a força bruta dos cobardes, a indiferença perante os fracos, se reduzam a pó.

 

Publicado por João Tunes às 16:31
Link do post | Comentar

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO