Quarta-feira, 6 de Fevereiro de 2008

O ESCRUTÍNIO DOS SITUACIONISTAS IRRITADOS

 

 

Se há um atavismo entranhado de dizer mal, lamuriando corrosivamente, acerca dos que fazem, até pelo potencial de fazerem bem e terem sucesso, também coexiste uma outra tendência doentia para a defesa obsessiva, mas posterior, dos caídos em desgraça. Que, muitas vezes, caíram por míngua de quem lhes segurasse o braço, ou lhes ensinasse a mudança de rumo, quando do caminho para a queda.

 

Correia de Campos foi um ministro que reformou mal. Tão mal que tornou irrelevantes eventuais bondades inscritas nas suas reformas. Neste sentido, em termos objectivos, poucos ministros da saúde terão periclitado tanto quanto ele a sobrevivência do Serviço Nacional de Saúde entendido como esteio de retribuição solidária aos cidadãos, quando em crise de fragilidade (no caso, por doença), do cumprimento dos deveres de apoio do Estado. Ao fragilizar em largas franjas da população o sentido de protecção pública no domínio das suas debilidades maiores, a prática de Correia de Campos levou ao enfraquecimento do laço político concreto que liga os cidadãos à democracia: a sensação de que o Estado serve, existindo para servir. E, ao contrário, o que o ex-ministro fez foi difundir uma sensação de distância, por abandono, da parte no Estado, atingindo-se a beira de um estado de escândalo público e que foi lautamente aproveitado por inevitáveis demagogias oposicionistas, até atingir o ponto de não retorno da respeitabilidade reformadora, situação esta que, in extremis, Sócrates pretendeu evitar.

 

Curiosamente, vozes não ouvidas em defesa de Correia de Campos e das suas reformas, quando delas precisava para se sustentar no poder, ouvem-se agora. E em clamor, numa espécie de hino a defuntos (o ministro e as reformas). Como se a queda de Correia de Campos tivesse arrastado para a valeta não só o sentido reformador como o próprio SNS.O que para Sócrates é um péssimo sinal, enquanto demonstração do poder de adição autofágica de parte importante dos que o apoiam (ou apoiaram), porque não só tacitamente reprovam o acto político da substituição do ministro como constituem um vazio de apoio a Ana Jorge para corrigir o que, desastradamente, se atamancou. Sem importar que, ao dar-se o SNS como moribundo, numa idolatria fulanizadora da capacidade de o reformar, se esteja a prestar o maior de todos os serviços antecipadores aos que esperam a hora de lhe fazerem o funeral.

 

No fundo, o comportamento dos públicos que são clientes políticos (interessados ou desinteressados) do PS e do governo, neste caso de substituição de Correia de Campos, são uma medida do resultado da desertificação de ideias e de debate que o PS e o governo de Sócrates consolidaram na paisagem política e partidária. Enquanto sustentação de exercício de poder, quis-se uma base de apoio sem massa crítica que incomodasse o rumo e distraisse o leme, género “maioria silenciosa”, concentrando o activismo na inspiração e na energia inesgotável do timoneiro, gerando-se uma cultura situacionista. O que só funciona quando o comandante e a marinhagem estão em maré de entusiasmo e com velas manobráveis a bons ventos. Depois, perversamente, quando um movimento brusco de leme tenta endireitar a rota, os passageiros de mar chão, os situacionistas, são os primeiros a empunharem o balde de cal e abrirem a cova para o enterro anunciado das reformas, dando corpo a uma nova oposição, a do desencanto, que é a mais corrosiva. Sócrates que se cuide agora dos situacionistas irritados, os que se esqueceram de aconselhar bem Correia de Campo (evidenciando-lhe as asneiras, principal dever de amigos e apoiantes) e que agora falham no apoio que Ana Jorge bem necessita para endireitar o barco.     

Publicado por João Tunes às 02:13
Link do post | Comentar
1 comentário:
De dissidentex a 6 de Fevereiro de 2008 às 11:31
Caro J.Tunes:

O ministro não reformou nada.
Esse é o primeiro "erro simpático" do seu texto.

O que o ministro fez foi cortar aleatoriamente e de forma errática despesas onde quer que achava que as encontrava sem ter qualquer plano ordenado e sistemático para o fazer ou qualquer lógica subjacente a isso.

Reduzir tudo, a uma mera luta de grupos de pressão exteriores - a clientelas que forçaram a demissão do ministro por falta de debate interno dá conforto espiritual
mas não resolve o problema de saber exactamente;
porque é que o PS está a patrocinar a privatização encapotada do serviço nacional de saude.

Dizendo ao mesmo tempo que o está a salvar.

No centro de saúde onde tenho o intenso desprazer de ir, a burocracia é a mesma, o número de médicos é menor, os tempos de espera são os mesmos ou susperiores, as falhas são maiores actualmente do que eram há 3 anos atrás.

Resultados concretos são zero.

Portanto eu como cidadão, quero um SNS que funcione sem burocracia, barato e rápido.
Não é isso que eu tenho.

Quanto à nova ministra não ponha esperanças nela.
Digo-lhe isto com toda a simpatia.

Uma pessoa que faz parte de uma comissão de gestão que se engana em 77 milhões de euros em pagamentos ao Hospital Amadora Sintra, umas das maiores proxenetices da república não inspira confiança a ninguém.

Já agora lanço também a questão lateral a este post mas questão:
O PS incomoda-se ou não se incomoda com o facto de "em hospitais para pobres" ou seja, em hospitais para utentes do SNS, os doentes estejam a servir de cobaias para treino de médicos; médicos esses, que depois de andarem a fazer uns 10 anos de erros de aprendizagem passam alegremente para grupos privados de saúde?

Isso vai ser tratado pelo PS ou não?
Isso vai ser "reformado" ou não?
A exclusividade profissional vai ser aplicada no sector público de saúde ou não?

Não é nada de pessoal contra si, mas retórica de reformas vinda do PS já cansa.
Quando os problemas são sempre os mesmos e o PS sempre que chega ao poder persiste em não os resolver e chutar para canto.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO