Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2007

SALAZAR E O CALAR DA HERANÇA DE SIDÓNIO PAIS

        002942rz

00293pd8

 

Num post anterior, referimos o aparente paradoxo do não assumir por Salazar da continuidade efectiva entre a base social, política e ideológica (expressa, sobretudo, nas elites a mastigarem vontade de revanche desde a derrota do miguelismo) entre o sidonismo e o salazarismo, pesem embora uma ou outra agregação circunstancial (em termos de alianças espúrias repetidas, destaca-se o anarco-sindicalismo que apoiou, por ódio à repressão republicana anti-operária, as tomadas de poder por Sidónio e por Gomes da Costa, para rapidamente, num caso e noutro, levarem com o chanfalho repressivo como “paga” às ajudas sindicalistas aos revolucionários reaccionários; quanto a “aliança nova” no apoio ao salazarismo nascente tivemos o fascistóide nacional-sindicalismo, com tinta fresca da cópia do fascismo de Mussolini, o qual, não existindo ainda no tempo de Sidónio, foi, tal como aconteceu ao anarco-sindicalismo, rapidamente desfeito e perseguido no plasmar ideológico do Estado Novo). Lógico seria que a continuidade política e ideológica, com idênticas bases de apoio, as do portuguesismo reaccionário, entre sidonismo e salazarismo, em que este último beneficiou, no mínimo, do efeito erosivo sobre os alicerces do republicanismo demo-liberal, que Salazar assumisse a dívida para com o seu “precursor”. Mas, por exemplo segundo o historiador João Medina (*), tal nunca aconteceu:     

 

“Quem leia os discursos e entrevistas de Salazar ao longo de tantos anos de poder pessoal incontestado, notará decerto uma curiosa e, em parte, inexplicável omissão nesse corpus doutrinário: a ausência quase completa de qualquer referência, mesmo puramente alusiva, a Sidónio e ao Dezembrismo, como se aquele chefe e esta experiência, pelo seu cariz retintamente republicano ou intuito manifesto de ser uma emenda da República feita por republicanos que vinham do 5 de Outubro de 1910, lhe desagradassem a tal ponto que as suprimia pela amnésia quase que freudianamente ressentida. Ainda que a brevidade do regime sidonista pudesse de algum modo explicar esta lacuna da memória do ditador Salazar, a verdade é que a inclusão de algumas figuras do regime dezembrista no seu elenco governativo ou dirigente e ainda o modelo ditatorialista nele incipientemente contido deveriam forçá-lo a essa homenagem como estadista que acabara por beneficiar dos dramas que tinham fragilizado e fracturado de modo insanável e precursor o regime republicano, a ponto de, oito anos volvidos sobre o assassinato de Sidónio, o professor coimbrão de Economia Política iniciar os seus primeiros passos na governação do país como ministro das Finanças.”

 

“Cremos que esta amnésia salazarista tem a ver com uma instintiva repugnância, por parte daquele que assim se esquecia de um passado tão recente, em inscrever-se numa linha republicana, quer doutrinal, quer em termos históricos, preferindo, nessa medida, buscar a bissectriz ideológica e jurídica de umas quantas tendências doutrinárias ou mesmo práticas passadas que o Estado Novo procuraria fundir numa frente unida: nacionalismo antiliberal, corporativo e católico mais perto do Franquismo (o de João Franco, obviamente) do que de qualquer outra ala do republicanismo, para ele pecaminosamente indissociável dos modelos de 89, do vintismo ou do jacobinismo. O pouco entusiasmo dos poderes públicos, durante os anos da ditadura salazarista, em prestar homenagem ao chefe baleado à entrada da estação do Rossio em 1918, comprovam, também de forma negativa, esta ausência de sidonofilia por parte de Salazar: exceptuando o nome de uma avenida junto ao Parque Eduardo VII, em Lisboa, pouco ou nada se fez para recordar oficialmente o “precursor” – termo que também raramente foi usado pela retórica do Salazarismo, pois nunca se chegou a erguer a projectada estátua ao major nascido em Caminha. A ritualização de homenagens de outras figuras públicas contém ainda outras lacunas de que seria útil indagar a origem – entre elas João Franco, que Salazar confessadamente admirava e com o qual se chegou a cartear -, o facto é que o Estado Novo, mesmo na sua tão forte vertente militar, dispensou-se de incluir Sidónio como emblema de instituições como a Mocidade Portuguesa ou a Legião Portuguesa, preferindo ir buscar vultos históricos mais canónicos, mais antigos, como Nuno Álvares Pereira – até porque não havia nestes o risco de terem sido maçons…”

 

“Na ditadura do Estado Novo, a presença deste ou daquele maioral ou condestável sidonista no elenco do regime não prova que Salazar tivesse sido o tal chefe prognosticado por Pessoa na sua ode fúnebre sebastianista, o tal avatar da figura sebástica de Sidónio. Nem o próprio Salazar se sentiu alguma vez – ou alguma vez o escreveu ou disse – como continuador do faíscante major-ditador que fora iniciado na loja maçónica «Estrela d’Alva», em Coimbra, em 1911 – já o futuro ditador «democrata cristão» por ali andava, agarrado às sebentas. Três anos depois de ter pronunciado, na sala grande dos actos da Universidade de Coimbra, a sua corajosa Oração de Sapiência sobre a nova pedagogia (16-X-1908), seis meses após o assassinato de D. Carlos e seu filho D. Luís Filipe.”

 

“Nem a natureza profunda da longa ditadura iniciada em 1926 mostraria que a República Nova tivesse sido, de algum modo evidente e indiscutível, o esboço mais parecido com o do Salazarismo. Não se trata, obviamente, de distinguir os dois homens singulares em causa, o major e matemático especialista em cálculo de probabilidades, o lente e fradalhão devorado pela libido dominandi, com os seus incompatíveis caracteres e idiossincrasias pessoais – as qualidades de brio, generosidade, coragem e inteligência calorosa do primeiro, em contraste tão flagrante com a misantropia fria, taciturna e desconfiada, a falta de caridade humana ou intelectual pelo próximo, a misoginia do ex-seminarista e a sua mesquinhez de carácter e de acção: para além destas diferenças colossais de temperamento, perfil psicológico e carácter há, sobretudo, dois modelos dos regimes que ambos protagonizaram, dois estilos e dois propósitos que tornam esses dois sistemas político-sociais e institucionais – a efemeríssima e ofegante República Nova e o tão longevo Estado Novo – como regimes que se aparentam mais pela enganadora razão de resultarem afinal do mesmo descalabro e falência do modelo demoliberal português, iniciado em 1820, recomeçado em 1834, emendado em 1851, degradado no final do século XIX com cesaristas régios e “endireitas” civis e militares, definitivamente ferido de morte pelo dementado consulado franquista, por fim reposto em modelos aparentemente democráticos, mais radicalizados – já não se tratava dum sistema de “liberdade outorgada” ou de Carta mandada por um monarca autoritário e absentista a um povo, ma um projecto colectivo, explodindo em tempestuoso Dies Irae, saído duma revolução “popular” -, retomando com a revolução de 1910, aquele que um fino observador como João Chagas, poucos dias depois do estrondo e tremor telúrico que dera com a monarquia no chão, achava, ao fim e ao cabo, dado a ausência de lances sangrentos ou sevícias vingativas, parecer-se mais com um “idílio” do que um bíblico dia de cólera, aquele em que o mundo se desfaz em cinzas…”

 

Para quem, como eu, começou a “aprender” História de Portugal nos tempos do ensino salazarista, a memória reterá o quão apagadas, praticamente inexistentes, eram as referências a Sidónio e como a mitologia historiográfica dos heróis e santos cultivados pelo Estado Novo navegava noutros campos de batalha, altares e sacristias. O que, não sendo prova histórica cabal do nojo de Salazar pelo republicanismo e pelo “pecado maçónico” que conspurcavam Sidónio aos seus olhos de jesuíta inquisitorial, confirma a tese de João Medina.  

 

 

(*) – A transcrição seguinte é do livro “O «Presidente-Rei» Sidónio Pais, João Medina, Livros Horizonte (pgs 36-39).

Publicado por João Tunes às 16:09
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO