Sexta-feira, 23 de Outubro de 2009

Para católicos, pior que encarar com o Saramago é pisar a relva do inferno da Luz

 

Não me lembro de ter tido, antes, na minha frente, uma mole compacta de 6.000 ingleses católicos. Bem bebidos e melhor embandeirados, aos gritos e em cânticos de transe espiritual, pintados de azul, estes peregrinos que encarei ontem na Catedral constituiram a maior deslocação ao estrangeiro de adeptos do Everton desde 1985. Entretido com a minha ginástica rítmica de bancada a comemorar as orações dos deuses vermelhos na relva, com os peregrinos britânicos em silêncio de recolhimento, apercebi-me tarde da debandada dos católicos azuis vindos de Liverpool. Foi no 5-0 e só então reparei que a bancada britânica-católica estava deserta (li depois que o estômago deles só aguenta quatro em seco). O sofrimento pela fé dos católicos tem os seus limites, eu sei. E Saramago, que não sei se é benfiquista, não (os) ajuda nada.

 

Publicado por João Tunes às 16:30
Link do post | Comentar
9 comentários:
De weber a 23 de Outubro de 2009
Caro João,
O entusiasmo, que eu partilho, com os altos voos da águia, pode ter-te levado ao lapso.
Ingleses!, católicos?
Não estarás a confundir com os Irlandeses?
A igreja que domina (se bem que andem, actualmente, às turras e o Vaticano quer acolher uma das facções) é a Evangélica, que é de Estado e cujo Arcebispo tem lugar cimeiro no protocolo.
Abraço,
Zé Albergaria
De João Tunes a 23 de Outubro de 2009
Não, Zé, não estava sob efeito de etanol comemorativo quando escrevi o que escrevi. E julgo não delirar e muito menos inventar no que escrevo apesar do impulso lúdico futebolístico não ser amigo da isenção. Obviamente que classificar de "católicos" os adeptos do Everton é uma generalização (que, para o texto, me deu jeito) mas não abusiva nem parva. Mas a rivalidade Liverpool-Everton é uma rivalidade de vizinhança que descambou para uma identificação segundo as fracturas religiosas (meu caro, há muitos católicos espalhados por toda a Grã-Bretanha e não só na Irlanda e na Escócia). Assim, em termos gerais, os protestantes apoiam o Liverpool e os católicos o Everton, embora ambos clubes tenham sido criados sob inspiração dos metodistas. Não sendo taxativo e muito menos obrigatório, o protestante da região tende a ser adepto do Liverpool e o católico apoiante do Everton. A desproporção entre as dimensões das duas comunidades religiosas é uma das explicações para que o Liverpool tenha uma projecção e um poderio muito superior ao Everton. A maioria esmagadora dos 6.000 adeptos do Everton que vieram à Luz eram católicos e a principal causa da tentativa que fizeram para publicitarem o caso Maddie na sua deslocação deveu-se a que os pais da criança desaparecida são católicos e ... adeptos do Everton (uma das t-shirts que a torcida do Everton queria distribuir na Luz tinha a foto da Maddie, que não era uma montagem, vestindo a camisola do Everton).

Se o assunto te interessa, recomendo este artigo:
http://www.toffeeweb.com/fans/beingblue/religion.asp

De weber a 25 de Outubro de 2009
Caro João,
Estamos sempre a aprender.
Para mim havia um coesão anglicana na Inglaterra e uma "dissidência" católica na Irlanda.
No entanto, fui consultar o site que sugeris-te e encontrei lá uma parte que me baralhou face às tuas explicações, que te transcrevo:
"An echo of sectarian divisions can still be heard in football, so try not to confuse the two teams (as Michael Howard did at the beginning of his career). Liverpool are the Catholic team and play in red at Anfield. Mention Xabi Alonso, maybe with knowing raised eyebrows; don't mention Michael Owen except with a knowing sneer. Everton are the Protestant team and play in blue at Goodison Park. Mention Dixie Dean, not Wayne Rooney."
Olha, lendo esta parte, fiquei sem saber, ao certo quem é quem.
Contudo, fiquei a perceber, pelas tuas preciosas informações, que a divisão religiosa na Inglaterra não é uniforme, nem concentrada de modo geográfico.
Obrigado pelo esclarecimento.
Abraço.
De João Tunes a 25 de Outubro de 2009
Amigo Zé,

As identificações por fracturas religiosas (e outras) nunca são fáceis nem completamente rigorosas. São sempre generalizações por extrapolação. No caso, elas são mais concretas, com maior base de suporte, nos casos irlandês e escocês (aqui, pelo menso em Glasgow, Celtic versus Rangers). A diáspora irlandesa é antiga e fortíssima, normalmente arrastando a implantação de comunidades católicas, mesmo onde a tradição religiosa local assenta em crenças diferentes. Embora saídos ambos de congregações à volta da igreja metodista, Liverpool e Everton, clubes àvidos de alimento para a rivalidade por vizinhança, tiveram já várias conotações que por vezes se trocaram (caso da referência que fazes). Foi, sobretudo, uma presidência antiga do Everton por um presidente católico que fez o seu alinhamento mais consagrado e que foi solidificado pelo recrutamento de vários jogadores irlandeses (católicos) que se tornaram craques dos "azuis", tornando não só maior a ligação dos migrantes irlandeses ao clube como à expansão da sua simpatia para dentro da própria Irlanda (mais concretamente: Irlandas). Mas o futebol tem uma força maior que as religiões (felizmente, digo eu, porque a única religião que professo tem o templo num clube de futebol) e haverá "toffees" das mais variadas crenças. Eu servi-me do estereótipo da associação Everton-católicos porque me deu jeito para um texto ligeiro sobre um jogo de futebol. Preferi isso a chamar "caramelos" aos adversários de uma noite, que se gostou de golerar mas não de humilhar.

Abraço.
De FRANCISCO cAVACO a 23 de Outubro de 2009
Manga di ronco com passos de tango
De mdsol a 23 de Outubro de 2009
Parabéns!

:)))
De Van Aerts a 23 de Outubro de 2009
O Glorioso SLB consegue reunir ateus e crentes na admiraçao a Jesus. Nada é por acaso, é obra do Divino.
De João Tunes a 23 de Outubro de 2009
O que só aviva a fífia do Saramago



Sim, Jesus é o Senhor!
De Duarte a 24 de Outubro de 2009
Se permite corrijo: Jesus é um senhor!

E sim, vivó glorioso!

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO