Domingo, 4 de Junho de 2006

PARIDADE OU EMANCIPAÇÃO?

00089y64

Para quem já fez - pelo menos - cinquenta anos, ou seja, aqueles que acordaram com consciência adulta ou pré no 25 de Abril de 1974, sabe bem as longas milhas de distância à frente que as mulheres portugueses caminharam na conquista da sua emancipação e afirmação plena. A 100% por mérito delas, imposto pulso a pulso. Para mais, com serenidade e classe, sem estardalho, impondo uma mudança cultural profunda, insofismável e irreversível. Na rua, nos lares, no emprego, na sociedade, na política, na cultura. Mudança que representou um dos aspectos mais marcantes de modernidade ganho pela sociedade portuguesa e, em comparação com o quer que seja, foi a maior “conquista de Abril” e mais ajuda a entender a componente ridícula e troglodita do regime e da cultura longamente tecida pelo “Botas” e pelo seu companheiro Cerejeira.  

 

Pela minha admiração e culto para com a marcha das mulheres portuguesas, sou radicalmente contra as “quotas” e as “paridades” impostas para queimar etapas no caminho que ainda falta fazer (que é muito, ainda!). Porque entendo que, as “quotas” e a “paridade”, são um retrocesso pela via da menorização das mulheres. Fazendo-as recuar à condição de “espécie protegida”, coisa adequada ao lobo da Malcata, aos caranguejos de Melides, aos lagartos do Cabo Espichel, às garças de Alcochete, às aldrabas das portas antigas, às moscas das ETAR, aos mosquitos das praias da Caparica, aos touros do Campo Pequeno (incluindo os que defendem que eles merecem morrer na arena e não no matadouro), mas não, por nunca ser, à espécie humana feminina.

 

A “lei da paridade” aprovada na AR merecia o caixote do lixo, devido ao seu reaccionarismo travestido. Cavaco teve a arte de condenar a lei com fundamento correctos e depois vetar pelo seu aspecto menor (nas consequências) – as sanções para os prevaricadores. Uma verdadeira sentença de felisteu. Ou, dito em registo rasca, uma punheta jurídico-constitucional. Própria de um provinciano incorrigível a quem a habitação do Palácio fronteiriço à Praça do Império nada acrescenta á sua condição de lupen cultural incapaz de ler a modernidade. A forma servil e manhosa como o Grupo Parlamentar do PS se “encostou” ao veto presidencial (“sim senhor, vamos já dar um retoque nessa coisa das sanções”…), confirma o pior do Centrão que cresce assustadoramente no cinzento do País. Tudo ao serviço da concórdia Cavaco-Sócrates, mais que tudo, mais que o País, a sua cultura, os seus avanços, a sua modernidade.  

Publicado por João Tunes às 22:20
Link do post | Comentar
3 comentários:
De Guida Alves a 4 de Junho de 2006 às 23:02
Chiça! Antes cota que quota, deusmamimlivre!
De ana a 5 de Junho de 2006 às 14:53
Se me fôr permitido pôr as coisas neste pé: estou com a Guida a 100%.
De cristina a 5 de Junho de 2006 às 16:11
excelente João. o que eu gostava de ter sido eu a escrever este post.... ;)
beijinhos

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO