Sexta-feira, 20 de Fevereiro de 2009

DIREITO A ASILO

 

O homem há-de ir para algum lado. Dado que foi “reintegrado” e o local tem vindo a agradar aos seus colegas portugueses, ainda lhe dão asilo na Figueira.

 

Publicado por João Tunes às 00:21
Link do post | Comentar
11 comentários:
De marceloribeiro a 20 de Fevereiro de 2009
Ó João Tunes!
que mal lhe fiz eu e os restantes trinta ou quarenta mil figueirenses (e a Associação Naval 1º de Maio) para que V nos q1ueira mandart o bispo. Aliás qualquer bispo.
Será porque uns palermas de uns socialistas se bandearam com outros palermas do ppd para ter cá o santana?
Mas já foi e não deve voltar, pelo menos assim o esperamos.
Mande o bispo para a M;adeira ou para os quase iguais Açores do novo estatuto... Mande para onde quiser mas livre-se, pelas almas (incluindo a sua!...) de nos mandar a mertda do bispo ou o bispo da merda. obnrigado
De carlosfreitas a 20 de Fevereiro de 2009
João, a Figueira já não tem espaço para mais. Não se arranjaria por aí outra estância balnear para "asilar" sua eminência.
De João Tunes a 20 de Fevereiro de 2009
Ora, caros figueirenses, gostam de ter os cardeais no casino mas já se importam que um bispo escorraçado vá para aí a banhos...
De carlosfreitas a 20 de Fevereiro de 2009
Gostar não gostamos mas como o clima cultural é tão medíocre lá se fecha os olhos. Mas sempre lhe digo que o CAE está às moscas por causa de tanta fartura proveniente do "Bairro Novo". E mais não digo.
De Bernardino Gato a 20 de Fevereiro de 2009
Não é a Figueira da Foz o local mais indicado para bispos escorraçados.
Já em 1892, escrevia o arcipreste : "(...) na Figueira dão pouco pezo à autoridade ecclesiastica , como V. Ex.ª sabe..."
A ideia que agora se quer fazer passar de que a terra é de vistas curtas está completamente errada. Sempre se viveu e vive-se noutro patamar de tolerância, que a maioria das cidades do país não pode nem aspirar.
Foi sempre terra sem senhores, republicana, laica e de gentes lutadoras pela liberdade - e isto os "media" poderão alguma vez negar.
De João Tunes a 20 de Fevereiro de 2009
Erupção bairrista de pacotilha para uma mera provocação considerante. Mas é costume, os provincianos não vivem bem com o humor e são muito, muito, susceptíveis.
De carlosfreitas a 21 de Fevereiro de 2009
A troca de galhardetes sobre a Figueira da Foz, foi colocada em termos amistosos e não acintosos, eis senão quando surge gato que, de unha afiada, parecia prometer. Possuindo conhecimento histórico, embora de pendor monográfico, mas que demonstra alguma leitura, e talvez a condição de autóctone, mas não era isso que aqui, na realidade, se trata. Sabemos que a pesquisa histórica atribui pouca religiosidade aos figueirenses. É facto. Terra, talvez das primeiras do país, senão a primeira, a erigir no seu seio uma Igreja Evangélica, ali situada no inicio de um carreiro que, correndo na margem do rio, ficou na toponímia figueirense como Rua das Lamas. Quanto a terra sem senhores, essa já não é bem verdade, embora soe bem. Desde os monges crúzios aos Quadros, para apenas relembrar mais antigos e não entrar em polémicas estéreis a terra sempre teve pertença e donos. Republicana, bem, que se saiba, também foi monárquica, pois esses foram os dois regimes em que vivemos ao longo de oitocentos anos. Lutadores pela liberdade? Conheço alguns, e de todos conhecidos, mas no que toca a paladino dessa liberdade se foi aquele a quem a terra erigiu monumento depois de morto, mas de quem se esqueceu em vida, morrendo pobre e acossado pelos seus conterrâneos, deve ser Fernandes Tomás. Como não sou bairrista nem feroz regionalista não compreendo a frase "que a maioria das cidades do país não pode aspirar", claro que pode, basta, no seu interior, ter defensores deste calibre. Repare que os paladinos de uma determinada cidade são todos assim, defendem uma dama, não enxergando o real, reparemos que até já existe quem reivindique berço para a Afonso Henriques ao quadrado ou à molhada, como se queira. Quanto à imagem passada pelos tais "media" aqui ninguém tem culpa. Embora sendo a culpa um sentimento religioso aqui ninguém se sente culpado de nada. Desculpe João, mas saíu-me.
De Bernardino Gato a 22 de Fevereiro de 2009
Caro João,

Quero agradecer-lhe o epíteto com que me mimoseou - provinciano . Certamente o sou, porque não nasci lisboeta (nem figueirense). Em tempos de Estado Novo, dizia-se que para além de Lisboa todo o resto era paisagem. Ao fim de tantos anos de democracia, a mentalidade parece-me exactamente igual, com a agravante de a paisagem está, mercê das brilhantes actuações dos governos pós-25, cada vez mais desertificada.
Também sou culpado da falta de humor. Confesso que não vou em Carnavais, mas não impeço ninguém de dar uma boa gargalhada.

P.S. - Pela virulência da sua resposta, penso que algo o deixou perturbado. Não se exalte...
De Bernardino Gato a 22 de Fevereiro de 2009
Surpreendeu-me o conhecimento que tem da história da F. Foz. Factualmente correcta, só peca num ponto: Manuel Fernandes Tomaz morreu cedo, mas não na miséria. A família Fernandes Tomaz continuou a ter um papel preponderante na "governança" da cidade.

Talvez por inabilidade minha, não explicitei o que queria dizer, faço-o agora: todas as cidades têm as suas figuras, figurinhas e figurões, muitas vezes criados pela necessidade do regime do momento, e valem o que valem.
Quanto a ser paladino da cidade, e não enxergar o real, devo dizer que não sou figueirense nem tenho qualquer mandato para a sua defesa; e não enxergo mesmo bem o "real", quando se pretende deturpá-lo.

O que comentei foi a assumpção de ser uma cidade papista, que não foi nem é. Mais disse, que foi uma cidade onde a relgiosidade católica ou evangélica, pouco contava para o quotidiano da população, apesar de ser uma cidade marítima. Diga-me, se no século XIX, houve outros centros marítimos ou piscatórios tão desapegagos da religião?

De carlosfreitas a 22 de Fevereiro de 2009
João a seara é a sua mas...não me coíbo de responder como apraz.

Apenas num ponto, crucial, na apreciação colocada acima. Quanto a cidade marítima concordamos que o seja desde longe. A povoação e a sua praça foi beneficiando da proximidade da foz do Mondego, apesar das enormes arrelias provocadas pela sua barra, que a partir dos meados do século XIX, lhe proporcionaram o lento definhar do comércio marítimo, situação ajudada pelo fim das exportações para o Brasil, da implementação do vapor nas embarcações e outras que não vem agora a propósito. Mas existe uma confusão e é sobre essa que pretendo divergir. Piscatória, propriamente a Figueira nunca o foi, embora porto de descarga de pescado, por virtude do seu óptimo mercado, situado mesmo junto à foz do rio. Piscatória foi e é Buarcos e, essa sim, povoação de pescadores onde a existência de uma religiosidade, aqui e ali salpicada de paganismo, e que faz parte do culto daquelas gentes. Mas importa não confundir Figueira da Foz e Buarcos que embora próximas não podem ser confundidos como dois centros piscatórios. Uma e outra são muito, mas muito diferentes, na sua essência. A Figueira burguesa nunca se misturou com a Buarcos operária e piscatória. Dai não servir a Figueira da Foz de exemplo para o que pretendeu alegar. Quanto a Fernandes Tomaz , os relatos são divergentes nalguns pontos, incluindo esse. Mas a tendência é para confirmar o facto que expus. Ninguém gosta de ser acusado. Amenizar a memória é um propósito, quando a realidade foi atroz. Quanto á família ter continuado à frente da governança na cidade é um facto, mas sobre ele não me havia referido.

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO