Terça-feira, 24 de Março de 2009

VIDA E MORTE DO MALTÊS

 

Leio este magnífico texto de Rui Bebiano que nos remete para o imaginário libertário construído à volta da idealização da figura do cigano, um mito que hoje se deixou apodrecer até à evidência crua com que nos tempos actuais se exclui e se segrega em nome, santa hipocrisia, da discriminação positiva, mesmo perante a evidência de uma separação carcerária. Quando, é certo, o imaginário de um povo, mormente os da plenitude juvenil, valerão quando muito dois cêntimos na loja socrático-política dos trezentos em que um magalhães faz a vez de uma criança feliz e aplicada e um painel solar pendurado no telhado é pneu recauchutado na viatura da velha máxima que recomendava “beba vinho para dar de comer a um milhão de portugueses”. Mas, não disparando só pela janela, também apontando a arma para corpo seu, o do romantismo revisitado, Rui Bebiano explica magistralmente como o carril político e ideológico pode trazer para dentro de cada um de nós uma qualquer Margarida da DREN que nos mate o sonho dando dois tiros na utopia.
 

Voando com asas abertas por efeito de perspicácia alheia, o texto de Rui Bebiano envia-me para a lembrança de outro mito romântico e libertário que foi alternativa, mas mantendo similitudes vincadas, ao mito cigano e que os tempos sepultaram com a marca da viagem de esquecimento sem regresso. Refiro-me ao maltês que ecoou no imaginário alentejano feito cultura pela mão dos neo-realistas e que Manuel da Fonseca, sobretudo ele mas não só, transformou em marca literária de excelência (leia-se aqui um hino poético em sua honra passado a canção por Vitorino). Este vagabundo, uma espécie de homeless camponês, com evidente inspiração chaplinesca, sem marca étnica que não a da rebeldia, tipificado como corpo de resistência à ordem latifundiária. Mas, igualmente como Charlot, recusando o alinhamento social e os códigos de compromisso ou luta, vivendo da poesia do luar feito almofada e cobertor e de pequenos roubos de alimentos em estado bruto para matar a fome. Permanentemente acossado por guardas republicanos, o maltês foi, para a esquerda desejosa que a ordem fascista se desfizesse, um sucedâneo à “inconsequência cigana” (que Rui Bebiano muito bem configura num julgamento de severidade marxista) necessário para condimentar a sede de romantismo tendencialmente contrariada pelo pragmatismo da eficácia política. Isto enquanto fez de ponte, para os urbanos letrados e antifascistas, com o distante camponês alentejano, esse proletário despojado até à fome, envolvido numa camaradagem comunista que era a única em que confiava e que tinha como sua mas com as suas raízes culturais bem mergulhadas num caldo misto de herança muçulmana e do anarco-sindicalismo que o tinham iniciado na politização, marcando-o desde o advento da República se não antes. O maltês estava muito longe do estereótipo do camponês proletário que lutava pelas quarenta horas mas era integrável na idealização radical de rejeição do latifúndio sem o incómodo da tentativa baldada de domesticar a figura compósita do cigano. Servia às mil maravilhas como compromisso entre o realismo político da luta e a transgressão da permanência do sonho romântico que muitos não despegavam da ideia da revolução. Depois, como se sabe, o último maltês não foi morto por um guarda republicano, nem por pancadas de um feitor, também não morreu de torturas numa masmorra da PIDE. O último maltês faleceu de morte política com a Reforma Agrária, deitado numa cama a cheirar a alfazema e alecrim, comendo comida repartida, após uma reunião do partido que lhe liquidou, por suspeita de ser atrevimento de dissidência, o olhar de vagabundo com que teimava imitar Charlot.

 

---

 

Adenda: Agradeço, pelo exemplo de solidariedade simplificada pela tecnologia, a música que aqui faltou e que a Joana Lopes, com a sua costumeira eficiência, emprestou a este post. Abraços, pois, um para o inspirador e outro para a sonoplasta. 

 

Publicado por João Tunes às 22:35
Link do post | Comentar
7 comentários:
De Joana Lopes a 25 de Março de 2009 às 13:43
Eh! Eh!, João. É que tinha o disco aqui perto, nem foi preciso piratear nada!
De João Tunes a 25 de Março de 2009 às 14:38


(foi o sapinho mais parecido com um vietnamita que encontrei...)
De alexandre morgado a 26 de Março de 2009 às 01:30


A prosa é muito sugestiva mas só há uma coisa que não percebi e pedia encarecidamente que me explicasse.

Ou seja, porque é que foi a Reforma Agrária que acabou com «maltez» quando é certo que a Reforma Agrária, mesmo no auge, abrangeu cerca de um milhão de hectares, isto é, apenas 1/3 da propriedade agrícola da então chamada Z.I.R.A. (dados comprováveis numa obra de Afonso de Barros)

Porque é que o «maltez» não escolheu continuar a sê-lo nos outros 2/3 de terra agrícola ?
De João Tunes a 26 de Março de 2009 às 13:22
A pragmática mata a utopia romântica do imaginário dos urbanos politizados com vontade de pontes com os actores idealizados como delegados. A sociologia dos sérios também. Tanto como os "ismos". Portanto, encarecidamente lhe peço que não me leve por aí. Mas terá alguma razão, eu devia ter dito que o último maltês foi para a cova com o Manuel da Fonseca (um "monstro" da literatura e da poesia tão injustamente pouco lembrado). Felizmente, sobra-nos o Vitorino. É de aproveitar.
De Jorge Conceição a 26 de Março de 2009 às 15:27
Manuel de Oliveira, Vitorino, João Tunes, Joana Lopes, vários contributos, alguns notáveis contributos assinalando "os nossos" malteses! Mas acho que é cedo para o seu (do maltês) enterro definitivo. Alguns ainda o praticarão, mas muitos, embora que "prisioneiros", ainda o serão. Julgo...
De Jorge Conceição a 26 de Março de 2009 às 15:32
Manuel da Fonseca! Claro que não é Manuel de Oliveira...
De João Tunes a 26 de Março de 2009 às 16:02
Claro que concordo que nenhum enterro é definitivo.

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO