Segunda-feira, 30 de Março de 2009

A HORA DA ESQUERDA

 

Num artigo publicado em “El País”, Nicolás Sartorius, um velho militante contra o franquismo, sindicalista e activista político da esquerda espanhola, alerta e propõe:
 
Milhares de milhões para os bancos e milhares de trabalhadores para o desemprego é uma mistura explosiva. Os sindicatos estão a adoptar uma atitude muito responsável mas não seria bom que fossem ultrapassados pela revolta das pessoas. É que toda a paciência tem limites.
 
É evidente que os sectores “sistémicos” da economia não se podem deixar cair – a parte financeira, a energia, as comunicações, a actividade do meio ambiental -. Mas, por isso mesmo, estes serviços públicos globais têm que merecer uma eficiente supervisão e regulação a diferentes níveis e, em certos casos, têm que estar em mãos públicas.
 
Desta crise pode-se sair com mais do mesmo ou com outro modelo, mais democrático, mais social e, desde logo, sustentável. Penso que a época em que os EUA e a Europa faziam e desfaziam está ultrapassada. Há que democratizar todas as instituições internacionais; fomentar os processos de integração regional de forma a criar uma rede de governação coordenada e global; apostar num novo paradigma energético baseado em energias limpas; estabelecer novas regras no comércio mundial que incluam cláusulas de coesão social; acabar com os paraísos fiscais que são autênticos roubos aos fiscos enquanto as pessoas continuam a perguntar-se “onde está o dinheiro?”. Numa palavra, ir criando, paulatinamente, um Estado de bem estar global, única maneira, em minha opinião, de manter para o futuro aquilo que desfrutamos no Ocidente.
 
Esta grande operação de criar um novo modelo de desenvolvimento democrático, social e sustentável tem que ser liderado pelas forças progressistas, políticas e sociais, passando à ofensiva no terreno das ideias, dos valores, das políticas e das alianças.
(ler o artigo completo aqui)
A direita e o centro (que a direita arrastou para o neo-liberalismo), incluindo toda a banda social-democrata que, a partir de Blair e imitando-o, se vergou ao primado absoluto do privado e do mercado até às suas últimas aberrações, estão incapacitados de responderem à crise. E, neste “museu da crise”, Cavaco Silva, Sócrates, Ferreira Leite e Portas ficam bem como “figuras de cera”. Muito menos esta gente é capaz de a aproveitar para a construção de um novo paradigma global que, partindo dos escombros da crise, resolva não só os graves problemas económicos e sociais do momento, mormente a relação entre o económico e o financeiro, como a construção de uma nova ordem global que previna os entorses e as disparidades toleradas como crie os alicerces de uma nova era de prosperidade, espalhando-a e não restringindo-a. Só a esquerda, se for propositiva e reformista, ousada a pensar, a agir e a unir, alijando o projecto que parasita a face simétrica do neo-liberalismo que é o sonho obsessivo e apocalíptico da revolução redentora agarrado à pele dos leninistas serôdios, tem essa oportunidade e missão. Terá ambição para isso?
Da crise de 29 do século passado, os EUA foram para o New Deal, enquanto a Europa se encafuou nos extremismos mórbidos e assassinos do fascismo e do comunismo. Agora, nesta crise, a América foi buscar Obama. A Europa quer ir para onde com Durão Barroso ao leme? 
Publicado por João Tunes às 14:59
Link do post | Comentar
7 comentários:
De Pedro Fontela a 30 de Março de 2009
João Tunes,

Eu não quero ser desnecessariamente alarmista mas se calhar a primeira pergunta a sair do saco seria: A Europa quer ir a algum lado enquanto entidade unificada?? Não há plano para sair deste lamaçal (economico e politico) nem interessa ter porque isso só poderia por em cheque os pilares de quase tudo o que é instituição de poder hoje em dia (a começar pela classe politica e os seus patrocionadores empresariais privados...).
De João Tunes a 31 de Março de 2009
Eu direi que a Europa é uma entidade (muito) fragilmente unificada. E o tremendo alargamento (mas necessário e inevitável, porque justo) com a integração dos países saídos da derrocada comunista fragilizaram ainda mais essa unificação. E daí? O caminho percorre-se andando. Não há nem pode haver plano europeu para sair da crise, primeiro porque a crise não é europeia, é global; segundo, os fundamentos da crise ainda não foram percebidos e o que há é uma aproximação medicamentosa de tentativa-erro-tentativa. Mas o meu post não se virou para aqui (apesar do interesse destas questões), tomei boleia do artigo de Sartorius e comunguei um aspecto que muito me interessa: a oportunidade que esta crise oferece à esquerda para se reposicionar como centro das soluções, não só para a saída da crise como para a construção de uma ordem global mais justa.
De Pedro Fontela a 31 de Março de 2009
O alargamento é justo? Mesmo sendo justo foi esse o critério que ditou o calendário? Daí que tal como na questão que eu mencionava acima também nestas se vê que os interesses do eixo Paris-Berlim-Londres tendem a destruir os interesses do resto dos membros (nós incluidos). Em suma, eu não acredito nas vantagens de uma política europeia que nos ignora sistematicamente.

De resto o meu comentário ia no sentido de dar a entender que de esquerda não há muito que sobreviva quer lá fora quer internamente. Ambas respondem aos mesmos interesses porque ambas são dominadas por preocupações meramente pessoais desprovidas de pensamento sistemático - quando oposição de direita e governo de esquerda trocam de discurso quando trocam de posição relativa não pode haver dúvidas que não são eles que estão a ditar a agenda política e muito menos que têm em conta os nossos melhores interesses.
De João Tunes a 31 de Março de 2009
Ficaram evidenciadas as nossas diferenças de pontos de vista. Não vejo com os seus óculos, vc não usará os meus. Portanto, a conversa teve, no mínimo, essa utilidade. Muito obrigado pelo seu contributo.
De Jorge Conceição a 31 de Março de 2009
As notícias hoje ouvidas sobre os sequestros em França das administrações da Caterpiller, da Sony e de outras duas empresas pelos trabalhadores, em acções contra o desemprego, vêm concretizar as preocupações de Sartorius sobre a tal "mistura explosiva". Será que ali estas acções estão já a ultrapassar os sindicatos? E a tal rastilho poderão vir juntar-se as "cargas" também noticiadas pelo relatório da OCDE sobre a depressão (mais de 4%) e o aumento do desemprego previsto para 2009.
De Jorge Conceição a 31 de Março de 2009
Uma correcção ao meu comentário: o termo técnico é recessão e não depressão.
De João Tunes a 31 de Março de 2009
A avisar já são muitos, mais que as mães. Que à recessão se segue a explosão, restam poucas dúvidas. Enquanto os políticos europeus andam a querer curar uma ordem doente e em contágio em cadeia, com a aplicação de "pensos rápidos". E é um risco tremendo que a esperança do mundo se concentre em Obama.

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO