Quinta-feira, 22 de Junho de 2006

EFEITO SCOLARI

0008zdbd

Manda a isenção que se diga que Cavaco, ao dizer a parvoíce que disse, repetiu o que Jorge Sampaio havia dito quando do Euro 2004. E Sampaio não era parvo. Falava era demais e dizia de menos. E isso quando dizia alguma coisa. O que raramente aconteceu. Já Cavaco não tem fama, nem mérito, de orador compulsivo e gongórico. Tem até fama de “fazedor” e de “terra a terra”, fala com a boca cheia de comida, tem mais cultura de empreiteiro de obras e de contabilista que o verniz bem acabado do Sampaio melómano, com traquejos de alta advocacia e de jogador de golf, no seu estilo de “british” enfastiado com tiques maníacos pela oratória redonda. Nem sequer a Maria Cavaco tem a mesma compostura da elegância hirta e longa da Dona Zé.  

 

Então, o que terá levado Cavaco a imitar agora Sampaio? Avanço duas hipóteses concomitantes – Cavaco dá-se melhor com o PS (este, o de Sócrates) que Sampaio e quer ajudá-lo a puxar a carroça do “Centrão”; o irresistível “efeito Scolari”.

 

A primeira hipótese nem sequer necessita de demonstração. Quanto a Scolari, mestre em populismo, mais mestre nisso que em artes de futebol, ele teve a alta visão estratégica de estudar e afunilar os piores dos defeitos portugueses e a forma de nos explorar o sentimentalismo fadista-fatimista e os nossos apetites pelas vãs glórias e persistentes decepções. Percebendo que somos uma tribo de maníaco-depressivos com picos de euforia grandiloquente, arreigados na resistência à modernidade. E soube nivelar-nos por baixo, impondo a grandeza quantitativa e festiva, na nossa afeição à pequenez, capazes de sublimar num rectângulo de relva a compensação dos males e dos atavismos, regressando, depois e ordeiramente, à vida dura e mal paga, mas a dizermos mal do Estado e dos políticos. Agora, estamos na fase histérica do “patriotismo de bandeira”, é escusado contrariar-nos.

 

Portugal, neste Mundial, não tem equipa, não tem jogo, não vale um caracol. Ou seja, não é “competitiva”. Vive de uns laivos de inspirações momentâneas, tem tido uma sorte do caraças, sobrevive pela cobardia do anti-jogo e da bola para trás e para o lado. Se este povo gostasse mais de futebol que “da Selecção”, já tinha arreado as bandeiras das janelas, varandas, estendais e pópós. Mas ganhámos, ficámos em primeiro na série e vamos aos oitavos, com o prémio extra de evitarmos a Argentina. Se os holandeses estiverem em domingo não, mais á frente nos chegaremos. Até que a sorte proteja quem melhor joga futebol, o que, por vezes, também acontece. Entretanto, não nos roubam o patriotismo, a bandeira, a valorização do desenrascanço e do “interessa é ganhar”, Scolari, Sócrates e Cavaco, nossos líderes portuguesíssimos da mediocridade satisfeita. A ressaca fica para depois.   

Publicado por João Tunes às 15:45
Link do post | Comentar
4 comentários:
De José Monteiro a 22 de Junho de 2006 às 18:34
"O quinto império"

«Cada cinquenta anos, o país sonha ser a primeira sociedade liberal avançada do mundo. Cada cinquenta anos, o libertário volta à superfície. Procura-se então um banqueiro ou um professor de economia capaz de casar meio século de bordel com O Espírito das Leis» (pg 223)

Dominique de Roux
Paris, 1977
De luikki a 22 de Junho de 2006 às 23:46
uma coisa a que alguns chamam de país e que não passa de um monte de esterco liderado por canalha da pior espécie!
De cristina a 24 de Junho de 2006 às 02:53
credo João, que exagero!! o dia vai amanhecer com sol, apesar de tanto drama..

beijinho.
De RN a 26 de Junho de 2006 às 23:37
É raríssimo ir à bola. Mas quando ia não sabia que mais admirar se o volteio artístico no relvado, quando jogava o Benfica;) se o estranho mundo da apoplexia dos adeptos quando se criava o clímax. Mesmo correndo o perigo de a fuga ao real nos tirar os pés da Terra, gramava ver os beefs sairem de rabo entre as pernas.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO