Quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2005

O FENÓMENO JERÓNIMO

r2108824052[1].jpg

A revelação-coqueluche desta campanha, em termos mediáticos, é, sem dúvida, Jerónimo de Sousa. E, assim, alguma razão terá Louçã para se queixar da perda de colo nos media.

O relacionamento popular como se o País se tivesse transformado numa Festa do Avante, os fatos de feira de subúrbio, os sublinhados através de ditos e provérbios, o vazio desesperante do discurso melódico-romântico dos ontens que cantaram, o apelo nostálgico à tristeza dos excluídos, a cara larga com sorriso de fivela e a manápula de antigo polícia militar, transformaram-no num estereótipo em que se reconhece na ribalta política aquele canalizador prestável que nos salvou a casa da ameaça de inundação quando uma torneira da cozinha deu o berro. Tornando num facto excitante, para mais numa campanha sensaborona, a proeminência de um dos do povo metido em altas cavalgadas política, à mistura com doutores e engenheiros. E o patético da sua perda de voz em pleno debate só veio realçar esse lado de sociedade recreativa que Jerónimo introduziu na campanha, ou seja, a desigualdade social servida no banquete da alta política. Porque só um pobre cairia ali no estúdio e em directo, derrotado pela afonia. E mesmo um rico gosta de ter pena dos pobres porque precisa disso para salvação da alma (desde que o pobre não lhe exproprie os bens, é claro).

Mas, no fundo, o truque Jerónimo não passa de uma expressão da mais rotunda duplicidade. Porque se a sua imagem simplória passou e passa é porque a marca PCP, que ele levantou à mais alta expressão façanhuda no último Congresso, levaram à expectativa de que dali ia sair agressividade e intolerância. Entrado em campanha, Jerónimo quis fazer passar a imagem do duro dentro do Partido e simpático e tolerante quando desce à rua. Ao fim e ao cabo, uma forma de populismo. Porque deste há de todas as cores e também se pode pintar de vermelho.
Publicado por João Tunes às 17:12
Link do post | Comentar
6 comentários:
De Joo a 18 de Fevereiro de 2005 às 17:23
Abraço, caro Raimundo. Nesta casa, és sempre bem aparecido.
De RN a 18 de Fevereiro de 2005 às 02:37
OLá Tunes
Boa análise. A tragédia virou farsa. O tigre já foi tigre e infundia um terror pânico. E não era para menos se até comia criancinhas! Não à Bibi, mas entre duas fatias de pão, ao pequeno-almoço. Agora como o "tigre é de papel" todos acham gracinha. E para afinador de máquinas até acham que vai muito bem. Quem diria!.Tu é que os topas.
De Joo a 17 de Fevereiro de 2005 às 23:05
Benevolência e compaixão são sentimentos que o Jerónimo não se pode queixar deste "zangado com a vida" apresentado no Depósito Geral de Adidos (da blogosfera)... Sempre disse o que dele penso, agora contem-se os votos. Ele valerá o que valer.
De Vtor Sousa a 17 de Fevereiro de 2005 às 22:25
Parece que o país político foi acometido por uma pestífera benevolência em relação a Jerónimo de Sousa. Compaixão é algo que o próprio deve repudiar...
De Joo a 17 de Fevereiro de 2005 às 21:42
Caro Vitor, uma outra leitura a sua, no caso benevolente, que eu só posso respeitar. Abraço.
De Vtor Sousa a 17 de Fevereiro de 2005 às 21:25
Reflexão válida, se bem que não a subscreva. Jerónimo de Sousa parece-me ser genuíno, e não posso sonegar a surpresa que me invadiu ao constatar o nível qualitativo do discurso de um homem que nunca cursou no Ensino Superior. Apesar de estar muito longe de me acoplar ao PCP, e ao Comunismo pragmático, louvo a evolução deste homem. Enalteço os auto-didactas, que olham para o caminho percorrido não com nostalgia, mas como júbilo por verificarem que muito há ainda para calcorrear e progredir.
Um abraço!

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO