Sábado, 27 de Maio de 2006

ONDE NOS VAMOS METER…

Sabe-se que a essência dos actuais problemas, dramas e perdas dos acontecimentos em Timor-Leste está, em boa medida, na conflitualidade e mesmo inimizidades profundas que dividem os vários pilares do poder timorense, incluindo os que têm a responsabilidade do exercício da soberania. Igualmente, a pressão de governos de países estrangeiros para colocarem aquele pobre e pequeno país na sua órbita (o petróleo, ai o petróleo…). Também a ingerência desmesurada da Igreja Católica nos assuntos políticos. Mais uns tantos aspectos secundários e consequentes que, na maior parte das vezes, se julgam como os relevantes.

Prova da combinação da luta entre órgãos de soberania com a ingerência estrangeira são as declarações de uma cidadã australiana (Kirsty Sword-Gusmão) a funcionar como porta-voz da Presidência da República de Timor em declarações públicas:

“A esposa de Xanana Gusmão diz que o presidente timorense não acredita que o governo consiga controlar a situação em Timor-Leste.” (…) ”Apesar da situação difícil que se vive no país, a esposa de Xanana Gusmão acredita que com a ajuda do marido, dos bispos da Igreja e do ministro dos Negócios Estrangeiros vai poder chegar-se à paz.”

Como entender que uma cidadã de um país estrangeiro, abusando da condição de “primeira dama”, assim fale do governo legítimo do país de acolhimento?

Sem margem para dúvidas, o que se trata é de um cisma entre o “PR-Ministro dos Negócios Estrangeiros-Bispos Católicos” de um lado e o Primeiro Ministro e restante governo do outro. E este cisma crítico está a ser alimentado por ingerências externas e concorrentes. Com os militares e polícias a funcionarem como carne para canhão. E a destruição e morte a aumentarem. Porque cada “parte” dos dois lados do cisma prefere destruir Timor para poder destruir a outra “parte”. Este é o actual drama de Timor. E, nele, todos estão a ser vilões, sem santos nem heróis.

Não pode haver paz em Timor sem a resolução do conflito institucional e o fim das ingerências estrangeiras. Esses são os nós do problema. Que função pode desempenhar Portugal, para mais atrelando-se ou desatrelando-se à Austrália? E, sobretudo, que capacidade tem a GNR para sanar um conflito político interno? Vai actuar por uma “parte” contra a outra “parte”? E qual? Se não há um "poder" e todas as "partes de poder" têm a sua quota de legitimidade? Não entendo, a não ser a vontade incontida de meter mais um nó no problema.

Porque não a constituição urgente de uma comissão política internacional, mandatada pela ONU, para impor a todos os poderes timorenses rivais, mandando a Igreja remeter-se à reza e às missas, a sobrevalência dos interesses timorenses e o regular e cooperante funcionamento dos poderes constituídos? Antes disto, ou em vez disto, mandar mais espingardas só serão mais armas para a fogueira.

Publicado por João Tunes às 13:24
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO