Sábado, 15 de Janeiro de 2005

MATA DOS MEDOS

blog500_zzz_mata02[1].jpg

Há nomes com ressonâncias maiores que os sons e os conteúdos. Porque nos põem a imaginação a acrescentar muito ao real, transformando-o.

O meu querido amigo Victor, reincidindo, voltou a colocar uma das suas belas imagens, como esta, aqui copiada, da Mata dos Medos. Que é uma mata vulgar, bonita como é uma mata, ali para os lados do Cabo Espichel e Aldeia do Meco. Creio até que o melhor que tem esta mata é o nome. O que não é pequeno mérito, diga-se. Isto se fossem elas, as matas, a escolherem os nomes. O que não me parece que seja norma de decisão toponímica por mais avançada que seja a democracia autárquica. Quando, ainda por cima, estas democracias (as autárquicas) costumam preferir a autarcia à democracia. Adiante.

Pois, de cada vez que o Victor, nas suas imagens de poeta vagabundo a procurar o norte na margem sul, nos mostra a Mata dos Medos, eu lembro, com uma ternura que me tornam os olhos macios, a minha ligação com esta Mata. E se o conto é, não tanto para embaciar os óculos, mas sobretudo para homenagear (mil que fossem, que não me cansava a alma) a sensibilidade deste meu amigo e nosso artista. Por isso, eu conto.

Durante anos a fio, os meus passeios de lazer fizeram-se por aquelas bandas, ou seja, no percurso Fernão Ferro – Sesimbra - Cabo Espichel – Aldeia do Meco – Fernão Ferro. Com a tribo encaixotada no móvel, com destaque numerário para a garotada que, amontoada no banco de trás, afastava o tédio das curvas e curvinhas através da jovialidade repartida como é uso entre irmãos e primos mais que irmãos. Na estrada secundária perto do Meco, lá aparecia uma placa indicando um destino terciário – a tal Mata dos Medos. E, passando ali, a garotada calava-se num repente. Depois, a reivindicação ia subindo de tom a exigir desvio para o destino que lhes devia fazer prever bruxas e demónios. Com a mania pragmática de cumprir destinos, avaliada a relatividade da designação, o motorista (eu, por norma) teimava em não desperdiçar desvianços. O que não conseguia mais que acentuar a carga de mistério excitado em cada vez que a placa da Mata dos Medos voltava a entrar pelos olhos dentro. Até que um dia, a vontade da garotada viajante viu cumprida a sua vontade. O desvio foi feito num silêncio de chumbo, os olhos pequenos a espreitarem, medrosos, pinheiros, matagal e as suas ameaças. Na paragem feita, no meio da Mata, foi dar tempo a esvaziar-lhes o medo dos olhos. E, no regresso, escutar-lhes o silêncio da desilusão que havia tomado o lugar do silêncio do medo. Nem uma bruxa ou feiticeiro, pigmeu ou duende, alçapão ou ratoeira, aranha-gigante ou camaleão a imitar dinossauro anão, apenas uma mata como as outras matas. Assim, foi-se-lhes o medo na Mata dos Medos.

Toma nota, amigo Victor, de mais esta dívida que tenho para com o teu blogue. E que me traz de volta a meninice ainda mais pequena da minha tribo comprida e que me dá a grande razão para continuar vivo, umas vezes com medo e outras a passar-lhe ao lado, fingindo não o sentir.
Publicado por João Tunes às 00:33
Link do post | Comentar
2 comentários:
De Vicktor a 15 de Janeiro de 2005 às 19:09
Querido Amigo João. A Costa Azul ficou a partir deste momento com duas dívidas- uma enorme pelo teu excelente texto mergulhando com mestria, uma vez mais, no teu baú de recordações; outra menor, mas que a devem pagar por verem uma imagem daquela bela região a caminhar pelo Mundo , com a Sónia a desejar uma visita. Um abraço amigo.
De Sonia F. a 15 de Janeiro de 2005 às 01:06
Tem muita piada o nome Mata dos Medos. Mais um lugar para descobrir.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO