Domingo, 10 de Dezembro de 2006

O DRAMA LUSO-CRIOULO

000rk6yh

Dois dos factores mais importantes na diluição social e cultural da enorme comunidade dos antigos colonos e seus descendentes na sociedade portuguesa, integrando-os pelo peso da circunstância, foi a derrota do projecto colonial sem veleidade de esperança na sua regressão e os constituintes da comunidade afro-colonial nunca terem tido um tecido unificador, pesando mais as diversidades, muitas das vezes construídas no domínio do simbólico exorcista, consoante as colónias de onde foram expelidos, com expressões arreigadas e folclóricas de representações de identidades projectadas de “saudade angolana”, de “saudade moçambicana”, de “saudade caboverdiana”, etc.  

 

Em si mesma, a espantosa integração da comunidade afro-colonial (julgo que só o CDS, no período imediato à descolonização, conseguiu constituir uma efémera “legião política de retornados” como base de apoio de reactividade revanchista às mudanças na transição para o regime democrático), constituindo – em si mesma – a “página gloriosa” da descolonização portuguesa e um dos aspectos mais conseguidos da democratização, diz muito sobre a natureza da estruturação das burguesias coloniais portuguesas em África. Primeiro, quanto à fragilidade dos projectos autonomistas- nacionalistas da burguesia “crioula” (imberbes se cotejados com os sucessos transitórios verificados pelas burguesias homólogas na Rodésia e na África do Sul), portanto nunca capazes da mínima distanciação efectiva face ao Centro do poder colonial e às suas práticas de domínio, gerando uma impotência endógena para construir uma “terceira via à brasileira”. Segundo, a dispersão do império colonial português provocou não só a atomização das “culturas crioulas” (quase todas elas primarizadas nos exercício e nos rituais dos domínios sobre os povos africanos com que “conviviam”) como a diferenciações importantes quanto aos seus pesos relativos face à população africana, os níveis sociais, culturais, de informação e de politização como manifestavam os “status” e os fenómenos escapistas que conciliavam as consciências e faziam as pontes com a “realidade africana”, normalmente cristalizadas nos fetiches expressos do “feitiço africano” [as praias, as palmeiras e as acácias, o por-do-sol, o espaço, o camarão e o bom peixe e a boa carne, a fauna e a flora, o criado preto e a cozinheira e a ama pretas, a sensualidade epidérmica pelo acesso fácil (e barato) ao sexo].

 

Como bem demonstra Adolfo Maria (*), num excelente livro recentemente editado (**), ao falar da realidade colonial angolana, além de uma faixa dominante cavernícola (o que muito tem a ver com o impacto do número de colonos e da sua extracção dominante de origem semi-analfabeta e de baixa condição social de origem) na sua fidelização à dominação colonial ferreamente imposta a partir do Centro, não deixaram de existir, entre a burguesia “crioula” (a dos angolanos brancos), vários impulsos e micro-organizações, polarizadas por uma e outra personalidades, que advogavam uma ou outra via e grau de autonomização ou pré-independência e, por vezes, identidades político-programáticas com a Oposição ao regime que esporadicamente se manifestava na metrópole (com o pico maior durante a campanha de Humberto Delgado). Mas não só estes proto-movimentos eram grupusculares e rivais entre si como nunca alcançaram expressão para além de um regionalismo castrador (confinados a Luanda, ao Huambo, ao Lobito, a Benguela) e sempre impotentes para se afirmarem face ao poderoso aparelho repressivo-colonial e, assim, evoluírem para uma mínima ameaça anti-integracionista do “Portugal do Minho a Timor”. Parecido ocorreu em Moçambique (as diferenças, que existem, têm mais a ver com as particularidades da colonização na faixa do Índico), apesar do apelo da “experiência sul-africana” que, naquela colónia, exercia uma extraordinária atracção e influência, e que se exprimiu de forma muito diferente, quase estanque, nas erupções “crioulas” dos consulados de arremedo autonomista na Beira e em Lourenço Marques.   

 

Quando, germinando na década de 50 e explodindo na de 60, perante a obstinação de Salazar em manter, contra ventos e marés, o Império Colonial, escolhendo a via do aniquilamento para com os que se opunham ou divergiam, o nacionalismo africano e radical se afirma nas colónias portuguesas, trazendo a violência, a brutalidade e a guerra (agora a agredirem, pela primeira vez, as “duas partes”), o frágil quadro de autonomismo “crioulo” estiolou ao impor, às burguesias coloniais brancas, a escolha entre apenas dois caminhos -  o cerrar fileiras com a repressão do nacionalismo negro; ou então, desatar as amarras coloniais alinhando com os movimentos nacionalistas que praticavam a luta armada e afirmavam a imposição de um poder africano organizado em moldes militarizados e de matriz marxista e onde eram previsíveis e mesmo identificáveis as manifestações de “racismo negro” (e, muitas vezes, com raízes tribais). Obviamente, a esmagadora maioria caiu para o primeiro campo, diluindo-se na mole colonial-fascista (ao contrário da metrópole, onde a PIDE era uma instituição impopular e odiada, os “pides” nas colónias eram conceituados, estimados e acarinhados pela esmagadora maioria dos colonos). Quando a descolonização se impôs, com as pressas e dramas que se conhecem, no contexto em que decorreu, os meios de emergência e desespero a que uma parte da burguesia “crioula” deitou mãos para assegurar a “presença branca” em África (em oposição ou em co-habitação com os “poderes africanos”) já estavam em contra-pé à dinâmica instalada e não restou tempo para recuperar o tempo perdido no adormecimento da fracção crioulo-autonomista. A miragem dos “novos Brasis” (no arquétipo da independência com supremacia branca) já se tinha esfumado, restando apenas o regresso apressado a penates, ou seja, à Mátria, que os acolheu e os diluiu no seu seio.

 

Só escassíssimos membros da burguesia colonial (por regra, descendentes da baixa ou muito baixa burguesia local), muito jovens, hiper politizados, assumiram as suas identidades africanas e abraçaram o projecto independentista nas fileiras dos movimentos de libertação, rompendo radicalmente com o projecto colonial em todos os seus matizes. Tratam-se, pois, de casos excepcionais relativamente à sua origem (eram os do “corte absoluto”) e, em quase todos os casos, somaram à radicalidade desta “traição da origem”, um percurso traumático, porque fortemente atribulado e doloroso, nas suas posteriores trajectórias de luta em que a desconfiança relativamente a eles nunca faltou. Por isso mesmo, pela vivência profunda e violenta que transportam no corpo, na alma e na memória, estes personagens ou não falam ou, os poucos que a isso ousam, demonstram-se testemunhos humanos, sociais, políticos e históricos de uma enorme riqueza e complexidade. É o caso, sem dúvida, do riquíssimo testemunho de Adolfo Maria, conduzido e recolhido pelo investigador académico Fernando Tavares Pimenta, especialista nos estudos do nacionalismo angolano, e que resulta num livro utilíssimo para que a história colonial se desembarace dos arquétipos. O que já não era sem tempo.

 

(*) – Adolfo Maria: quando jovem colono branco em Angola, abraçou a radicalidade ideológica, militou num dos efémeros PCA’s, foi activista cultural, integrou um grupo de brancos pró-MPLA, foi membro destacado do MPLA e, posteriormente, com Mário de Andrade, Gentil Viana e outros, foi dirigente da fracção “Revolta Activa” (expelida, combatida e perseguida pela direcção de Agostinho Neto), tendo-se dedicado, nos últimos anos, à “reconciliação angolana” e ao desenvolvimento da expressão da “sociedade civil” em Angola.

 

(**) – “Angola no percurso de um nacionalista, conversas com Adolfo Maria”, Fernando Tavares Pimenta, Edições Afrontamento.

Publicado por João Tunes às 17:30
Link do post | Comentar

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO