Sexta-feira, 1 de Agosto de 2008

A SOMBRA DO PAU TORTO

 

Carlos Schwarz da Silva, um engenheiro agrónomo nascido na Guiné-Bissau, com ascendências que misturaram sangues das mais variadas origens (caboverdiano, português, judeu, polaco) e que para a Guiné-Bissau regressou, quando jovem licenciado pelo Instituto Superior de Agronomia (Lisboa), para se dedicar à causa do desenvolvimento das populações do país que o viu nascer e que ele ama entranhadamente, sendo tão difícil, ali, onde a pobreza e o atraso dos povos se casaram com o desleixo, o gangsterismo e a corrupção (muitas destas maleitas são o que sobrou das terríveis experiências do “marxismo-leninismo africano”), resistir aos desenganos. E nota-se que, para resistir e persistir, Carlos Schwarz da Silva (“Pepito”, assim lhe chamam os amigos) ainda se ilumina no exemplo e na obra (incompleta, porque interrompida por Spínola, a PIDE e a traição de alguns dos “seus”) de outro agrónomo guineense, Amílcar Cabral.
 
Num notável texto autobiográfico, agora e aqui editado, Carlos Schwarz da Silva (na foto, tirada pelo seu e meu amigo Luís Graça) como que faz uma síntese da história épico-trágica da experiência da independência da Guiné-Bissau. Sem ponta de dúvida, uma leitura a não perder. A menos que se queira fechar os olhos à África de hoje, a África que os europeus deixaram aos africanos. E, nesta história, queira-se ou não, goste-se ou deteste-se, Portugal, nós, também entra(mos).
Publicado por João Tunes às 12:40
Link do post
De paulo santiago a 1 de Agosto de 2008
O Pepito é um grande Homem,traduzindo para
guineense é Homem-Grande.
Começa por ser grande em estatura,o que não é o
mais importante.Depois é grande nos conhecimentos
que transmite às populações do interior daquele País,
mostra também a sua grandeza na maneira afável
como ouve os homens e mulheres das tabancas,sem
paternalismos.
O Pepito e a sua ONG,a AD,é um farol de esperança,
aquilo são vários "ministérios"que vão da Educação ao
Ambiente,passando pela Agricultura e pelo Turismo,e
a obra está à vista. A AD faz,não espera.
Impressiona,pela positiva,chegarmos ao anoitecer a
Jemberem,nos confins do Cantanhez,uma tabanca
com iluminação pública,em Bissau não existe,uma
tabanca com uma estação de rádio,outra de televisão,
e um centro materno-infantil para as grávidas de
Jemberem e das tabancas próximas.Tudo isto trabalho
da AD,tem quadros excelentes,e da sua "alma-mater"
o Pepito.Jemberem,conheci,passei lá dois dias que
jamais esqueço,mas sei que existem outros casos
idênticos na Guiné patrocionados e dirigidos pela AD,
demonstrando como se promove o desenvolvimento
com uma boa gestão de recursos.
Gostei também de ler no magnifico texto do Pepito a
diferença de actuação dos técnicos formados no Inst.
Sup.de Agronomia (é um ex.)e os formados nos
Institutos do Leste.
Com Homens destes a Guiné e África estariam num
mais alto patamar de desenvolvimento.
Abraço
De João Tunes a 1 de Agosto de 2008
Caro Paulo,

Agradecendo-te o contributo que subscrevo na sua maior parte, permite-me uma discordância e uma lembrança:

1 - Não são as personalidades que fazem toda a história. Marcam-na em grande parte (é uma falácia o dito de que são as massas populares que a fazem e a determinam) mas não são "tudo". Cem "pepitos" não chegavam para bater os mil "anti-pepitos" que por ali pululam.

2 - Não referes (porque será?) os milhões de "paus tortos" que os portugueses e outros europeus andaram a espetar em África e lhes deixaram como herança dos séculos coloniais? E, queiramos ou não, tu e eu estamos nesse retrato.

Abraço.
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO