Segunda-feira, 21 de Abril de 2008

O COMENTADOR DE CARTAS FALSAS

 

De facto:

 

Há dois domingos, António Barreto publicou, no Público, uma carta de 1974, que disse ser de Rosa Coutinho a Agostinho Neto. Na carta, Rosa Coutinho, depois de "reunião secreta com os camaradas do PCP", ordenava ao presidente do MPLA aterrorizar "os brancos [portugueses], matando, pilhando e incendiando." E exortava: "Sede cruéis sobretudo com as crianças, as mulheres e os velhos." Apresento os portugueses de que falo: Barreto é uma voz respeitada; Rosa Coutinho era o alto-comissário em Angola; e o PCP está no Parlamento. Não falo de gente menor e, no entanto, a extraordinária carta não teve eco. Com duas excepções: uma crónica minha, no DN (eu dizia que ela era falsa), e um debate na blogosfera. O que deveria ter acontecido: um sobressalto nacional para tirar a coisa a limpo. Diz-se que o governador português e um partido português exortaram um grupo estrangeiro a aterrorizar portugueses - e nada! Ou eu tenho razão, e a carta é falsa, ou este silêncio é doentio.

 

Nota 1: Admiti que, na sua crónica semanal de ontem no “Público”, António Barreto se retratasse ou confessasse ter sido acometido de uma ingenuidade indesculpável para com o seu estatuto de comentador público. Não o fez, antes passou adiante da lama com que, uma semana antes, sujara a escrita. Assim, confessou-se como sendo um colaborador de canalhices disposto a pescar nas águas turvas dos canalhas ou dos ingénuos dispostos a engolir canalhices (veja-se, na blogosfera, a par dos que denunciaram e verberaram a patranha, os que engoliram a trafulhice e lhe deram eco de crédito, espalhando a lama). Resta-me condená-lo, a António Barreto, à única censura de efeitos práticos que está ao meu alcance: deixar de o ler.

 

Nota 2: Sobre o mesmo assunto, ver aqui e aqui. Para sossego de tantos crédulos de contumaz inocência que por aí abundam (um deles, aventou para Rosa Coutinho a hipótese de levá-lo a Haia para ser julgado como "criminoso de guerra" no TPI, sendo secundado por quem propôs que o homem fosse despojado do posto de Almirante e expulso das Forças Armadas), declaro solenemente que a "carta" do segundo post é mera ficção. 

 

 

----

 

Adenda: É natural que alguns coloquem a questão de o Almirante Rosa Coutinho não aparecer publicamente a desmentir a atoarda, defendendo a sua honra. Por aquilo que escreveu João Vasconcelos Costa, invocando um conhecimento pessoal próximo (*), Rosa Coutinho, além de já ser uma pessoa idosa, está doente e impossibilitado de reagir. O que coloca uma questão ainda mais escabrosa neste lamentável episódio: porquê quanto a uma inventada carta “datada” de 1974, se esperar que passassem mais de trinta anos após a sua publicação num jornal na então África do Sul do “apartheid” (leia-se o que, na “caixa de comentários” deste post, diz Augusto) e quando o seu atribuído autor está corroído pela velhice e pela doença e, assim, incapacitado de responder e defender-se?  

 

(*) – “Tenho por dever também defender outra pessoa atacada por AB e que, por razões de saúde, já não o pode fazer, o almirante Rosa Coutinho, pessoa que conheço muito bem e por quem tenho estima, embora discordando de muitas das suas posições políticas.”, escreveu João Vasconcelos Costa.

Publicado por João Tunes às 11:45
Link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO