Sexta-feira, 26 de Março de 2004

EXCELENTE TEXTO

doc_b[1].jpg

Há pessoas que conhecemos de outros escritos e intervenções, sobre quem nos apetece dizer: “a falta que este tipo faz à blogosfera”. E dizemos isto como se a blogo-corporação fosse algo de selecto ou recomendável. O que não está longe de ser, como sabemos todos. Mas enfim, não fica mal um certo “espírito de grupo”. Ou “espírito de equipa” como é mais de bom e moderno tom.

Bem, isto não é mais que um pretexto ou intróito para justificar o roubo ao Ivan Nunes de um excelente texto do Paulo Varela Gomes:

“Eu gostava de ter sido não só o piloto que disparou um dos mísseis que fez o cheique em fanicos mas o próprio míssil. Ah quem me dera ver aqueles olhinhos de crápula a esbugalhar-se no último micro-segundo...
Digo-te: bebi um copo de prazer à saúde de quem tomou a decisão, politicamente errada, claro, de consequências provavelmente dramáticas, mas sentimentalmente das decisões mais satisfatórias, mais preenchentes da alma, que já tive oportunidade de saudar na minha vida.
Na minha hitlist pessoal, o Yazinzito da mãezinha dele figurava em posição muito alta e fico felicíssimo de o ver assim duplamente vítima dos desportos radicais, o futebol e o encorajamento dos homens-bomba, ao último dos quais dedicou a vida paraplégica e as mortes dos outros.
O falecimento dele não é um falecimento útil como o do Savimbi ou, por exemplo, o - tão desejável - do Berlusconi (espero sinceramente estar com isto a dar ideias a algum grupo terrorista desempregado) que, ao desaparecerem, a vida dos respectivos povos melhora instantaneamente. O fanicamento do cheique Yazin adianta pouco porque há muitos e muitos cabrões do calibre dele entre a cabrãozada palestiniana. Mas, mesmo assim, satisfaz.
Mais importante, porém, é que não adianta grande coisa discutir o cheique Yazin em picadinho do ponto de vista político, até porque estou persuadido de que ele não foi morto por considerações políticas. Foi morto por duas razões, uma curta e uma comprida. A curta é que foi possível, ou seja, os israelitas andavam a ver quando é que podiam, ou seja, quando é que dava para lhe acertarem com 100% de certeza e sem magoarem muita gente em volta.
Naquele dia, àquela hora, um tipo qualquer disse ao Sharon que sim, o Sharon perguntou «Tem a certeza?», o outro confirmou aí umas três vezes e foi-lhe dado o «go ahead». Cheique Yazin em bocadinhos. Há muitos mais à espera do dia certo e da hora certa, sem que se interponham pelo caminho quaisquer considerações políticas, tréguas, tratados, promessas. Apenas: podemos ou não podemos?
Isto leva-nos à segunda ordem de razões, as compridas, incompreensíveis para todos os que pensam que o Estado de Israel é apenas um estado moderno como os outros - quando afinal é, até um certo ponto, um estado parecido com os inimigos que combate e que o combatem, um estado do século XXI, um estado da Paixão de Cristo de Mel Gibson. Israel mandou matar o cheique Yazin por vingança. E condenou à morte todos os palestinianos envolvidos em atentados contra cidadãos seus. Assassiná-los-á. Agora ou mais tarde, daí a cinco, dez ou vinte anos. A eles, ou aos filhos ou aos netos. O estado de Israel pode negociar com Arafat, com o Hamas, com as Brigadas de Al Aksa. Sharon ou os outros podem cumprimentar os seus dirigentes, dar-lhes palmadas nas costas, posar com eles para fotografias, e até respeitar tratados. Podem, em resumo, ocupar-se de política com eles à maneira moderna. Mas, uma vez fechadas as portas e desligadas as câmaras de televisão, mandará assassiná-los. É como a Mafia. Uma coisa são os negócios, outra é a vingança, aquilo a que a Mafia chama a honra, uma velha cultura mediterrânica, que afinal é semítica – e que provém, em última análise, do Deus de Israel, o Deus do Antigo Testamento.
Israel não perdoa a quem lhe assassina os filhos. E faz questão que isso fique clarinho. Não há considerações políticas de qualquer espécie que detenham o braço da sua vingança. Acho que esse filho da puta do Yazin sabia. Como sabe o Arafat e sabem os outros. Afinal, são do mesmo género e filhos do mesmo Deus.
Nós, modernos, civilizados e filhos do ar condicionado, é que não percebemos nada daquilo.”
Publicado por João Tunes às 12:31
Link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO