Quarta-feira, 22 de Novembro de 2006

AINDA SOBRE O RELATÓRIO KRUTCHOV

000pk09x

Numa iniciativa louvável, na noite do dia em que a Revolução Bolchevique comemorava os seus 89 anos, teve lugar em Lisboa um interessante debate sobre o célebre Relatório Krutchov apresentado ao XX Congresso do PCUS, em 1956, e que representou a traumática denúncia (parcial e instrumentalizada) dos crimes de Stalin. O mesmo e célebre documento que abalou o comunismo mundial e que, curiosa e esclarecedoramente, merece do PCP [em princípio, o principal herdeiro deste património], o tratamento dado aos “documentos malditos”, ou seja, a sepultura do silêncio. Um dos intervenientes no debate, Raimundo Narciso, disponibilizou agora a versão integral do seu contributo e aconselho a sua leitura pelas muitas questões e reflexões ali colocadas.

 

Para além dos dados históricos e interpretativos, sobre o estalinismo e as fases posteriores do krutchevismo, do retrocesso para um neo-estalinismo (com Brejnev, etc), depois culminado no gorbatchismo como doença terminal do comunismo imperial, interessará sobretudo reflectir, para pensar o presente e o futuro políticos, se o estalinismo e as suas sequelas, descendências e variantes, foram acidentes de “erros e crimes” (evitáveis e corrigíveis, portanto) ou se pertencem como patologia à teoria e prática marxista-leninista. E se o problema do estalinismo, afinal, não passa de uma fixação paranóica criminosa de uma patologia ideológica. O que, levado às últimas consequências, empurra para a reflexão se os entorses e os dramas não vêm mais de trás, implicando bater á porta dos legados de Marx e Lenin (luta de classes e acção política, papel do Estado e dos partidos).

 

Raimundo Narciso, da sua parte, colocou assim o problema do legado e da retrospectiva sobre a experiência global do socialismo real:

 

“Na minha opinião os impasses do socialismo real têm na sua base a incapacidade demonstrada para resolver as questões de desenvolvimento económico que possibilitassem um nível de bem estar maior e mais harmonioso, isto é com justiça social, superior ao capitalismo. Mas a chave para resolver este problema de fundo está, no meu modesto entendimento, na super-estrutura política, está na liberdade individual. A superação das dificuldades económicas pressupõe o contributo livre e criativo à escala de massas. Sem mais e melhor democracia sem mais e melhor liberdade individual do que aquelas que gozam as grandes massas da população nos países capitalistas, a sociedade que se quer socialista não poderá vencer.”
”Não sei se era possível equilibrar a defesa da liberdade e da participação democrática com a defesa do Estado do cerco e da guerra que lhe era movida pelo campo imperialista.”
”Por outro lado como é do conhecimento, não diria geral, porque não é, como se vê por aí, mas de conhecimento muito generalizado, os ideias progressistas de reforma social, chamemos-lhe socialismo, têm de abordar uma realidade social completamente distinta das dos tempos de Marx, Lenine, Krutchov, ou mesmo de Gorbatchov.”

 

Noutro registo e segundo informa o Tiago Barbosa Ribeiro, José Saramago terá apelado, via recente entrevista ao jornal “Sol”, a que seja dado ao comunismo “uma segunda oportunidade” para que este prove as suas virtualidades sem cometer “erros nem crimes” (a propósito, TBR corrige sarcasticamente que se trataria não de uma segunda oportunidade mas da … “36ª tentativa”).

 

Pior que Saramago, no seu desgraçado voto de exercício de purificação exorcista (em que uns tantos milhões de pessoas pagariam as custas da experiência rectificante), só mesmo o “Avante”, em que exaltando todo o património do que se passou na URSS, analisa assim a lamentada implosão:  

      

“O fracasso dessa experiência histórica, com o desaparecimento da União Soviética e o retorno do capitalismo à pátria de Lenine, constituiu um grave retrocesso histórico, uma tragédia civilizacional cujas consequências já conhecidas permitem adivinhar as que se avizinham.”
”Esse fracasso, cujas causas profundas importa continuar a avaliar, teve origem num vasto e complexo conjunto de factores, donde emergem: a violenta e persistente ofensiva desencadeada contra a Revolução, desde o seu início, por parte do capitalismo internacional; as práticas de afastamento e afrontamento dos ideais comunistas – por isso de perversão da democracia - por parte de governantes que assim se isolaram das massas trabalhadoras e populares, suporte essencial da Revolução; a existência de dirigentes partidários e de governantes que, traindo a confiança que neles depositaram o partido e o povo, se passaram para o campo inimigo, passando a combater o que antes defendiam e a defender o que antes combatiam.”

 

Ou seja, para o PCP, agora mesmo, o problema esteve no fracasso de uma experiência exaltante, esse sim grave, admitindo que, pelo caminho, algo não correu perfeitamente, mas o pior da fita, indubitavelmente, foi Gorbatchov (e talvez, subentendidamente, Krutchov também apanhe por tabela).

 

Diferentemente dos que nada querem corrigir, meros candidatos a copistas de experiências falhadas com custos acumulados de atrasos e perdas de milhões de vidas, e os que anseiam por uma quimérica segunda oportunidade purificada, Raimundo Narciso coloca o centro da questão na compatibilidade desejável do socialismo com a liberdade e a democracia (mais e melhor liberdade, mais e melhor democracia). Até de que esta é a única forma de se atingir o socialismo. No fundo, o que separa Raimundo Narciso do PCP e de Saramago, é que, no conflito democracia versus revolução, e embora tenha fugido da abordagem da questão da revolução, ele opta pela democracia.

 

Concordando com o essencial do que escreveu Raimundo Narciso, excepto quanto ao papel limitador e desculpabilizante para com as circunstâncias do “cerco imperialista”, julgo que a essência da compreensão da patologia marxista-leninista (e ela nasce em Lenin e não com Stalin) assenta na consideração de três factores base: a) em regime com liberdades, há campo legítimo para projectos revolucionários? b) os partidos correspondem, ou devem corresponder, à arrumação das classes sociais? c) é admissível o genocídio social como forma de resolver as contradições de classe? d) é passível de tolerância que um partido, supondo-se representar uma classe “superior”,  se arrogue como sua vanguarda, substituindo-a no exercício do poder, pretendendo governar em seu nome e impondo-se a toda a sociedade? Enfim, muito pano para várias mangas.

 

Foto: No funeral de Stalin, Krutchov ajuda ao transporte da urna. Na altura, Béria ainda caminhava uns passos mais à frente.

Publicado por João Tunes às 14:48
Link do post | Comentar

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO