Sábado, 14 de Outubro de 2006

QUE NOBEL?

000g1gcd

A Economia ainda não está preparada para valorizar a micro-economia. Ou, afinal, a Economia ainda só é macro-economia. Estas deduções de bolso faço-as pelo facto de o Prémio Nobel atribuído a Mohammad Yunus e ao Banco Grameen, ter sido o da Paz e não o da Economia.

 

A visão empreendedora de Mohammad Yunus, na área do micro-crédito, resultou exactamente porque é um muito bem preparado economista e teve percepção genial de uma fatia de mercado financeiro desaproveitado (nem como nicho era encarado) e que podia envolver muitos milhões de pequenos investidores de pequeníssimas poupanças que somadas dariam somas consideráveis. Para mais, como factores sedutores de símbolos sociais (o que ajuda sempre um bom negócio) numa actividade puramente financeira, apareciam os aliciantes de aliviar a pobreza de muito pobres e dirigir-se preferencialmente à gestão empreendedora de mulheres. Tudo, assim, justificativo para que Yunus e o Banco Grameen merecessem o Nobel da Economia. Porque de mestria em economia se tratou e trata. Aliás, a Comissão Nobel diz isso mesmo quando fundamentou o galardão: «Todo e cada indivíduo no mundo tem o potencial e o direito de viver uma vida decente. Em várias culturas e civilizações, Yunus e o Banco Grameen têm demonstrado que mesmo os mais pobres dos pobres podem trabalhar para o seu desenvolvimento».

 

Seria demais esperar que a fortaleza solene da Economia integrasse como feito de um dos seus um caso de sucesso financeiro na área da micro-economia e do micro-crédito. Tanto mais que fazia entrar os muito pobres como alvos e beneficiadores de operações financeiras no mundo reservado aos grandes problemas, aos grandes empreendedores e às grandes soluções para o mundo. Quando, como tantas vezes se diz, a Economia não é coisa que os estúpidos entendam. Esses gramam-na, não riscam.

 

Mas se o Banco Grameen meteu milhões de pobres, sobretudo muito pobres, através do micro-crédito, a deixarem de ser tão pobres quanto antes, por uma via pura e ortodoxa de capitalismo, o mérito de Yunus não pôde deixar de ser assinalado com direito a Prémio. No caso, deram-lhe o da Paz, sob a justificação de que, com menos pobres, baixa o risco de termos mais guerras. E assim todos nos entendemos. A Economia continua assunto da macro-economia, os assuntos dos pobres é do pelouro das vias exploratórias para que não armem zaragata. Ou seja, assunto de guerra ou de paz. Evidente e descarado. Sedutor, embora filisteu, também.

 

A Comissão Nobel podia, já agora, ter sido mais explícita. Por exemplo, justificar o Prémio a Yunus pelo seu contributo à Paz nas Ideologias. Explicando, preto no branco, que o mérito do insigne e bem sucedido economista do Bangladesh foi mostrar que, para descrédito de Marx e Lenine, os pobres se podem emancipar (e acalmar) pela via capitalista. Sem guerras, revoluções ou exigências de distribuição mais equitativa da riqueza. Sobretudo, sem atropelos à Economia.

Publicado por João Tunes às 15:29
Link do post | Comentar
2 comentários:
De Marco Oliveira a 14 de Outubro de 2006
"...para descrédito de Marx e Lenine"

E também para descrédito do fundamentalismo islâmico.
Há cerca de dez anos atrás, o partido religioso fundamentalista do Bangladesh viu a sua representação parlamentar reduzida de 17 para 3 deputados. Imediatamente após o anúncio dos resultados da votação, o Dr. Yunnus recebeu vários telefonemas onde era responsabilizado pelos resultados dos fundamentalistas.

Na verdade, os fundamentalistas só se podiam queixar de si próprios; eram eles que tinha atacado e incendiado agências do Banco Grameen, atacaram credores e condenaram o micro-crédito como sendo anti-islâmico pois ajudava as mulheres a emanciparem-se financeiramente.
De João Tunes a 16 de Outubro de 2006
Boa achega, aliás bem desenvolvida no post colocado no "Povo de Bahá".

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO