Sexta-feira, 11 de Janeiro de 2008

A VIA PARA A EUROPA VIRTUAL

002agp13

 

Viajando pela Europa, constatamos como, apesar do “projecto europeu”, ou por acicate de repulsa devido à uniformização burocrática bruxelense, a época é de desenvolvimento dos nacionalismos, autonomismos e particularismos. É uma realidade em crescimento e com a qual temos de aprender a viver e a lidar. Porque a unificação atrai a sobre-afirmação da diferença e porque, também e sobretudo, a maioria dos políticos “europeístas” muito fazem para que a construção europeia se processe num nível “acima” e bem distante dos sentimentos, vivências e vontades dos cidadãos. A fuga ao referendo para ratificar o Tratado de Lisboa terá sido o último e mais clamoroso exemplo da forma como os políticos europeus arredam os cidadãos do coração da identidade europeia. E isto, como tudo, tem um preço.

 

Há pouco tempo, passei uma semana na Sicília, um caso muito particular de identidade histórica, cultural e política no quadro da realidade italiana, tanto mais que a pátria Itália não tem mais de século e meio de existência. Sabe-se como o rico norte italiano considera o sul. Mas o sul italiano, particularmente na ilha siciliana, não fica atrás no ímpeto centrífugo dos seus “compatriotas”, “menos mediterrânicos” e “mais europeus”. Acontece que a ilha siciliana fica a uma distância da península italiana (região da Calábria) a uma distância inferior ou aproximada daquela que separa as duas margens do nosso Tejo entre as duas actuais pontes. Mas a ligação continua a processar-se exclusivamente por via marítima. Com os recursos que a Itália tem, é um absurdo nunca se ter construído qualquer ponte ligando a “bota” à “pedra”. Tanto mais que a costa norte montanhosa da Sicília, na ligação rodoviária entre Messina e Palermo, possui uma extensa auto-estrada totalmente construída sob a forma de túneis e viadutos intercalados (não consigo imaginar quanto terá custado essas muitas dezenas de túneis e de longos e altos viadutos). E existe uma ligação ferroviária que liga Palermo à rede peninsular fazendo o comboio a travessia do estreito de Messina por … barco. Além do intenso tráfego de pessoas e mercadorias que é escoado, a um ritmo alucinante, por “ferry boat”. Perante este absurdo de investimento e gestão de meios, a única justificação me foi dada (e encontrei esse argumento sob forma escrita) foi que uma ligação entre a ilha e a península, iria diluir a especificidade cultural e dos usos e costumes dos sicilianos, pagando o custo da perda de isolamento (!). Ou seja, com ponte, os sicilianos seriam mais italianos, mais europeus, mas menos sicilianos. Tudo isto se passa num dos países fundadores, mais poderosos e influentes da União Europeia. Assim, como admirar os ímpetos independentistas dos kosovares e as complicações flamengas na Bélgica? Com a prestimosa ajuda dos políticos que gostam tanto de assinar tratados como o nojo que carregam pelas consultas populares.

 

(este post vai com dedicatória para o companheiro-amigo Pepe que espicaçou o pretexto, com a companhia da oportunista esperança de o ver esgrimir o contraditório)

Publicado por João Tunes às 16:21
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO