Quarta-feira, 2 de Fevereiro de 2005

AINDA SOBRE AS ELEIÇÕES NO IRAQUE

22-flagi-sadurski[1].jpg

Dois estimados vizinhos e visitantes, deixaram os seus comentários ao meu post sobre as eleições no Iraque. Ambos manifestaram posições bem diversas das minhas. E com sólidos esboços de argumentos. O que, pelo menos, é saudável como manifestação de diferença de vistas.

Como normalmente a chinela da polémica me puxa pelo pé, ainda comecei a esboçar uma resposta aos dois amigos blogo-condóminos. Mas depois, pelo respeito com dor que me merecem os povos iraquianos, martirizados por uma das ditaduras mais sanguinárias que passaram pela face da terra, pela guerra e pela invasão, pelos interesses mais ou menos disfarçados, pelo terrorismo e pelo fundamentalismo, também pela forma como a sua infelicidade é usada como bandeira de outras águas para outros moinhos, resolvi adiar a resposta para quando me sinta mais liberto da inibição em voltar a falar, já, de alegrias e tristezas com um preço tão elevado. No caso, para mais, tratando-se de um País que conheci, que me fascinou e tão bem me tratou alguma da sua gente. Pelos iraquianos, eu não posso (quem pode?) rebobinar a história. Tirar-lhes o colonialismo inglês, Sadam, a brutalidade bélica americana, as mentiras a servirem de pretexto, as bombas que lhes rebentaram as casas e os corpos, o fanatismo que turva as soluções, os nós difíceis de desatar daquele mosaico étnico-religioso desenhado a régua e esquadro coloniais. Sabendo como sabemos que só num curtíssimo período, ali a soberania se exerceu através do voto livremente expresso. E amarro-me à crença de que só pelo voto, a democracia soberana pode devolver a vontade legítima de futuro àqueles povos. Sei que é curto como argumento contra a miríade de opiniões consolidadas, sobretudo em quase todas as margens esquerdas. É, sim senhor. Mas quero, agora, parar aqui, com uma confiança muito pouco confiante. Deixem-me, agora, olhar para o Iraque com alguma esperança. Os argumentos seguirão mais tarde.

No entanto, pelo devido respeito ao exercício do contraditório, transcrevo os dois comentários, agradecendo-lhes a atenção:

“É suposto que as eleições sirvam para alguma coisa. É pensável que aqui na Europa se realizassem eleições com o quadro existente no Iraque? Penso que estará de acordo comigo, que seria impensável... Partindo do princípio que as eleições foram um acontecimento positivo (de que discordo), que possibilidade existe de real efectivação do poder? Não seria melhor criar essas condições como pressuposto para a sua realização??”
(mfc)

“João Tunes, subscreveria o teu último parágrafo, de tão bem escrito e sentido que está, mas quanto aos dois parágrafos anteriores tenho duas objecções: 1) não me parece que os iraquianos que participaram nesta plebiscitação cega de um regime vigiado e controlado pelos ocupantes, tenham podido «escolher»; 2) não percebo de que «opções para o futuro do país» estás a falar e atrevo-me a supor que alguns (muitos?) iraquianos também não. Será possível chamar democrático a um processo em que não há informação livre nem possibilidade de debate? Estou a tentar recolher mais informação sobre esta parte do processo iraquiano mas, o que já é público leva-me a crer em mais um erro crasso. Evoca-me aquela cena do filme de Buñuel em que os camponeses antes de serem fuzilados pelas tropas napoleónicas, gritavam «Á bas la liberté». Poder-se-á conceber a democracia sem liberdade?”
(Manuel Correia)
Publicado por João Tunes às 17:11
Link do post | Comentar
1 comentário:
De jose antnio a 6 de Fevereiro de 2005 às 15:55
Oito dias depois dos foguetes ainda andam a apanhar as canas ? Tv's, rádios, jornais, opinion makers, etc. etc. mudo e quedos. É um silêncio ensurdecedor.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO