Sábado, 11 de Dezembro de 2004

UMA LEITURA A DOIS OLHARES

03_thumbnail[4].jpg

Aqui há tempos, dediquei um post ao último e magnífico romance de Jorge Semprún (“Vinte anos e um dia”, Edições ASA) em que resumi assim o sentimento mais forte que me saltou do livro:

“A morte é a grande paixão espanhola, já se sabia. Antes e depois do amor.”

A Teresa fala assim do mesmo livro:

“A perfídia, eis o que me marcou no livro. A que comanda o ritual da encenação daquela morte, ano após ano. Vinte. Para que os vencidos não esqueçam. Ou, e perguntei-o mais do que uma vez, os vencidos obedecem porque, tal como à viúva, na sua relação com o senhor dos vencidos, também a repulsa é capaz de entregar prazer?
Ainda que a acção se passe apenas numa herdade, La Maestranza, Espanha _ onde, escrevi-o há dias, ninguém larga a praça sem que o touro esteja morto _, está inteira neste livro, porque tudo e todos lá estão no estado superlativo dos sentidos. Na violência dos segredos. Na(s) carne(s), ao rubro. Inimigos e Amantes. Cúmplices, nos medos, nos ódios, na perversidade (ou por causa dela?).”


E não posso deixar de concordar com a Teresa. Sublinhando apenas que, com o hábito hispânico de se misturar amor e morte, só podia sobrar perfídia. Isso mesmo. Mas, diga-se, uma perfídia especial, aquela que não amesquinha nem se amesquinha. Porque apenas dura como fonte de prazer. Passado este, a natureza (a humana e a das coisas) volta à ordem estabelecida, com os excessos remetidos à função de se acumularem até voltarem a ferver. E, na maior parte das vezes, fervem dentro de uma arena.

No meu post disse então e revejo agora (depois do contributo da Teresa): Gonzalez (talvez mais o seu desgraçado alter ego – esse sacana do Alfonso Guerra, o Jorge Coelho lá do sítio e em versão mais aparelhística), Aznar e Zapatero começaram, continuaram e continuam a mesma e homérica obra – normalizar os espanhóis, fazendo-lhes crescer a barriga e encurtando-lhes o sonho, a paixão e a atracção pelo excesso. Tirando-lhes esses prazeres hedonistas pelo amor, pela morte e … pela perfídia (no prazer). Então, quando o conseguirem, decerto que a Espanha estará melhor, os espanhóis também, os portugueses idem porque passamos a ter o outro condómino da Península mais sossegado de entretido que esteja a contar os euros (alguns deles obtidos a venderem-nos gasolina, extractos bancários, sanitários, roupas e mobílias), mas definitivamente menos interessante. Porque uma Espanha mais europeia será mais banal, deixará de ser pomo de discórdia e de indignação, o que é óptimo para a construção europeia ou lá o que é, mas tornará Espanha aborrecidamente parecida com o Luxemburgo. Uma Espanha menos encharcada de padres (o que é óptimo) mas (desgraçadamente) com menos toureiros e sem hipóteses de voltar a ter um novo Dominguín. Julgo que seja desta Espanha a perder-se que Semprún nos fala, para que a memória registe antes que se apague. É que, estimada Teresa, La Maestranza é, de facto, o nome da herdade onde o romance de Semprún se desenrola, mas é também nome de Catedral de los Toros (bem pertinho de nós, ali, em Sevilha). E uma e outra La Maestranza têm os dias contados. Então, Espanha será sítio para nela se fazer escala ou nela fazer negócios (a comprar, está bem de ver), visitar museus, comprar livros sem paixões dentro, com uma serenidade perfidamente desinteressante. Aproveite-se, enquanto é tempo.

Obrigado Teresa, por me teres ajudado a reler (re-sentindo) Jorge Semprún.
Publicado por João Tunes às 15:53
Link do post | Comentar
1 comentário:
De IO a 11 de Dezembro de 2004 às 18:49
Paradoxo ou não, a verdade é que o que apaixona, no país vizinho, é a intensidade da cor com que eles se dão, se matam, se amam _ sem meios tons. Não, as várias espanhas não cabem em sacos de plástico! _ Abraço, IO.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO