Domingo, 27 de Fevereiro de 2005

EGAS MONIZ

moniz[1].jpg

Egas Moniz, como cientista e como cidadão, foi uma das celebridades que Salazar abafou, estrangulando-o para baixo do tapete dos silêncios que ele governava desde São Bento. Porque Egas Moniz tinha um espírito que sempre navegou fora das águas do fascismo (e fora ministro durante a I República!).

Lembro-me de ter ouvido, quando rapazito, pelas conversas caídas das mesas dos adultos nos cafés do Barreiro, como é que o ditador tinha comentado a atribuição a Egas Moniz do primeiro Nobel a um português – o Prémio Nobel da Medicina de 1949 (que ele ganhou ex-aequo com outro cientista): - Então já temos um Meio Prémio Nobel. Nada mau! E ordens foram dadas à censura para que a consagração não tivesse eco.

Certo é que o património da obra de Egas Moniz, mesmo com tantos anos de democracia em cima, ficou sempre com a marca pegada de alguma sarna de ostracismo. Quando Salazar decidia o que fosse, era para valer e para durar. E a marca infernal do seu índex foi qualquer coisa que pegou nas nossas almas lusas, como se fossem riscos feitos com ferro aquecido no fogo das brasas ainda quentes que sobraram da Inquisição. O homem sabia mesmo do ofício da separação entre lembrar e esquecer.

Porque me lembro agora das conversas escutadas em garoto pelos cafés do Barreiro e que respingavam revoltas susurradas contra o opróbrio que Salazar lançou sobre o nosso primeiro Nobel? Porque, exactamente a partir do Barreiro, um investigador (que, às vezes é meu estimado polemista sobre as contabilidades das coisas de esquerda) resolveu abrir um blogue dedicado a Egas Moniz. Para quem não queira perder a memória das nossas poucas grandezas acumuladas, aconselho que o visite.
Publicado por João Tunes às 16:58
Link do post | Comentar
4 comentários:
De Joo a 28 de Fevereiro de 2005 às 22:17
Não percebi nada sobre onde está a discordância. De qualquer modo, fica o testemunho para recolha do Manuel Correia. Abraço.
De Marco Oliveira a 28 de Fevereiro de 2005 às 17:00
João: hoje vou discordar de ti. Eu tenho outra imagem do Egas Moniz.
O meu avô era médico e o meu bisavô (que era monárquico) tinha entrado depressao após a implantação da república; esteve a ser tratado pelo Egas Moniz.
Mas o meu bisavo acabou por se suicidar. Tempos mais tarde o meu avô encontrou o Egas Moniz e contou-lhe o sucedido. O Egas Moniz com a maior das naturalidades disse-lhe que já estava à espera disso.
Ele esperava isso mas não foi capaz de avisar o meu avô (que era médico!) da possibilidade desse desfecho.
É assim, meu caro João. Por vezes esses herois da vida pública por vezes têm pés de barro.
De Joo a 27 de Fevereiro de 2005 às 22:46
Ora bem, caro Manuel Correia. Trabalho emérito é sempre mostrar o barro que faz parte da ossatura do mito. Sei do que falas e onde queres chegar. Venham as revelações. Que o homem fique exposto em todas as vertentes mas nunca silenciado. Abraço.
De Manuel Correia a 27 de Fevereiro de 2005 às 20:15
João Tunes,
Agradeço desveladamente a referência. És de uma fraternidade bloguística inexcedível. Tocaram-me muito as tuas palavras porque, tal como tu, ouvi falar do Egas Moniz, pela primeira vez, tb no Barreiro, e em termos muito semelhantes aos que descreves. Impressionou-me tanto que, muitos anos mais tarde, decidi estudá-lo. Sentia que lhe devia essa homenagem. Descobri então que, de cambulhada com outras noções gloriosas que apreendi nesses tempos, que a apropriação da imagem, do exemplo de cientista nobelizado e a sua mitificação não tinham muito a ver com a história dos homens nos seus tempos. Bom. Já estou a falar de mais... Mas digo-te que tem sido um cortejo de surpresas.
Obrigado uma vez mais.
Espero poder contar contigo para estes bate-papos que nos levarão à ditadura do Sidónio e à feição politicamente conservadora do nosso político cientista.
Um abraço

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO