Domingo, 4 de Abril de 2004

LEMBRANDO A LÍBIA

Libia[1].jpg

A reconciliação com a Líbia é procissão que ainda vai no adro. Estava Blair a sair de Tripoli e uma delegação da Shell a chegar para assinar um gigantesco contrato petrolífero. Outros lá irão à tenda do Kadafi. Outros contratos serão assinados.

Verdade que Kadafi já não é o que era. Terá aprendido com a sorte de Sadam, passando a cuidar da pele, salvando-a. Já lá vai o tempo desse monumento de "criatividade ideológica" chamado “Livro Verde”, próprio para a iniciação política de crianças.

Nas três vezes que andei pela Líbia, tive a oportunidade de conhecer esse país bisonho e sui generis. Corri-o de lés a lés, quase só me faltou ter cabidela na tenda móvel do grande líder. A Líbia é uma fatia de país, estende-se junto ao Mediterrâneo e o resto é árido, desértico e fracamente habitado por uma ou outra pequena tribo berbere. De uma maneira geral, os líbios (muito poucos) ou trabalham na burocracia estatal, ou vigiam as empresas petrolíferas, ou estão nas Forças Armadas e na Segurança. A excepção será a dos comerciantes. Todo o outro trabalho necessário de realizar, é feito sobretudo por palestinianos, egípcios e iemenitas. E pelos europeus que garantem a prospecção, exploração e transporte do petróleo e do gás, vivendo em cidades-guetos perdidas deserto dentro ou em locais isolados junto do mar. Há dinheiro, muito dinheiro. Nas vezes em que lá estive, era alojado em hotéis de cinco estrelas a estrear, passados dois anos, ou o hotel estava já em ruínas ou tinha sido deitado abaixo para construção de um novinho em folha. As estradas estavam juncadas de pneus abandonados, porque quem tivesse um furo não podia pensar em repará-lo, deitava o pneu fora e comprava um novo. As presenças histórica e arqueológica romana são impressionantes, mas está tudo em bruto por não haver estrutura turística. Vigorando a absoluta lei seca, é impressionante o vai-vem até à Tunísia para se beberem uns copos valentes. O culto a Kadafi enjoa pelo excesso, mesmo segundo os padrões árabes. Perguntaram-me a religião para me passarem visto. Come-se mal, pouco existe para comprar. Os líbios compram no estrangeiro. Quando lá estive até compravam esposas na estrangeiro (sobretudo em Inglaterra, França e Suiça), preferindo as louras.

As reservas de petróleo (e sobretudo de gás) são significativas. Está muito perto dos portos europeus. A Líbia é um país com futuro. E tem Kadafi.
Publicado por João Tunes às 00:36
Link do post | Comentar
4 comentários:
De Joo a 4 de Abril de 2004
Caro António, não tenho informação concreta mas julgo que as mudanças de Kadafi têm a ver com o desaparecimento de cena (e do reino dos vivos?) do número dois do regime, um tal Coronel Jaloud. Quaando por lá andei, ele era o verdadeiro cérebro do regime. Depois, julgo que terá caído em desgraça. O certo é que o nome do sujeito desapareceu das notícias. Abraço.
De Joo a 4 de Abril de 2004
Boa viagem e boa estadia, estimada Deméter. Espero bem que nos mande crónicas de lá. Porque em Angola há de tudo, até internet. Saudação amiga.
De Antonio Dias a 4 de Abril de 2004
É. O quinto cavaleiro (Kadafi) tem isso tudo e os seus pseudo adversários têm medo dele. Se bem que como diz o João, Kadafi já não é o que era. Está velho, cheio de mulheres e de dinheiro, ri-se de tudo e de todos e, como ele próprio disse, há anos, tem duas mãos, onde quase toda a gente lhe vai comer.
De Demter a 4 de Abril de 2004
Comento no último post para marcar até onde li... mas quero lhe contar que vou à forra em Angola, conferir de perto as informações que tenho, muitas vindo de você. Estou trabalhando num grupo empresarial que tem braços em Luanda atuando no setor de transporte coletivo e rodoviário e na coleta de lixo. Aguarde. Beijos!!

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO