Terça-feira, 31 de Maio de 2005

QUE FORÇA É ESSA?

index.jpg

É-me um mistério da condição humana o mecanismo de nos defendermos não vendo aquilo que não queremos ver. Falo por mim que fiz militância de cegueira anos a fio (outras militâncias também e de olhos bem abertos, abone-se). E se falo de mistério a propósito de uma coisa tão óbvia e que tanto salta à vista no conhecimento do processo de cegueira construído, isso, mais que certo, não será mais que um mecanismo justificativo, agora em efeito de réplica, com alguma indecência na missão de nos justificarmos para não nos olharmos ao espelho com a sensação de que não passamos de um gajo fatela que andou por aí a enfiar barretes. E a menos que se seja saloio, campino ou folclórico dos fandangos, ninguém gosta de andar a passear um barrete enfiado na cabeça.

Pois temos aí obra parida (*) para ajudar os renitentes. Não só, mas também. Pelo menos, os menos renitentes dos mais renitentes. Afinal, obra aberta até aos cegos. Julgo até que ela só possa escapar aos zarolhos ideológicos – os mais cegos entre os cegos da toleima porque vendo de um olho só, eles imaginam que vêm mais que todos e em nosso nome.

Batido em várias camadas do percurso do desencanto, o livro não deixou de me defrontar com várias perplexidades e só dessas hoje partilho espantos:

- Que força foi essa que levou uma mulher a que, por paixão, se casou com 16 anos com um revolucionário de 42 de idade, viveu um pouco de amor (mas suficiente para, desse amor, ter um filho) e depois tivesse suportado toda a vida no preço errado da sua escolha certa (dando como certa, como dou, a escolha de qualquer apaixonado ou apaixonada)?

- Que força foi essa a de Anna Larina que, tendo o marido destruído e assassinado às mãos dos seus, o filho subtraído e obrigado a mudar de apelido, suportasse as penas de prisão, tortura e campos de concentração (sim, no Gulag, ó choramingas nos ombros dos tallibans vítimas de Guantanamo!), durante 16 anos e que, no final, acusou Estaline da parvoíce maior de permitir conservá-la no reino dos vivos, decidindo contar o que soube e sentiu, reabilitando-se a si e ao marido, recuperando para o filho o apelido de família.

- Que força foi essa para que esta mesma mulher, sofrendo e sobrevivendo por paixão, se recusasse a mitificar e a heroificar a vítima - seu marido e sua paixão - apesar de Lenine o ter apelidado de “filho mais querido do nosso Partido”, querendo-o humano (contraditório - corajoso na coragem, canalha na canalhice, revolucionário que não deixou de ser homem) para o sentir vivo e ao seu lado (seu homem, não seu herói)?

- Que talento foi esse, o de Anna Larina, para escrever com tamanho talento e força sobre uma das maiores perfídias entre as perfídias, através de um livro que é um hino de humanidade?

- Que monstruosidade foi (é) essa do Leninismo que permitiu que o mais incapaz mas mais cruel dos herdeiros de Lenine sentisse necessidade de destruir primeiro, liquidar depois, todos os companheiros de Lenine para que o Leninismo se realizasse?

- Que grande dignidade foi essa a do médico Ludgero Pinto Basto, homem de muitas lutas generosas, militante do PCP (e seu antigo dirigente ao nível do Secretariado), recentemente desaparecido (ler aqui), ter feito da tradução da obra de Anna Larina Bukharina um dos seus grandes e últimos projectos de vida e de luta, morrendo comunista mas não cego entre cegos (eu vi, com os olhos já a curarem-se das cataratas ideológicas, a bílis a subir aos olhos de velhos bolcheviques da fracção cunhalista do PCP quando, em 1988, Bukharin foi reabilitado e ... readmitido como membro do PCUS, enquanto desbafavam "traidor do Gorbatchov que até limpou esse traidor e fascista do Bukharin, onde nós chegámos!")?

(*) – “Bukharine, Minha Paixão”, Anna Larina Bukharina, Edições Terramar
Publicado por João Tunes às 16:29
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO