Sexta-feira, 23 de Novembro de 2007

DA AJUDA ATÉ OS JERÓNIMOS

0026yaqt

 

Mulheres em casa (cuidando dos filhos, limpando, cozinhando, engomando, esperando os maridos), patrões e operários marchando juntos fardados de legionários, crianças e adolescentes formando milícias do regime, todos gritando “Salazar!”, enquanto os teimosos recalcitrantes eram metidos na ordem “com uns safanões a tempo”, constituía a base do imaginário romântico do “fascismo à portuguesa”.

Imaginário este que, por vezes, em delírio totalitário, levava a olhar a realidade desta forma esquizofrénica (através de um circuito nunca realizado nem realizável: o jornalista-propagandista António Ferro e o ditador Salazar a passearem anónimos pelas ruas de Lisboa, tropeçando em cada esquina e por meros acasos, com marchas de legionários e de lusitos):

 

Vamos agora descendo a Calçada da Ajuda. Passam, formadas, algumas centenas de legionários que reconhecem Salazar e erguem os braços na clássica saudação romana. Homens desempenados, rostos morenos, pintados pelo sol português, de todas as classes e idades, o operário ombro a ombro com o patrão, mas todos com vinte anos na luz dos seus olhos, na sua marcha irrepreensível.

- Quem vive? – pergunta, em voz clara, sonora, o comandante de lança.

- Portugal! Portugal! Portugal! – respondem todos.

- Quem manda? – pergunta a mesma voz.

- Salazar! Salazar! Salazar! – gritam os legionários, alegremente, afastando-se, descendo a calçada em passos cadenciados e certos.

- Como estamos longe – observo – dos primeiros tempos, quando o Chefe do Governo português reconhecia, numa das entrevistas que me concedeu, que um dos perigos mais sérios do regime era a frieza dos que o serviam. “Durar, eis o segredo”, disse-me um dia Mussolini. E tinha razão.

Salazar concorda:

- A formação da Legião e, com alcance longínquo, talvez mais a da Mocidade Portuguesa, têm contribuído poderosamente para modificar a mentalidade geral, para restituir aos portugueses o que parece que tinham perdido: a consciência cívica. Ao português corajoso, mas indisciplinado, com horror atávico ao serviço militar, habituado à guerra, sim, mas à guerra civil, já não repugna fardar-se e está disposto a obedecer na hora própria. A Legião e a Mocidade têm-lhe dado ao mesmo tempo um sentimento mais profundo de solidariedade social aproximando as classes, quebrando as distâncias entre os ricos e os pobres. Ensinou-os igualmente a ser tolerantes, a respeitar as crenças de cada um, grande conquista no nosso País.

(…)

Estamos agora diante dos Jerónimos, renda do mar português, praia-mar da nossa epopeia marítima, com os seus cabos, as suas âncoras, com os seus leões imperiais, com a estátua do Infante D. Henrique, profeta e criador das navegações portuguesas, olhando o Tejo. Diante do seu pórtico em flor passam, a caminho dos seus exercícios semanais, alguns castelos da Mocidade Portuguesa, fardas castanhas bem talhadas, calções largos, tufados, caindo sobre essas botas de cano alto que fazem a sua felicidade. Ao toparem com Salazar levantam galhardamente os braços, tal qual os seus irmãos legionários, e rompem a cantar, sem ordem prévia, o hino da Mocidade:

Lá vamos cantando e rindo,

…………………………..

Torres e torres erguendo,

Rasgões, clareiras abrindo!

- Há seis anos ainda os jornalistas e escritores estrangeiros que nos visitavam, cheios de simpatia, não escondiam o seu pessimismo diante do panorama da nossa mocidade abandonada, desorientada, com simpatias evidentes, aqui e além, pelo marxismo. Hoje, a percentagem dos estudantes que se negam a pertencer à Mocidade Portuguesa é mínima. E não são raros os casos em que são os filhos que convertem os pais…

E o dr. Salazar, olhando, com visível enternecimento, os rapazes da Mocidade:

- Quando esta geração chegar à vida poderemos estar tranquilos…

 

 

(in “Entrevistas a Salazar”, António Ferro, Editora Parceria A. M. Pereira, com prefácio de Fernando Rosas)

Publicado por João Tunes às 12:54
Link do post | Comentar
liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO