Terça-feira, 22 de Março de 2005

MADRID MAIS LIMPA (2)

esp.bmp

Um comentador (Alex) de um post aqui colocado sobre a retirada da última estátua de Franco de uma praça de Madrid, opinou assim:

“Franco faz parte da História de Espanha, concorde-se ou não com a figura. Nada resolve esconder um passado.”

Este comentário questiona o acto de anular os vestígios monumentais ou toponímicos dedicados à exaltação do ditador ou das celebrações ditatoriais, depois de se dar a transição de um regime ditatorial para a democracia. Uma polémica sobre o mesmo tema tivemo-la aqui, entre portas, a seguir ao 25 de Abril de 1974 (sobre a mudança de designação da ponte sobre o Tejo, retirada de estátuas de Salazar e Carmona, etc). E volta e meia, os pruridos, sob o verniz da isenção e procurando abrigo do manto da História, voltam à tona. Umas vezes, o argumento é uma exibição de ingenuidade. Outras, não passa de suspiros dos nostálgicos da ditadura.

Entrando pela História mesmo, convém assinalar vários dados sobre o comemorativismo ditatorial que as ditaduras derrotadas legam aos sucessores:

1º) Os cultos dos ditadores (e não há ditador que não manche as mãos de sangue e as não tenha musculadas pela ginástica de esganar a liberdade) e das ditaduras são sempre actos de violência e agressão públicas, na exacta medida em que pretendem celebrar a subjugação de um povo e dar sinal da sua eternização. Cumprindo duas funções – servir de culto à minoria de apoio à ditadura e funcionar como símbolo castrador dos subjugados. As estátuas e toponímias espalhadas por toda a Espanha de culto ao Generalíssimo eram uma forma violenta e pública de propagandear perante o povo espanhol que o fascismo espanhol seria eterno, ou seja, a democracia tinha morrido em Espanha para sempre. Ali como, noutros lugares, com Hitler, Mussolini, Salazar, Lenine, Estaline, Dimitrov, Kim Il Sung, etc, ao serviço de outros géneros de fascismos ou aos seus simétricos.

2º) Com a instauração das ditaduras, as alterações toponímicas fazem-se por substituições que anulem a memória anterior de factos e figuras do passado que não seja integrado propagandisticamente no ideário autoritário. E, nisso, são implacáveis e estão nos primeiros actos públicos de afirmação ditatorial. Assim, uma grande parte do memorialismo que as ditaduras deixam como herança, ele não é original, existiu antes uma outra memória que foi apagada e substituída. No caso de Espanha, constou dos primeiros actos de ocupação fascista de qualquer localidade (desde as grandes cidades aos pueblos) a substituição pelos falangistas da designação da rua que celebrava a implantação da República Espanhola passando-a para “Calle Generalíssimo”. E a seguir tudo era substituído que referisse figuras da cultura e da política democrática, colocando-se no seu lugar designações de dignatários fascistas, feitos franquistas ou alusões religiosas católico-romanas. A razia foi de tal monta que, só não era toponímia ou monumentalidade fascista, o que remetesse para o passado da Espanha Imperial (Reis, Batalhas, El Cid, Cardeais), ou seja, aquilo que se integrasse numa ideia de falsa continuidade histórica desde os Reis Católicos até Franco, anulando qualquer vestígio que supusesse que Espanha tinha tido uma República e uma democracia e homens de cultura que não se tinham ajoelhado ao reaccionarismo hispânico.

Não há, pois, qualquer legitimidade que sustente a manutenção memorialista ditatorial de expressão pública, quando a democracia se instala ou regressa. Resta o argumento do facto consumado quando os factos foram impostos pela força e em afronta a outras memórias, prolongando a agressão de afirmação violenta do poder ditatorial. Deixar permanecer em todas as localidades de Espanha a inevitável “Calle Generalíssimo” (e muitas ainda restam onde o poder local é exercido pelas alas mais direitistas-fascistóides do PP) e a também inevitável “Calle José António”, mais umas tantas Calles Legion Condor, mais os milhares de estátuas, bustos, medalhões e placas de celebração da vitória da ditadura de Franco, não é conservar a História mas sim perpetuar uma violência e uma manipulação histórica. E, neste sentido, uma agressão pública aos sentimentos democráticos, a negação aos espanhóis em conviverem com a verdade histórica, obrigando-os a eternizarem o convívio com o lixo da celebração da opressão. Por outro lado, todos sabemos que os monumentos que restavam e restam de evocações de Franco eram e são aproveitados pelos saudosistas franquistas para as suas arruaças de provocação ao regime democrático.

Mas concordo com o Alex que “Franco faz parte da História de Espanha” e que “nada resolve esconder um passado”. E deixe estar que os espanhóis não esquecem, apesar do tanto que foi feito para que isso acontecesse. A estatuária (e o resto da tralha glorificadora) de Franco terá o seu lugar em museus espanhóis dedicados ao seu sangrento regime. E se for avante a proposta do Juiz Garzón para a constituição de uma Comissão que averigúe os crimes do franquismo e responsabilize criminalmente os que cometeram actos de violência contra os direitos humanos e de propriedade ao abrigo da desordem franquista, ressarcindo as vítimas do franquismo, então, melhor que mil estátuas, Franco encontrará o devido lugar que merece na História de Espanha.

Entretanto, apetece-me mais que nunca passear em Madrid. Porque a sinto mais limpa, sem o lixo da violência e da opressão na agressão pública da exibição do assassino Franco a cavalo no poder. E, um dia destes, Santander também ficará mais higiénica - quando se libertar da estátua gémea que poluía Madrid e que por lá ainda sobra.

(na imagem, soldados franquistas, após conquistarem uma localidade que estava no poder dos republicanos, arrancam uma placa toponímica com a data da implantação da república espanhola para a substituírem por outra exaltando Franco)
Publicado por João Tunes às 23:51
Link do post | Comentar
4 comentários:
De Emanuel Saramago a 31 de Março de 2005 às 14:08
Uma estátua serve para imortalizar alguém e para q nos lembremos dessa pessoa. Pouca gente se quer lembrar de um fascista. Se alguma lembrança lhe for atribuida, que seja apenas na História.
De L. a 23 de Março de 2005 às 15:02
Sei de uma rua, existe de facto, de nome, Ant. Oliv. Salazar. A placa lá continua, numa esquina. No entanto, desde o 25 de Abril, esta rua é denominada por Rua da Estação (entenda-se Estação do Caminho de Ferro). A placa lá continua e mal será, que voltem a chamar à rua o nome que ela ostenta. Por mim preferia que a tal placa fizesse parte do espólio de um qualquer museu.
Apenas por curiosidade, esta questão da eliminação dos vestígios de regimes anteriores, mais ou menos odiosos, é velha como as civilizações, basta lembrarmo-nos das estátuas, pinturas do antigo Egipto e outras civilizações. O novo poder normalmente elimina o que lembra o anterior. Isso aconteceu em Moçambique. Mouzinho foi derrubado e segundo penso, estará guardado na Fortaleza em Maputo, juntamente com outras obras do tempo colonial. Mas até Gago Coutinho sofreu o mesmo tratamento. Inevitável...
De Joo a 23 de Março de 2005 às 11:06
Toda a razão, amigo Werewolf, este post saíu mesmo grande. Vou procurar ser mais sintético. Grande abraço.
De Werewolf a 23 de Março de 2005 às 10:23
Grande post João. Não é pelo facto de as nossas serem limpas do lixo fascista que ele deixa de existir, por isso retiremos os símbolo e façamos tudo para que as novas gerações saibam o que foi o fascismo, o falangismo, o nazismo e todos ismos do século passado que tanto sofrimento causaram à Humanidade, e cujos princípios mais ou menos encapotados continuam a perdurar em muitos políticos e criminosos da actualidade.
FASCISMOS NUNCA MAIS!

Abraço fraterno meu caro João.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO