Segunda-feira, 31 de Julho de 2006

MOVIMENTOS ANTICOLONIAIS E “INTERNACIONALISMO PROLETÁRIO”

000afc6f

Há clichés adquiridos e, por repetidos até á exaustão, se confundem como dados históricos adquiridos. Um desses, curiosamente utilizado por “um” e “outro” lado, assenta na ideia difundida de que, durante a guerra colonial, a URSS e os seus satélites do “socialismo real”, foram aliados e apoiantes indefectíveis de três dos movimentos guerrilheiros que combateram (e venceram) o exército colonial português (PAIGC, MPLA, FRELIMO). Para os do lado da saudade do Império, isto demonstra que, afinal, Portugal lutou em África não contra os povos africanos mas contra o comunismo e o domínio geoestratégico da URSS. Para os do campo do internacionalismo proletário, o mesmo cliché funciona como demonstração de que sempre foi uma expressão do internacionalismo desinteressado e idealista.  

 

Só há volta a dar para desmontar o cliché e evidenciar as subtilezas, arestas e contradições da realidade da tal aliança, com a ajuda dos historiadores e pelo acesso difícil, a conta gotas, a arquivos fechados a sete chaves. Os de Cuba, os referentes á sua ajuda internacionalista em África, muito terão ainda de esperar pois o sol da democracia custa a nascer na Ilha. Os da falecida União Soviética lá vão debitando uma ou outra gota. Quanto aos do PCP, podemos esperar bem sentados que a demora promete ser longa.

 

Um artigo publicado por José Milhazes no último número da revista PÚBLICA (acessível aqui), contribui para desmontar um dos mitos metidos no cliché que apresentam Agostinho Neto como um instrumento ou um aliado sem mancha da “ofensiva soviética” em África. A documentação revelada comprova que as relações entre a URSS e a liderança de Agostinho Neto foram não só tumultuosas como chegaram a resvalar para o conflito aberto (só por um triz não terá sido mortífero). Integrando estes dados com as sombras percebidas de outros (a suposta preferência por Chipenda quando da cisão da “Revolta do Leste”; o apoio decisivo da Jugoslávia e da Argélia na instalação armada do MPLA em Luanda, apoio em que Cuba e URSS só vieram posteriormente a dar substância e predomínio; a desconexão de, no golpe “nitista”, Nito e companheiros, alguns deles antigos quadros do PCP, aparecerem com encapotado apoio soviético e os cubanos a defenderem Agostinho Neto e a salvá-lo), ganha recorte a conclusão, além da forte controvérsia que a figura de Agostinho Neto sempre alimentará, de que o primeiro Presidente de Angola foi muito mais que um mero e disciplinado “peão soviético”. Ou seja, começa a parecer indiscutível que Agostinho Neto, chegado ao nacionalismo angolano depois de militância no PCP e no MUD-Juvenil, regressou a África e tomou a liderança do MPLA, numa fuga à PIDE organizada pelo PCP (decerto sob “encomenda” e comandada por Dias Lourenço e Jaime Serra), para corrigir o desvio maoísta de Viriato Cruz, mas nem isso funcionou como garantia de um alinhamento incondicional pois, daí para a frente, com muitos erros, tirania e muita perfídia justiceira à mistura, Agostinho Neto suplantou a “fidelidade esperada”, sabendo até jogar, de forma a levar a sua avante, com as contradições e desacertos entre o “campo socialista” em que se a URSS afrouxava o apoio virava-se para a Jugoslávia e outros, salvando o poder contra o “nitismo pró-soviético” agora com a ajuda de Fidel Castro, até que consolidou o poder e o governo do MPLA na paz tranquila (a da guerra sem tréguas contra a FNLA e a UNITA), bem apoiada e complementada, com soviéticos e castristas.

 

O “caso Neto” não terá sido único entre os vários dirigentes dos movimentos de libertação. Existindo fortes indícios, em espera de cabal demonstração histórica, que parecido se terá passado com Amílcar, Mondlane e Samora. Ou seja, embora condicionados – para fazerem e continuarem a luta – a contarem com a ajuda armamentista e de combatentes da URSS e de Cuba, procuraram não só alargar as alianças e apoios para outras áreas de influência, como não abdicaram da possível independência dos interesses “nacionais” face à factura do funil do alinhamento dos apoios. E igualmente se vai demonstrando com quanto desagrado esta “indisciplina internacionalista” era vista no “sol que iluminava a terra”.

 

Particularmente no que respeita a Amílcar Cabral, o mais capaz entre todos os líderes africanos, estão para conhecer os contornos exactos de todos os dedos (além dos da PIDE e, eventualmente, de Sekou Touré) que puxaram o gatilho dos disparos que o assassinou. Sabendo-se que os conjurados tinham sido todos treinados e doutrinados na URSS e que antes, na invasão da Guiné-Conacry na “Operação Mar Verde”de 1971, em que um dos objectivos falhados era o assassinato de Amílcar e da sua direcção, Alpoim Calvão avançou com milhares de “kalashnikov” compradas pela PIDE à URSS por via do traficante de armas Zoio e não sendo crível que os soviéticos não soubessem do seu destino.

 

Enfim, o cliché continua. Mas a obra de desbaste e recomposição compete aos historiadores. Necessitando-se, para isso, que os arquivos se abram. O que não vai ser nem fácil e muito menos rápido. Para já, aproveitem-se as frestas que se vão abrindo.

Publicado por João Tunes às 16:46
Link do post | Comentar
3 comentários:
De Manuel Maria a 31 de Julho de 2006 às 21:29
Interessante post e artigo.
Há de facto muita coisa nas "lutas de libertação" das ex-colónias muito para contar e desmistificar.

abraço
De Guida Alves a 31 de Julho de 2006 às 23:18
Passo a passo, a verdade vem ao de cima... Para os que acreditaram nas "boas intenções", levados ingenuamente (só alguns...) por uma forma de maniqueísmo tão bem "alicerçada" que até fazia acreditar no tal “sol que iluminava a terra”, notícias como esta ainda são murros no estômago. O sol para todos nós brillhará algum dia? Com "Avantes" destes nunca lá chegaremos, resta-nos essa certeza.
Beijo.
De Eugénio Costa Almeida a 7 de Agosto de 2006 às 00:15
Relembremos que Neto, que já na altura sofria de uma pequena cirrose, faleceu, inesperadamente, na cama operatória de um hospital moscovita sem que, alguma vez, a verdadeira autópsia - se é que alguma foi citada - tenha sido divulgada quer em Angola quer no estrangeiro.
Kandando/Abraços
Eugénio Almeida

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO