Terça-feira, 27 de Setembro de 2005

AOS ANTI-AMERICANOS “UNIVERSITÁRIOS”

newyork05.jpg

Não é mais que uma faena intelectual a prática contumaz dos – demasiados – que andam a coleccionar posts referindo esta ou aquela crítica de americanos e americanas à América e depois fecharem com uma cópula de raciocínio através do estafado “isto também é anti-americanismo?”. E há quem, não satisfeito com o sofisma de bolso, ainda reforce com “será anti-americanismo primário?”.

Não lhes interessa saber que o valor (simbólico) da América não está na sua (impossível) perfeição. Antes pelo contrário. Na América, quase tudo é criticável e tudo é passível de crítica. Porque é um sistema de iniquidade normalizada e contratualizada que funciona em circuito aberto. Para o interior e o exterior. E que concentra energias e riquezas exactamente pela sua tolerância à crítica e capacidade de viver com as acusações de imperfeição, focando o essencial das energias disponíveis na criação de valor e na supremacia nos mercados. Daí que o património cultural e político da América incorpore uma capacidade plástica de se adaptar e se transformar. Umas vezes, gerando factores de progresso (grande parte do melhor no mundo vem da América). Outras tantas, exibindo os perigos do retorno à selvajaria ou à expressão brutal desta no quotidiano. Obviamente que esta capacidade contraditória tem constituído a América como pólo e garantia de que a vida social corre, pode correr, em duas plataformas paralelas – a da preservação de um regime (e um modelo) de liberdades, de garantias e de força da opinião pública; mais uma dinâmica social em que vigora a desumanidade da luta pela sobrevivência, em que os fracos têm armas desiguais frente aos fortes e, sobretudo, aos muito fortes, incentivando, no entanto, a que os fracos se fortaleçam em vez de se submeterem à mediocridade e rotina da afirmação.

Mais que em qualquer outro País, um americano não deixa de ser considerado “bom americano” por criticar a América. A sua natureza multi-étnica, multi-nacional e multi-cultural anula a possibilidade de se afirmar um estereótipo patriótico que colida com a sua capacidade crítica e transformadora da realidade social, cultural e política. Porque a América, país de emigrantes, sabe que, quando se uniformizasse, morria no dia imediato.

Os anti-americanos não criticam a América. Isso fazem, desde logo, os americanos, refazendo permanentemente a América. O que os anti-americanos não suportam é o facto de a sociedade americana ser, simultaneamente, um sistema aberto e sólido. E, na síntese desta aparente contradição, a América ser, ainda, poderosa. E, face a este paradoxo demolidor, se sentirem impotentes para contrapor alternativa. Factível, é claro. Mostrando, em contraponto, que não suportam sociedades que não encaixem numa opção maniqueísta do Bem ou do Mal, sempre entendido de uma forma absoluta. Total. Assim, se a América não é o Céu, só pode ser Inferno... Gente, afinal, com religiões políticas e culturais de vários caminhos, becos e vielas, mas convergindo num imaginário empobrecido em que o Purgatório não tem espaço.
Publicado por João Tunes às 19:09
Link do post | Comentar
2 comentários:
De Helena a 28 de Setembro de 2005 às 10:14
Bem, ele há os WASP, os católicos, os judeus, os grupos gay, os pró-aborto e os anti-aborto, e todos os outros que contribuem para que, dos jogos de poder, resultem novos equilíbrios. Também há os casos de self-made-man, para contrapor aos muitos mais casos de "pobreza hereditária galopante". O que me preocupa é que o desvio a que actualmente assistimos está a destruir as estruturas positivas da sociedade tal como o João as traçou e vai arrastar todo o Ocidente para o abismo. (escrevi sobre isso no Dois Dedos de Conversa)
De Joo Lopes a 27 de Setembro de 2005 às 22:30
Até parece que o João Tunes nunca se apercebeu que por lá e desde o princípio do século XIX é comum o termo WASP (white anglo-saxon protestants) aplicado a uma elite que se distingue pela riqueza, status e detenção do poder a que os Bush (e Kerr) pertencem. Como também parece que não percebeu que o recente discurso maniqueísta do Bem e do Mal é da autoria do actual presidente. Mas entretanto continua com a fantasia da terra de emigrantes...

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO