Segunda-feira, 31 de Maio de 2004

O APELO DA VINHA

51.jpg

Amílcar, jovem camponês, veio de um dos sopés da Serra do Marão, na mancha de vinhedos que se entendem desde Fontes até Santa Marta de Penaguião. Para cumprir o serviço militar. Depois, ficou-se por Lisboa a desenrascar-se como marçano. A namorada foi mandada vir da terra, casamento amanhado e vida em comum na intimidade exposta de um quarto alugado com serventia da cozinha e da barraquinha montada na varanda para alívio das necessidades.

Amílcar e Maria do Céu frugalizaram as vidas para se aguentarem no balanço e ainda amealharem algum. Nascida a filha Odete e com o acumular das gorjetas e os recebimentos dos trabalhos de costura, passaram a habitação alugada numas águas furtadas entre a Praça do Chile e o Alto de São João. Melhorou a qualidade de vida com a promoção de Amílcar ao posto de empregado de balcão e com o prestígio alargado de Maria do Céu pelas suas excelentes mãos para as linhas e o dedal. Por artes meio aprendidas, mais as restantes que lhe vinham dos saberes manhosos de camponês que nunca esquecem, tornou-se um pilar dos proventos patronais que lhe valeram uma quota na sociedade Merendinha do Chile, Ldª.

Amílcar tirou a carta de condução e, não tardou nada, coube-lhe uma herança do pai que falecera agarrado ao coração e à vinha. Transaccionou os pequenos vinhedos da partilha em contado e logo depositado no banco. Verdade que lhe custava ficar sem o parco património em terras e vinhedos mas não via forma de dar futuro à filha fora de Lisboa. Como camponês, ele voltara à estaca zero. Isso custava-lhe muito. Mas era a vida. E tempo de pensar em voos mais largos. Que não passavam pelas amarras ao balcão da Merendinha.

O pensamento de Amílcar há muito que se virara para o negócio dos táxis. Um dos seus passatempos favoritos era andar pelo Rossio, rondando a praça de táxis, ouvindo as conversas dos profissionais do volante, tentando extrair das conversas codificadas, os prós e os contras do negócio. Balanceava os custos do gasóleo, das mudanças de óleo e das manutenções. Quanto aos proventos, nada conseguia sacar de ouvido, mas ia fazendo contas de cabeça, tanto por bandeirada, mais o que marcava o taxímetro e os extras para as bagagens na mala, adicionando uma percentagem por conta dos garruços a enfiar à estrangeirada e um cálculo por alto para as gorjetas. Concluiu positivamente e o táxi começou a ser uma obsessão.

O dono da Merendinha estava na fase de querer investir os lucros do negócio da mercearia. Amílcar encheu-se de coragem, atraiu o patrão a um cabrito assado preparado pela Maria do Céu, que seguiu a primeira instrução que o marido lhe dera na vida de não poupar na comida, acompanhou o repasto com pinga vinda da produção de um tio de Santa Marta de Penaguião e propôs-lhe um negócio a calhar aos dois. Compravam um táxi, a quota do Amílcar na Merendinha era trocada pela entrada do patrão em quarenta por cento do capital da sociedade e o Amílcar conduzia a viatura com direito ao vencimento tabelado. Os lucros eram divididos de acordo com a percentagem no capital da sociedade. Negócio feito e celebrado logo ali, com uma reserva de vinho fino que o Amílcar havia guardado com intenção inicial, agora traída, de só ser aberto no casamento da filha Odete.

Amílcar tornou-se um dos castiços taxistas de Lisboa. Conduzia horas a fio o seu Citroen que arrancava à força de manivela, conhecidos como arrastadeiras. Ao fim de dois anos, conseguiu proventos para comprar a parte da sociedade detida pelo dono da Merendinha e tornou-se proprietário único do veículo. Começaram as dores nas costas, meteu empregado para fazer o turno nocturno. O negócio prosperava. A vida era frugal como sempre tinha sido. As economias aumentaram. Os seus únicos gastos eram a bola vista domingo sim, domingo não. No resto, entretinha-se com os relatos do futebol e do hóquei. Adorava o Artur Agostinho, embora lhe topasse a parcialidade que, volta e meia, denunciavam o amor pelo clube rival.

Com cinquenta e cinco anos de idade, pecúlio confortável, casou a filha com o espavento possível, vendeu o táxi e, com os rendimentos somados, comprou vinhas em Fontes, construiu lá uma casa meio apalaçada e voltou para as suas origens camponesas. Na sala, frente à lareira, em duas molduras enormes, lado a lado, fotografias do seu velho e fiel Citroen e o emblema do Benfica. Dessa forma, Amílcar ostentava os seus pergaminhos lisboetas. Maria do Céu deixou de costurar e entregou-se às lides da casa grande e que metiam, numa única divisão, as águas furtadas em que tinha penado uma vida de penúria.

Amílcar lidava com as suas vinhas e discutia com os conterrâneos, arvorando prosápias de homem batido nas manhas da cidade e exprimia-se com a terminologia própria dos taxistas batidos. Nunca dava o braço a torcer perante os argumentos dos patrícios que tinham ficado confinados ao sopé do Marão. Morreu, passados cinco anos, sentado na sala, agarrado ao coração e a ouvir um relato de futebol. A última voz que ouviu foi a de Artur Agostinho.
Publicado por João Tunes às 18:24
Link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO