Quinta-feira, 20 de Dezembro de 2007

KOSOVO E A INFLAMAÇÃO

0029c5yx

 

Aqui, o Cavalheiro d’Oliveira fala bem, embora já tenha falado melhor. Deu-lhe para uma de estadista, daqueles que, de régua e esquadro desembainhadas, fazem a quadrícula dos países versus povos, etnias, culturas e vontades. Como aqueles outros que, em Conferências que a história nos guarda na memória, para garantia de paz e equilíbrio, construíram países e os impuseram, como, em exemplos, a Checoslováquia e a Jugoslávia. Ou como outros ainda, os de Ialta, que definiram o que devia ser a Polónia passada de vencida a liberta tutelada (encolhendo para a Rússia e compensando com bocados alemães), ou a Roménia que viajou de vencedora até vencida (comendo à Hungria o que perdeu para a Rússia), ou a Alemanha, a grande vencedora transformada em grande vencida, a que não só encolheu em vários lados como teve de absorver os muitos milhões de retornados corridos a pontapé pela Ialta consumada. Mais o grande tabu de que todos os arranjos de vencedores eram ponto assente quanto a fronteiras. Pela paz, pelo equilíbrio e pelo risco dos maus exemplos e dos processos em cadeia.

 

De facto, Berlim, Ialta e a guerra fria, reconfigurada a Europa, cristalizada em sílica trabalhada da Boémia em vários fóruns de vencedores, ofereceu a ditaduras a gestão das fronteiras críticas. E os gajos tiveram mão rija a lidar com as veleidades relapsas, com o único senão de não conseguirem durar sempre. Caídas as ditaduras do equilíbrio, surgem os problemas. E salta o ai Jesus que vem aí o dominó mais o seu conhecido efeito. De caco em caco, tarda nada temos problemas no Algarve ou na Ribeira portuense.

 

Mas, por mim, o que acho mais admirável nesta Europa actual (cada vez mais amanuense por mor de Bruxelas), quando as utopias, as réguas e os compassos se desusam por mau uso, e que me perdoe o Cavalheiro d’Oliveira, é que os do Kosovo, sabendo perfeitamente que o seu país não é viável (Tito e Milosevic disso trataram), queiram ser independentes e sobre isso não admitam discussão. E vão ser. Pese embora (admirável utopia nova), tratarem primeiro da libido da independência e só depois dos negócios da solvência. Irracionais estes kosovares. E perigosos, pelo exemplo inflamatório. Mas são kosovares. Essa é que é essa.

 

Publicado por João Tunes às 16:05
Link do post | Comentar
2 comentários:
De d'oliveira a 20 de Dezembro de 2007 às 22:48
Meu Caro João |Tunes

chame-me tudo menos estadista.
Os kossovares só o são por terem religião muçulmana. Pelo menos um terço dos actuais terá vindo como emigrante da Albania o que não é crime
Por outro lado também me parecem ser kossovares os cerca de 400.000 sérvios actualmente refugiados na Sérvia. Pela razão simples de terem nascido no kossovo e de serem filhos, netos e bisnetos de gente aí nascida. De resto como sabe, o Kossovo é considerado o berço da nação servia e já agora o local de duas tremendas e memoráveis derrotas militares dos sérvios cristãos no sec XIV ou XV já não sei bem.

O que eu digo é que o modo como o problema está a ser tratado tem todos os ingredientes para causar mais outro problema balcanico. E a Europa sabe isto tão bem que até oferece a adesão à Sérvia em troca da sua boa vontade.
não disse mas concordo que o Kossovo não tem viabilidade como país. A menos que a causa kossovar seja apenas um disfarce de uma pan Albania como já foi aventado.
concordará todavia que a solução independentista põe em causa toda uma série de países e regiões e não apenas as da Europa central. Falei da Espanha e da França e da Itália e poderia acrescentar a Irlanda onde um Ulster de forte maioria protestante (60-40) verá justificada a não inclusão na republica irlandesa.
Eu tenho sobre o nacionalismo uma ideia porventura herética mas que é a seguinte: nunca é bom, sequer em dose moderada.
Passei pelo Kossovo no longínquo ano de 1975 e já na altura havia problemas só que dessa vez eram os sérvios que apanhavam. Na época a Jugoslávia ou quem nela mandava até achava bem a pressão albanesa muçulmana. E sobretudo havia a ideia de que se não devia ofender o vizinho Enver Hodja.
V tem uma ideia diferente. suponho que ambos sobreviveremos a esta discordancia. a democracia é isso mesmo. Mas creia que eu não a prwetendo instaurar de regua e esquadro. apenas penso alto e por escrito. Espero viver o suficiente para verificar se estou errado ou certo. Até láa confesso-lhe que n~ão tenho a certeza que V parece ter na solução independentista.
De João Tunes a 22 de Dezembro de 2007 às 16:01
Caro d’Oliveira,

O seu comentário ainda me parece mais de “estadista” que o post que colocou e me surpreendeu pelo pretendido equilíbrio geopolítico, com cristalização de fronteiras ditadas, assente num preconceito que acaba de reconhecer, o do anti-nacionalismo (preconceito que colide com o princípio da autodeterminação). Eu não tenho qualquer certeza sobre a “via independentista”, a não ser quando ela se manifesta, é vontade colectiva. Sobretudo, se sufragada de forma limpa, como é o caso do Kosovo (provavelmente, um primeiro passo para o passo seguinte: a construção da Grande Albânia). Defendo que a vontade legitimamente expressa de um povo se juntar ou separar não pode ser questionada, e se for impedido, esse, sim, será um complicado foco de tensão (expresso ou recalcado na espera de solução). Ah, e garantindo-se os direitos das minorias étnicas e culturais (caso da minoria sérvia do Kosovo). Na antiga Jugoslávia, em Espanha, no Cáucaso, na Bélgica, onde acontecer. E nem Praga nem Bratislava arderam quando a ficção checoslovaca ardeu e os anti-nacionalistas se calaram. O que acontece, agora, é que a ficção Jugoslávia ainda não terminou. Aceite até chegar ao Montenegro, indigesta quando cheia aos feios albaneses. Ora!

Saudações companheiras.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO