Terça-feira, 30 de Março de 2004

AMOR NO REINO DA IGUALDADE

15g[1].jpg

O Engenheiro Raimundo é um moçambicano muito branco. Delicado, de cabelo loiro, olhos profundamente azuis, vagaroso nos gestos, reflectido nas falas que são medidas várias vezes antes de saírem transformadas em som. Mas sente-se tão moçambicano como os outros.

Nasceu na cidade da Beira, filho de pais de longínqua origem minhota. Ali foi menino e fez o liceu. A independência apanhou-o na força da juventude. Saudou a nova realidade e tornou-se activista da Frelimo. Colocou-se ao serviço da pátria emergente para o que desse e viesse.

Quando a Frelimo resolveu transferir a posse da Refinaria da Matola, em Maputo, das mãos de Boullosa para as das massas populares, tornou-se urgente formar novos quadros devotados ao povo que pusessem a unidade estratégica a funcionar e bem. Raimundo foi um dos escolhidos e seguiu com mais uma dezena de jovens moçambicanos para a Roménia tirar um curso de Engenharia de Refinação. Quando voltaram, a Refinaria não tinha aguentado a espera e tinha passado a monte de sucata sem préstimo nem retorno. Ainda hoje, Moçambique não tem refinação de petróleo e importa todos os derivados. E aquela dúzia de engenheiros refinadores espalhou-se por variadas funções e modos de vida.

Raimundo andou por Ministérios, ganhou os vagares e os tiques defensivos dos burocratas, até que arranjou um lugar como Director Comercial. Das vezes que estive com ele, deparava com um olhar que tinha uma tristeza como fundo e que me parecia a marca do desencanto recalcado.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br<br>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<img alt="15g[1].jpg" src="http://botaacima.blogs.sapo.pt/arquivo/15g[1].jpg" width="280" height="204" border="0" /><br><br>O Engenheiro Raimundo é um moçambicano muito branco. Delicado, de cabelo loiro, olhos profundamente azuis, vagaroso nos gestos, reflectido nas falas que são medidas várias vezes antes de saírem transformadas em som. Mas sente-se tão moçambicano como os outros.<br><br>Nasceu na cidade da Beira, filho de pais de longínqua origem minhota. Ali foi menino e fez o liceu. A independência apanhou-o na força da juventude. Saudou a nova realidade e tornou-se activista da Frelimo. Colocou-se ao serviço da pátria emergente para o que desse e viesse.<br><br>Quando a Frelimo resolveu transferir a posse da Refinaria da Matola, em Maputo, das mãos de Boullosa para as das massas populares, tornou-se urgente formar novos quadros devotados ao povo que pusessem a unidade estratégica a funcionar e bem. Raimundo foi um dos escolhidos e seguiu com mais uma dezena de jovens moçambicanos para a Roménia tirar um curso de Engenharia de Refinação. Quando voltaram, a Refinaria não tinha aguentado a espera e tinha passado a monte de sucata sem préstimo nem retorno. Ainda hoje, Moçambique não tem refinação de petróleo e importa todos os derivados. E aquela dúzia de engenheiros refinadores espalhou-se por variadas funções e modos de vida.<br><br>Raimundo andou por Ministérios, ganhou os vagares e os tiques defensivos dos burocratas, até que arranjou um lugar como Director Comercial. Das vezes que estive com ele, deparava com um olhar que tinha uma tristeza como fundo e que me parecia a marca do desencanto recalcado.<bR<br>No convívio, conheci-lhe a família que me deu guarida e companhia numa inolvidável visita ao Kruger Park na África do Sul e à sua casa de campo perto de Maputo mas já junto da fronteira com a Suazilândia. A mulher do Raimundo era uma romena de traços evidentes de cigana, exuberante e que se movia com um extraordinário à vontade nos meandros da luta pela vida nas carências e armadilhas da sociedade moçambicana. Tinha um casal de filhos sempre impacientes de conviver com os pais e que pediam meças à exuberância maternal. Formavam uma espécie de tribo barulhenta em que os silêncios, os vagares e os zelos do Raimundo se diluíam e pareciam fora do contexto.<br><br>Percorri, com o Engenheiro Raimundo, muitos quilómetros através de Moçambique. Só numa das vezes, saímos da Beira em jeep e percorremos dois mil quilómetros em estradas esburacadas, por Chimoio, Gorongosa, Tete, Songo e Cabora Bassa. Tivemos muitas noites por nossa conta que deu para falarmos e conhecermo-nos cada vez melhor. Na Beira, mostrou-me a sua antiga casa paterna, o liceu, os sítios onde brincou e os locais onde tinha feito as suas reuniões da Frelimo. Tentou fazer-me imaginar, sem saudosismo, através da cidade em ruídas, o que era a Beira colonial. Falou-me da sua vida e do enorme desencanto com o projecto falido de independência que afinal tinha tornado os moçambicanos dependentes da corrupção e do saque dos frelimistas.<br><br>Confidenciou-me a sua história de amor com a sua mulher Dolores. Conheceu-a na Roménia quando estudavam os dois na mesma Universidade. Apaixonaram-se e fizeram uma jura mútua de projecto de vida comum a ter lugar em terras moçambicanas quando terminassem os seus cursos. O banal entre dois jovens estudantes que se encontram e se gostam. Mas havia um problema, pior dois problemas: Dolores era militante da Juventude Comunista Romena e sair do país para casar com um estrangeiro era uma heresia e uma ingratidão para com a classe operária que sustentava as despesas do ensino para todos; Raimundo era moçambicano branco e casar-se com uma estrangeira europeia simbolizava um acto de rejeição da africanidade e traiçoeira para com os camponeses e operários moçambicanos que construíam o homem novo da nova sociedade moçambicana. Raimundo foi mandado, repentinamente, apresentar-se em Sofia na Bulgária às ordens da Embaixada de Moçambique. Por lá esteve, encafuado num hotel secundário, sem saber porquê e para quê. Um dia, recebe ordens de se apresentar na Embaixada e entra uma reunião que reunia todos os estudantes moçambicanos a estudarem nos países socialistas e presidida por um manda chuva da Frelimo. O mandarim abre a reunião e diz que há um traidor entre eles. Um estudante em Sófia vira-se para Raimundo e aponta-o como um renegado da africanidade. Aquilo era um julgamento expedito e devidamente encenado. Raimundo defende-se e diz que o amor não tem cor, nem fronteiras e, muito menos, uma pátria. Ele era e seria africano e moçambicano mas nunca renegaria a mulher que amava. Mandaram-no regressar ao hotel onde o esperava um bilhete de avião para regresso imediato a Moçambique sem que pudesse fazer os exames finais do seu curso. Voltou, revirou meio mundo durante um ano e acabaram por o deixar ir fazer os exames finais. Terminou o curso, aproveitou para se casar e, depois, tentou trazer a sua companheira consigo. Nem a Roménia autorizava a saída de Dolores nem Moçambique lhe emitia visto de entrada. Raimundo voltou a Moçambique e esperou dois anos mais para poder viver com a mulher com quem se casara, formando a sua família.<br><br>Raimundo contou-me a sua história porque se tinha tornado meu amigo. Vagarosamente, com uma tristeza que ia tomando cada vez mais conta dos seus olhos à medida que cada palavra golfava lá de dentro. Rematou a conversa, oferecendo-me o livro de memórias do Dr. Hélder Martins, um médico moçambicano branco que aderiu à Frelimo nos primeiros tempos de luta, tinha sido grande amigo de Samora Machel e Ministro da Saúde e penara as dores da africanidade vivida por brancos. Tirar esse livro da estante e relê-lo é uma forma que eu tenho de matar saudades do meu amigo Raimundo. E de saudá-lo por não ter desistido de amar contra os dogmas e a estupidez dessa malta que, um pouco por todo o mundo, promete igualdade mais homens e mulheres novinhos e novinhas em folha luzidia feitos depois de derreterem, como sucata, os homens e as mulheres que somos. Fingindo não saber que o melhor que conseguem os candidatos a engenheiros de almas é aumentar o peso da ferrugem, tal como os seus camaradas da igualdade fizeram com a Refinaria da Matola.<br><br><b>(reedição de texto já publicado na antiga morada do Bota Acima)</b>
Publicado por João Tunes às 21:44
Link do post | Comentar
9 comentários:
De lou lopes a 26 de Janeiro de 2007
olha que engraçado encontrei aqui outro texto que me toca pessoalmente, olha que o meu pai tbm é africano e a minha mae é romena mas axo k o senhor esta a exagerar a historia que lhe contaram... realmente o socialismo era complicado... mas nao vamos misturar, confundir e nem dar uma imagem incorrecta as pessoas... ate porque cada historia é uma historia... n sei em que tempo passou-se essa, mas a que eu conheço é um pouco diferente... eles vao p Sofia pork era la k tratavam a documentaçao para o casamento... e na romenia so nao saiam as pessoas que eles axavam que tinham motivo para tal... os meus pais estao casados e ate hj moram em Angola felizes e eu vou p a romenia e sou considerada tao romena como qualquer um... este é um final mais feliz nao axa?
De Joo a 1 de Abril de 2004
Obrigado.
De Vicristo a 1 de Abril de 2004
Gostei do texto e da mensagem. Parabéns.
De Joo a 31 de Março de 2004
Abraço, caro Luis.
De LNT a 31 de Março de 2004
Não é no tamanho, é na qualidade! Aliás na sequência do anterior. Gostei muito.
De Joo a 31 de Março de 2004
Tens toda a razão, caro Luís. Não há meio de me disciplinar e colocar posts com textos mais pequenos. Prometo tentar. Abraço.
De LNT a 31 de Março de 2004
Grande texto.
De Joo a 31 de Março de 2004
Obrigado (pelo elogio e pela referência no seu blogue). Valeu a pena visitá-lo e ... tem direito a link. Saudação.
De xirico a 31 de Março de 2004
Gostei bastante deste texto e do anterior. Dois retratos bem conseguidos por quem esteve no terreno ... Parabéns !

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO