Terça-feira, 25 de Novembro de 2014

ESTRANHO RENDER DA GUARDA

10440274_10201209466278799_9219163951638936641_n.j

Na altura mais desavergonhada da orgia neo-liberal que estoirou com o sistema financeiro onde os "Chicago boys" investiam a sua criatividade de parasitagem e agiotagem, os economistas pareciam moscas falantes que apareciam em bandos formando uma nuvem na hora das televisões. Pareciam sábios, todos aqueles senhores, normalmente bem vestidos e melhor engravatados. Eles postavam-se a abrir e fechar cortinas sobre o mundo, indicando onde cortar mais Estado porque menos Estado era a chave dos milagres da prosperidade. Ser economista era, então, o que estava a dar. De repente, com a crise, arrastando a falência de todas as previsões, receitas e sabichices, viu-se que a maioria dos sábios da economia não passava de papagaios vaidosos com pouca ciência e muita opinião. Rapidamente se formou a convicção, naturalmente exagerada, que sobre economia os últimos a recorrer para dar conselhos eram os economistas. Entretanto, a acção política, perdendo referências e substância ideológica, ficou sem carne, restando-lhe, expostos, os ossos e um ou outro nervo a palpitar por hábito. Escorraçados os economistas dos palcos e dos púlpitos, foi altura de os milhares, muitos milhares, de advogados saídos em catadupas das dezenas de antigas e novas faculdades de Direito, ocuparem os espaços públicos da política e do comentário televisivo. Deste render da guarda, desta substituição dos economistas pelos juristas, ganhou o dissecar do pormenor, os jogos florais da oratória, os rodriguinhos infindáveis do que sim mas talvez não a não ser que. No momentoso "Caso Sócrates" não só foram os juristas que ocuparam o cenáculo como transformaram, por osmose televisiva, cada cidadão num estagiário de advocacia. Num caso profano de funda corrupção, branqueamento de dinheiro e fraude fiscal, lesiva do Estado e assim do dinheiro dos impostos dos cidadãos, só novidade porque alguém foi e está a ser averiguado e pelo apurado irá responder, os cidadãos, súbitos advogados ad hoc, em vez de registarem que finalmente a justiça averigua e obriga a prestar contas alguma da ladroagem que nos andou e anda a roubar, perde-se em indignações laterais e bizantinas colocando, deixando os advogados colocar, os pormenores e atilhos de procedimentos e formalidades, com uma indignação tamanha que quase parece que torturaram o pobre do Sócrates, sodomizaram o homem e mantêm-no algemado no fundo de uma masmorra e desprovido de qualquer meio de legítima defesa. E se, antes, olhássemos com atenção para os nossos bolsos vazios e nos interrogássemos um pouco sobre onde andaram e andam os somatórios das notas que nos faltam para levarmos uma vida decente? E deixemos que, desde que não se atente contra o essencial (os direitos humanos e de cidadania) as formalidades tenham o papel que apenas devem ter e se atente a que parece que, finalmente, a prestação de contas toca a todos, ou, pelo menos, a quase todos. Ou seja, que pelo menos quanto ao combate contra a ladroagem, o mundo, não sendo perfeito, pula e avança.

 

Publicado por João Tunes às 22:59
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO