Segunda-feira, 4 de Maio de 2015

Nas cavernas da arqueologia social

image.jpg

É de uma grandeza surpreendente o resultado da queda do comunismo, particularmente no que se refere à sede do império, a URSS. E são enormes as vagas de decepção, de orgulho ferido e de nostalgia que com o tempo, e a par do enorme alívio dos que conseguiam viver em comunismo e aspirar à liberdade, se juntam às cicatrizes daquela hecatombe política e sobretudo social. No fundo, a grande surpresa comunista foi que a queda do regime que construiu foi o facto mais tranquilo da sua prática, a qual assentou sobretudo nas violências da guerra e da prisão e que criou, além do hábito de viver na pobreza quando não na miséria, várias gerações de conformistas e de religiosos políticos. Acresce que o que se seguiu foi, na maior parte dos sítios, coisas feias de se verem - uma recriação capitalista assente sobretudo na pilhagem, e que a par de legião de deserdados e abandonados ficou nas mãos de políticos de carreira e de gangsters. Esta realidade violentíssima em termos sociais gera em termos humanos uma multiplicidade dramática que como fonte de conhecimento da decepção humana é inesgotável enquanto fonte de saber.

Svetlana Aleksievitch, uma conceituada escritora e jornalista bielorussa faz com "O Fim do Homem Soviético" ("Porto Editora"), livro com que ganhou em França o prémio para o melhor livro publicado em 2013, uma monumental recolha de depoimentos orais de vários ex-soviéticos (com vários posicionamentos sobre o fenómeno da queda do comunismo) que traçam um enorme fresco da grande decepção de uma multidão de cidadãos que habituados a viverem sob o medo, a pobreza e a norma, de repente viram-se no papel de excluídos e sem as âncoras construídas para sobreviverem e sem margem de aspiração a autonomia e liberdade.

Sendo pelas pessoas e para as pessoas que se faz a política e se constroem regimes, com ou sem revolução, o conhecimento dos sofrimentos dos homens e mulheres que viveram sob a opressão e a miséria do comunismo e depois foram castigados quando do seu fim (em vez da liberdade e da prosperidade que muitos imaginaram que sucederia ao fim do comunismo), o testemunho destas pessoas, as suas vozes de tristeza e sofrimento e por vezes nostalgia, é o melhor retrato que se pode fazer do regime deposto por evaporação. Ou seja, a demonstração de como os soviéticos (e os outros cidadãos dos países da órbita da URSS) pagaram com fome, prisão e tortura não só enquanto o comunismo foi a ordem interna nos seus países mas também nos tempos prolongados do pós-comunismo.

Publicado por João Tunes às 18:04
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO