Sexta-feira, 25 de Fevereiro de 2005

PENSANDO O MEDO (3)

crisalide.jpg

Cuba tem um problema económico-ideológico muito grave. O turismo é o motor da economia – com a entrada anual de 2.000 milhões de dólares e ocupação de 200.000 postos de trabalho directos e indirectos. Esta dependência económica obriga a Ilha a ter permanentemente um enorme fluxo de estrangeiros e expor grande parte da população ao contacto com eles, na sua esmagadora maioria oriundos de sociedades abertas. Assim, como preservar o espírito revolucionário?

Mas o marxismo-leninismo tudo pensa porque tudo se sente capaz de entender e resolver. E para um problema, qualquer problema, não há regulamento que não o resolva. Assim, no passado dia 19, um novo regulamento foi emitido pelo Ministro Manuel Marrero e intitulado “Regulamento para as Relações com o Pessoal Estrangeiro no Sistema do Turismo” e que pretende salvaguardar os “princípios éticos, morais e profissionais” dos trabalhadores da hotelaria cubana. E que diz o Regulamento?

Primeiro, os cubanos obrigados a lidarem com os estrangeiros devem limitar os contactos aos “estritamente necessários” (ou seja, apenas em actos convertíveis em divisas), mas, mesmo nesses, devem guiar-se “pela fidelidade à pátria, à legalidade socialista e à política do governo”, mantendo-se em “permanente vigilância para com todos os factos ou atitudes que lesem os interesses do Estado, comunicando de imediato tudo que possa atentar contra a dignidade, a segurança e os princípios da Revolução”. Segundo este princípio, o estrangeiro é, por natureza, um mal necessário mas um ser a evitar e a vigiar. E mesmo assim, nada de língua solta sobre o que pensa de si, do País e da Revolução (porque, no fundo, cada cubano também é um potencial subversivo), devendo “abster-se de difundir, propagandear ou emitir critérios que possam denegrir o prestígio do País”. E, se tentações houverem de alguém fazer perigar a crença na Revolução, é dado o prazo máximo de 72 horas para “comunicar ao seu chefe, qualquer contacto que vise perturbar o prestígio e moral revolucionárias”.

Conviver com estrangeiros é um risco agravado de contaminação. E, assim, convites para refeições ou outros convívios, só podem ser aceites se previamente autorizadas pela hierarquia. E, claro, nada de se meterem estrangeiros em casa, porque convites para visitas ao seu domicílio, essas exigem não só aprovação prévia como passada a escrito.

Prendas e gorjetas de estrangeiros passaram a ser também objecto de proibição. O que se receber em prendas, deve ser entregue à chefia. Nada se poderá aceitar em moeda, cheque ou cartão de crédito.

Medo ou paranóia perante o estrangeiro? Sobretudo o medo da contaminação por contágio. Ou a noção evidenciada pela fragilidade do apego revolucionário. Ou uma Revolução que sabe que perdeu mas não desiste de se impor.

Nota: Na primeira versão do post coloquei link para a notícia completa da EFE que entretanto passou a funcionar para uma notícia diferente (agradeço ao comentador que chamou a atenção para isso). Mas, pelo que dei conta pelo Público, a notícia aqui tratada já é detalhadamente referida na imprensa nacional.
Publicado por João Tunes às 17:07
Link do post | Comentar
3 comentários:
De Joo a 26 de Fevereiro de 2005 às 15:21
Agradeço ao Mário Lino, também, a nota sobre a ineficácia do link. Ele passou a respeitar a outra notícia. Mas o assunto já é tratado na imprensa portuguesa de hoje. Abraços aos dois comentadores.
De Mrio Lino a 26 de Fevereiro de 2005 às 13:48
Post muito ilustrativo do grande anquilosamento a que chegou o regime cubano, e que, infelizmente, contradiz profundamente as promissoras expectativas que muitos de nós tivemos da revolução cubana.
O que quer dizer que, de facto, à revolução cubana e ao seu desenvolvimento faltaram elementos essenciais para que pudesse validamente florescer e afirmar-se.
Nota à margem: o link indicado para ver notícia completa na EFE não funciona. É possível corrigi-lo?
De IO a 25 de Fevereiro de 2005 às 18:08
Obrigada por nos dares a ler este conjunto de 'posts'! _ um beijo, IO.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO