Sexta-feira, 7 de Janeiro de 2005

ÁFRICA, DE NOVO (SEMPRE?)

17palacio1786[1].jpg

Não me canso de sublinhar o incansável e excelente trabalho do Jorge Neto para nos trazer África, sobretudo a Guiné-Bissau, aqui para a frente dos nossos olhos. E simpatizo com a forma descomplexada, procurando fraternidades sem salamaleques de cooperante a procurar equilíbrios entre deus e o diabo, como ele olha as vivências dos africanos na realidade que partilha.

No seu regresso de férias natalícias europeias, subiu-lhe de novo a espécie de vergonha provocada pelas assimetrias entre a Europa rica e a África muito pobre. E disse, com palavras onde se cheira a sinceridade:

”Não consigo deixar de me chocar com a diferença entre África e a Europa. A vida, as pessoas, o espaço, o tempo... São dois mundos tão distantes que quase parecem estar em dois locais distintos do universo e não no mesmo planeta a tão pouca distância. Já aqui escrevi o quão chocante é levantar voo de Lisboa e aterrar em Bissau. São apenas quatro horas de viagem, mas o pouco tempo basta para nos apercebermos que ligámos dois mundos (duas civilizações?) opostos. Um onde quase nada falta, outro onde quase nada existe.”

(…)

“Perguntava-me alguém há uns tempos, como podemos nós, ocidentais, lidar com a nossa condição, sem nos sentirmos culpados por isso? Será que nos devemos sentir culpados? Porque temos nós tudo e outros tão pouco ou nada mesmo? O que podemos fazer para diminuir esse fosso? E como fazer para não tornar esse fosso cada vez maior? Enquanto penso na resposta comparo a realidade. Com os meus olhos e através de fotos. Ainda não encontrei a resposta. Continuarei à procura.”


Sobre os prurido limpos do JN, deixo-lhe esta dica: eu e ele, muitos outros, provavelmente estimamos mais os guineenses, os angolanos e os moçambicanos que Nino, Kumba Ialá, Dos Santos, Chissano e Guebuza. E teremos mãos mais limpas para mostrar e vidas honradas para certificar, que seríamos incapazes de desprezar (fiquemos por este termo benigno) estes povos como, malfadadamente, eles o fizeram e fazem.

Sobre as saídas, as coisas complexam-se, está bem de ver. Mas a definição da estratégia pertence aos africanos, com a condição prioritária de afastarem, primeiro que tudo, a corrupção para fora do assunto. E, se o JN me permite a ousadia de uma recomendação, proponho-lhe que não deixe de ler o último livro do Professor João Mosca, moçambicano migrado aqui a dar aulas no Instituto Piaget (não somos só nós que mandamos professores para África, também temos africanos a dar aulas na Europa). O livro chama-se SOS África (Edição do Instituto Piaget – colecção Economia e Política). Um dia destes, do livro falarei. Entretanto, dou-lhe tempo para o ler, sem lhe meter nos olhos o filtro da minha opinião. Quem sabe, entre gente que gosta de África e dos africanos, tenhamos aqui um bom motivo para cruzar reflexões. Não para zurzir em passados, mas antes ajudar a pensar nas saídas. Porque é de saídas, mais que de flagelações e de auto-flagelações, que África está precisada.

Adenda: E se me permite a ironia, olhando para a fotografia que lhe roubei e reproduzo, em que péssimo estado está o Palácio onde o Caco governou como se fosse um Vice-Rei...
Publicado por João Tunes às 00:31
Link do post | Comentar
1 comentário:
De FP a 7 de Janeiro de 2005 às 02:14
Hoje almocei fora e pedi o recibo...
e tu?
Não almoçaste fora ou foste cúmplice na fuga ao fisco?

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO