Sábado, 29 de Julho de 2006

POIS É, MAS QUE FAZ IMPRESSÃO LÁ ISSO FAZ (2)

000a91ax

O Manuel Correia confirmou que é um prazer conversar com ele. Sobretudo quando nos desentendemos. Pelas razões que ele bem explica no intróito do seu comentário a este post e que convido à sua leitura.

 

Não vou insistir nas questões demasiadamente entrincheiradas das nossas posições. Sobre essas, proponho que deixemos assentar a poeira, pois, infelizmente, o drama no Médio Oriente está para lavar e durar. E pressinto que as voltas que vão ocorrer nos trágicos acontecimentos que nos perturbam, e é por isso que sobre eles falamos, vão obrigar um e outro a removermos algumas posições demasiadamente plásticas que bloqueiam eventuais caminhos para, agora, melhor nos entendermos. Pela minha parte, como sempre, confirmo que nunca tenho posições definitivas sobre nada, muito menos sobre uma tragédia. Que mais não seja por respeito para com as vítimas.

 

Neste espírito pacificador e de confiança nos benefícios da distanciação, escolho, se me é permitido, como continuação do debate, dois dos tópicos que ele considera nucleares (ou seja, dou ao MC a escolha dos tópicos importantes, eu escolho na escolha dele aqueles a abordar e a contornar no momento):

 

1. Diz o MC: “A história do Estado de Israel tem de ser recapitulada. Temos de recordar o que aconteceu naquela região desde o fim da 2ª Grande Guerra.”. Duvido que leve a alguma solução pacífica o revisionismo histórico (ou recapitulação histórica) das origens dos estados e nações e seus actuais traçados. Dois exemplos que podem tornar catastrófica esta via - a Conferência de Berlim que dividiu África ainda não foi há muito tempo; ontem mesmo a Al Khaeda falou na reconquista islâmica urgente da Andaluzia. Mas como este meu temor pode ser um exagero, dou umas parcas achegas à “recapitulação” proposta:

1.1. Obviamente, a ideia sionista que levou à criação do Estado de Israel no então protectorado britânico da Palestina obedeceu a um sentimento profético étnico-religioso e ao desejo de autodefesa e de desforra catárquica pelo sofrimento e sentimento de culpa de cobardia do Holocausto. Assim, a terra de origem era-lhes vista como a terra da redenção.

1.2. Na luta, com uma forte componente terrorista, para a imposição da existência do Estado de Israel, os judeus defrontaram os britânicos e os árabes. Foram sobretudo financiados pela rica e numerosa comunidade judaica nos EUA (esta é a base historicamente objectiva que desde sempre até hoje sustenta a aliança Israel/EUA). Ganharam, sabendo que eram altas as probabilidades de perderem o que tinham conquistado.

1.3. Foi decisivo, na aprovação e consolidação do Estado de Israel, o apoio então dado pela URSS que foi, recorde-se, o primeiro Estado a reconhecer Israel e teve protagonismo na sua admissão na ONU. Os motivos deste apoio decisivo são óbvios – os judeus lutavam contra os imperialistas britânicos; a maioria das elites árabes estava fresca nos seus sentimentos germanófilos que a tinham levado a simpatias pró-nazis; a filosofia da prática social israelita tinha fortes componentes de semelhança com os estereótipos da colectivização soviética (kibutz versus kolkhoses); Israel permitia a existência de um forte Partido Comunista de Israel; alívios de vários tipos por muitos judeus soviéticos saírem portas fora para habitarem em Israel.

1.4. A viragem da URSS da sua posição pró-Israel para a entrada posterior deste Estado no catálogo dos inimigos imperialistas segundo os soviéticos e a abater, deveu-se à consolidação da aliança Israel/EUA, numa fase de agudização da “guerra fria”, e um redesenho da política de alianças da URSS no Médio Oriente (via “socialismo árabe”) a partir do “nasserismo” e a propagação da sua influência nos outros países árabes, em que a espinha dorsal geoestratégica passou para a aliança Egipto/URSS e a proliferação dos Partidos Baas cujos ramos eram comandados por “militares progressistas” e que substituíram, nas preferências soviéticas, os próprios partidos irmãos do PCUS (os Partidos Comunistas nos países árabes). Entretanto, a causa da Palestina e a OLP passaram, além de carne para canhão da política soviética e anti-israelita, a representar o zénite da propaganda comunista na apresentação do modelo de combatentes e de mártires na causa dos “movimentos de libertação”. Até hoje.

 

Proponho que completes a lista. Ou a corrijas.

 

2. Diz o MC também “O que tem sucedido no Médio Oriente tem sido algo que se assemelha estranhamente com o que aconteceu na Europa entre 1918 e 1939.”. E aqui concordo em absoluto. Pela razão adiantada pelo MC (“As humilhações sucessivas dos «derrotados» explicam uma identificação crescente com os líderes que apontam o caminho do desagravo, da vingança e do aniquilamento do inimigo.”) mas não só. Também, acrescento, pela complacência, quando não colaboracionismo, com que a Europa (a burguesa e a revolucionária) lidaram com o nazismo nos seus primeiros ímpetos expansionistas (a burguesia imperialista em Espanha e em Munique, permitindo a Hitler levar a Espanha ao franquismo, permitindo a Hitler abocanhar a Áustria, as Sudetas e a Boémia, na crença de que estavam a empurrar o Nazismo para Leste; os soviéticos - depois de serem derrotados por Hitler em Espanha - pelo Pacto imperial Germano-Soviético na ilusão de expandirem o império soviético e virarem os dentes de Hitler contra o Ocidente capitalista na previsão oportunista do efeito de “boomerang” sobre o Ocidente da “traição de Munique”). O que lembra, infelizmente e nos tempos de hoje, os dois pesos e duas medidas com que alguma burguesia europeia e antiamericana, em aliança “subjectiva” com o campo revolucionário deste nosso tempo, vêem islâmicos, israelitas e americanos, na perpétua esperança que o terrorismo islâmico faça o “trabalhinho sujo” contra os Estados Unidos e contra Israel.

 

Já vai longa a fala. É tempo do abraço protocolar mas sincero. Aqui vai ele, caro Manuel Correia.

 

 

Publicado por João Tunes às 01:21
Link do post | Comentar
1 comentário:
De Manuel Correia a 29 de Julho de 2006 às 19:08
João, dou-te troco no PUXA, com um poste a que chamei «Onze minutos». Desculpa não abordar todos os tópicos em que tocaste. Voltarei em breve ao assunto. Entretanto a conversa, de porta aberta, pode continuar.

Abraço

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO