Terça-feira, 30 de Março de 2004

LIBIDO A BRANCO E PRETA

paintings_030[1].jpg

Aparício funcionava com a libido a branco e preta. Assim, sim. Não havia mulher africana que o não excitasse. Quanto mais preta, melhor. Preta e catorzinha, então o céu baixava à terra. Mulher branca deixava-o indiferente, mais frio que o gelo que ele só usava para fazer barulho agitando o copo de gin. Dizia ele, com ar de entendido dogmático, “mulher clara não sabe a nada”.

(Ah, é verdade, Aparício gostava de pretas e de gin. Este, explicava ele, era o melhor remédio “natural” para prevenir o paludismo.)

Chamar-lhe Aparício é assim a modos que uma falta de respeito. Já fora Major Aparício e depois, convertido à sociedade civil, tornou-se Doutor Aparício. “Licenciado em pretas de Maputo”, foi assim que ele se me apresentou.

Foi parar a Maputo ao serviço de uma consultora, por lá ficou como director financeiro de uma empresa portuguesa. Não tenciona voltar. Não falta nos provimentos para a mulher e os filhos em Lisboa. Não falha um mês de férias com a família. Mas nos outros onze meses do ano, ninguém o arranca de Maputo. Porque “não há pretas mais bonitas que as moçambicanas”.

O director-geral da empresa onde prestei serviço, um barrigudo careca e meu patrício do Douro, uma espécie de Buda da comunidade portuguesa de Maputo, estava instalado com a mulher e a filha. Lá teria os seus esquemas mas a posição de director-geral e de patriarca, não lhe permitiam folias expostas. Na segunda semana, achou que cá o mano não podia andar para ali desabonado e disse-me solidário “Oh engenheiro, você não pode sair daqui sem provar as moçambicanas, não me convém dar nas vistas, na quinta-feira vai sair com o Doutor Aparício que não há quem o oriente melhor.”. Os constrangimentos de serviço não permitem frontalidades de negas mal-educadas e estudar o Aparício interessou-me. Aliás, nem tive de dizer sim ou não, ele tinha falado, estava falado.

O Doutor Aparício apareceu-me no Hotel Rovuma ao princípio da noite, banho tomado, escanhoado e a cheirar a água de colónia. Jeep estacionado e amabilidade a puxar para o servil. “Então vamos lá, senhor engenheiro”. Eu fui, cumprindo, como ele, ordens do director-geral.

O jantar foi bom. Levou-me a um restaurante especializado em peixe, bem perto da Embaixada de Portugal. A conversa de acompanhamento não teve qualquer graça. Porque o obcecado do Aparício, passou o tempo todo a falar das delícias da mulher negra. Eu só dizia “pois” e lá tentava travar-lhe a pedagogia, informando o homem que tinha feito serviço militar na Guiné. Às tantas, vejo que os olhos do Aparício se cravam na linda empregada adolescente que nos servia à mesa. O homem parecia ter cola nos olhos. Comeu-se o peixe, bebeu-se o vinho, sorveu-se o café, tomaram-se os digestivos (e venha outro, e venha outro) e o homem, com a língua cada vez mais solta, não se desfazia da sua obsessão – preta para cá, preta para lá. Começou a dar-me o sono e a chatice. O restaurante desertificou-se. Ficámos nós e os empregados. Às tantas, o Aparício pagou a conta, trocando contactos de mãos com a empregada que lhe ficara no goto.

Saímos. O Aparício colocou o jeep mesmo à porta do restaurante e desligou. “Aguente aí, oh engenheiro, que esta está no papo”. Eu aguentei, é claro. Àquela hora, em que Maputo se torna perigosa, como ia atravessar a cidade até ao Hotel? A moça sai, o Aparício abre o vidro e diz-lhe “Anda!”. Ela hesita, ou finge hesitar, “vou apanhar táxi para casa, estou cansada”. E o Aparício, seco e corante: “Anda!”. E a empregada do restaurante sobe dócil para o jeep. Ranger dos pneus e ala para o “Sixty” (ou nome parecido). Sem voto na matéria (eu, como o Aparício, estávamos a cumprir ordens do director-geral), entro na discoteca escura e pouco frequentada. Poucos machos e muitas rapariguinhas aparentando entre os treze e os quinze anos. Todas conhecidas da empregada do Restaurante, porque todas se tratavam pelo nome e trocavam beijinhos. O Aparício trata de toda a logística, manda vir as bebidas e um grupo das “catorzinhas” e dispara-me “escolha lá, oh engenheiro”. Achei ser tempo de dizer basta. E disse para o Aparício: “desculpe lá, oh doutor, mas acha que tenho cara de pedófilo?”. O homem abriu a boca, espantado e desorientado. Parecia que nunca tal lhe tinha acontecido. Talvez não. Digo-lhe: “deixe-se estar que eu vou de táxi”. O Doutor Aparício, a contas comigo, com as “catorzinhas” e com as ordens do Director-Geral, diz “ora essa, quem o leva sou eu”. Levou-me, sem pio de fala, olhando de soslaio. Lia-se no seu olhar o pensamento contrariado: “agora, os gajos de Lisboa mandam para aqui engenheiros gays”. Deu-me uma enorme vontade de rir. Ri-me que nem um perdido até chegar ao Rovuma. O Aparício começou a ficar assustado. Não piava nem me olhava. Estacionou o jeep sob a protecção da branca Catedral. O Aparício ainda perguntou “Está tudo bem consigo?”. Então não havia de estar. Claro que estava. Conhecia melhor Maputo depois de conhecer o Aparício. E nunca pensei que o jantar de peixe me desse para tanto riso.
Publicado por João Tunes às 20:15
Link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO