Segunda-feira, 19 de Novembro de 2007

UM VOO MUITO ALTO, DA ALTURA DA DECEPÇÃO

0026k8cp

 

 

Uma enorme decepção constituiu a leitura do livro de memórias de Jacinto Veloso (1), um dos mais poderosos dirigentes da FRELIMO no processo de consolidação da independência de Moçambique. Julgo até que a decepção, para quem esperava uma reflexão crítica e política sobre o processo de afirmação moçambicano, é uma “decepção construída” por só poder ser um assumido propósito do autor. Digo isto porque não imagino que seja possível que quem deteve tanto poder durante tanto tempo na construção e consolidação de um Estado, tendo estado dentro do círculo da máxima confiança do seu líder, mantendo as suas capacidades intelectuais bem afinadas, se reduza a um nível de reflexão política tão superficial, quase ao nível do estagiário de jornalismo generalista. Razões haverá, pois, para isso. Talvez do nível da higiene política para ficar bem no retrato para a história, refugiando-se na factologia asséptica, tentando tipificar os males moçambicanos em meia dúzia de bodes expiatórios (quase todos exteriores, pois claro, sobretudo os soviéticos e os seus paus mandados). Mas, em termos de análise política e social, o resultado é um zero muito gordo.

 

E a decepção foi ampliada porque da personagem, figura bem peculiar (2), era de esperar obra sumarenta, bem mais que um desfiar de caroços de episódios descarnados que, em vez de iluminar o processo moçambicano (que fosse simultaneamente útil para os moçambicanos e para os outros interessados na história de Moçambique), acaba por funcionar como uma espécie de pedra de sepultura na compreensão da história recente de Moçambique. O resultado é um “livro formal de estadista”, quase curricular porque demasiado composto, satisfeito e contido. Que o essencial ficou por contar, só o podendo ter sido por íntima ou combinada deliberação, deduz-se facilmente pelo papel que Jacinto Veloso desempenhou no Estado moçambicano. Ficando a pergunta maior: como é possível que aquele que foi, durante largos anos e no período mais tumultuoso da pós-independência, o responsável todo poderoso do aparelho de segurança, o chefe da “inteligência moçambicana”, retenha apenas como memória transmissível uma imensidão de viagens, encontros, negociações e sempre bons projectos e ainda melhores ideias? É inocência demasiada, caro senhor general. Tanta que não dá para esconder que, por opção, até parece que quis apagar todas as misérias, as contradições e os conflitos, tentando convencer-nos que a história escrita é um bom tapete para esconder a história vivida. Só que a história é muito mais que a composição de retratos para a galeria de palácios de recordações de ilustres figuras. Como nada convenceu, fica a tarefa de entendimento para outros. Os que nos expliquem, mergulhando no estudo, na análise e na interpretação, como foi a história de Moçambique independente e o papel das suas figuras no poder, mais substanciais que os episódios e sortilégios da dinâmica de influência e convencimento de Samora Machel e Joaquim Chissano. No mínimo, não cometendo o escândalo de conseguir "passar em branco" a célebre "operação produção", de recortes polpotianos, em que os citadinos indefesos caçados aleatoriamente em rusgas em Maputo eram lançados para o extermínio da "reeducação" nas matas do Niassa (fornecendo, por efeito perverso, a base inicial de apoio ao MNR/Renamo), uma tragédia inapagável pela amnésia impensável (imitando Guebuza, o coordenador operacional da "operação produção") em quem então dirigia a segurança de Estado e se sentava nas cadeiras mais altas do poder junto ao cadeirão-mor de Machel, e que, exibindo tão despudorada desmemória, destroça a espera de honestidade alimentada na expectativa perante a leitura deste livro, transformando-o em mera obra de enfeite narcisista e desqualificando-o como contributo histórico.

 

(1)                    “Memórias em voo rasante”, Jacinto Veloso, Editora Papa-letras.

 

(2)                    Jacinto Veloso, moçambicano filho de colonos, oficial piloto-aviador das Forças Armadas Portuguesas, desertou para a FRELIMO em 1963 pilotando um avião militar (voando num T-6, com outro fugitivo e armamento, de Moçambique para Tanganica que, depois com a união a Zanzibar, formaria a Tanzânia). Até à independência de Moçambique, desempenhou funções subalternas ao serviço da FRELIMO e nunca tendo participado directamente na luta armada contra o exército colonial. Após a independência, tendo ganho a confiança pessoal de Samora Machel, desempenhou altos cargos governamentais e na Frelimo, nomeadamente em tarefas de segurança e de acção diplomática. Foi, no contexto dos movimentos de libertação e dos Estados independentes construídos nas antigas colónias portuguesas, aquele que, entre os brancos "puros" nascidos em África, atingiu maior proeminência na gestão dos assuntos de Estado, para mais intervindo nas áreas nevrálgicas da segurança, espionagem, contra-espionagem e assuntos diplomáticos [os "particularmente delicados" (como foram os acordos com a África do Sul e o deslizamento das relações preferenciais para com os Estados Unidos, França e Inglaterra para substutirem o anterior enfeudamento de Moçambique ao marxismo-leninismo, à URSS e seus satélites)].

 

----

 

Adenda: Ler sobre este livro, a apreciação de Joana Lopes, ilustre blogo-companheira nascida em Moçambique e uma entrevista com o autor do livro que impressiona pelo tanto que o poderosos general "não sabe" e "nunca soube".   

 

Publicado por João Tunes às 12:33
Link do post | Comentar
10 comentários:
De Joana Lopes a 19 de Novembro de 2007 às 14:39
Julgo que me poupou o trabalho: estou a acabar de ler o livro e pensava (talvez ainda pense) escrever qualquer coisa.
Globalmente, estou de acordo consigo (desilusão e não pequena), mas talvez seja um pouco mais benevolente. A ver.
De João Tunes a 19 de Novembro de 2007 às 16:22
Cá fico à espera de ler a sua opinião. E seja benevolente à vontade que, para radical, estou cá eu.
De Isidoro de Machede a 19 de Novembro de 2007 às 17:07
Se o homem metesse a boca no trombone à séria até a barraca abanava, principalmente a dele! Daí a escolha pelo paleio supérfluo.
De Luís F. Simões a 19 de Novembro de 2007 às 18:28
O problema deve ser editorial - papou as letras... Tenho apreciado o que vai por aqui escrevendo...

Elypse
De João Tunes a 19 de Novembro de 2007 às 21:47
E enquanto o trombone vai e vem, não havendo meio de ficar afinado, desconfio que o Isidoro, pelo muito que sabe, bem podia dizer mais que a expressão de hiper-culto pelo Machel.
De marcelo ribeiro a 19 de Novembro de 2007 às 19:03
ainda não consegui ver o livro quanto mais compra-lo... deve por viver no grande deserto do norte bem pior neste capítulo que o do sul onde o João Tunes apascenta os seus dromedários. Fico bem triste ao ler estas primeiras análises ainda que em post recente no incursões eu tenha escrito que de certo iria chorar, rir e ficar irritado. Paciencia! vou ler o livro em memória de uns dias do Verão de 62, em Nampula, pouco antes do voo para a Tanzania.
De João Tunes a 19 de Novembro de 2007 às 21:38
Leia-o, por favor, sem o peso da minha irritação. Talvez eu tenha sido demasiado radical. E, portanto, injusto. Nestas coisas (leitura) acontece muito: quando nos adiantam uma expectativa rasante, acabamos por subir a estima. O que me aconteceu a mim foi o contrário: a expectativa alta deu em estampanço na aterragem. Fico à espera da sua opinião qualificada, tanto mais que conheceu pessoalmente o autor ainda antes da sua "entrada em luta".
De A.Teixeira a 19 de Novembro de 2007 às 19:46
Obrigado pela critica. Foi esclarecedora. Nem sempre quem teve vidas interessantes se dispõe a escrever biografias interessantes - e não me estou a referir à forma mas à substância.
De João Tunes a 19 de Novembro de 2007 às 21:43
Quanto à forma, o livro é 5 estrelas. E "super luxo" na arte de transmissão dos factos que é própria de quem foi chefe de uma "secreta".
De marcelo ribeiro a 20 de Novembro de 2007 às 10:49
Eu conheci o J V antes da ida para a Tanzania mas isso não me qualifica. Mais me qualificaria o facto de tendo vivido em Moçambique 3 anos e tendo depois regressado durante alguns períodos relativamente longos (sempre 3 ou 4 meses, até 65) e sentindo obvia simpatia pela causa independentista, ter estudado tanto quanto era possível o país e a áfrica em geral. Por isso esperava muito. vou obviamente ler tudo logo que apanhe o livro à mão. Espero que seja ainda antes do Natal... É inacreditável o atraso das distribuidoras aqui no Porto.
De todo o modo: está por fazer a história dos últimos quarenta anos de Moçambique. O que se lê é mau ou muito mau quanto à informação, medíocre quanto ao estilo e triste pelo que revela de lá e de cá.

Comentar post

liuxiaobo.jpg

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

João Tunes

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO